Sir Ken Robinson sublinha 3 princípios cruciais para que a mente humana floresça — e como a atual cultura da educação trabalha contra isso. Em uma conversa engraçada e incitante, ele nos conta como sair do vale da morte educacional que enfrentamos agora, e como nutrir nossas gerações mais jovens com um clima de possibilidade.

Abaixo assista a sua palestra no TED:

Transcrição da palestra:

Eu me mudei para a América há 12 anos com minha esposa Terry e nossos dois filhos. Na verdade, nós de fato nos mudamos para Los Angeles — (Risos) pensando que estávamos nos mudando para a América, mas de qualquer forma, é uma viagem curta de Los Angeles para a América.

Cheguei aqui há 12 anos, e quando eu cheguei, fui informado sobre várias coisas tipo, “americanos não entendem ironia.” Já se deparou com esta ideia? Não é verdadeira. Eu viajei toda a extensão deste país e não encontrei provas de que os americanos não entendem ironia. É um desses mitos culturais, do tipo, “britânicos são reservados.” Eu não sei por que as pessoas pensam isso. Nós invadimos todos os países que encontramos. (Risos) Mas não é verdade que americanos não entendam ironia. Mas quero apenas que vocês saibam que isso é o que as pessoas estão falando de vocês pelas costas. Sabem, quando você deixa salas-de-estar na Europa, as pessoas dizem, felizmente, ninguém foi irônico na sua presença.

Mas eu sabia que americanos entendiam ironia quando me deparei com a legislação Nenhuma Criança Deixada para Trás. Porque quem quer que tenha pensado neste título entende ironia. não é, porque — (Risos)(Aplausos) — porque está deixando milhões de crianças para trás. Agora posso ver que não é um nome muito atraente para legislação: Milhões de Crianças Deixadas para Trás. Compreendo isso. Qual é o plano? Bem, nós propomos deixar milhões de crianças para trás, e eis aqui como vai funcionar.

E está funcionando lindamente. Em algumas partes do país, 60% das crianças abandonam o segundo grau. Em comunidades de Nativos Americanos, são 80% das crianças. Se nós usarmos a metade desse número, uma estimativa seria que criaria um ganho líquido para a economia dos EUA por mais de 10 anos de cerca de um trillão de dólares. Do ponto de vista econômico, esta é uma boa matemática, não é, devemos fazer isso? Na verdade custa muito caro para limpar os danos da crise do abandono.

Mas a crise de abandono é apenas a ponta do iceberg. O que isso não conta são todas as crianças que estão na escola mas desengajadas dela, que não gostam dela, que não recebem nenhum benefício real dela.

E a razão não é que não se esteja gastando dinheiro suficiente. A América gasta mais dinheiro em educação do que a maioria dos países. Os tamanhos das turmas são menores do que em muitos países. E há centenas de iniciativas todos os anos para tentar melhorar a educação. O problema é, está tudo indo na direção errada. Há três princípios no qual a vida humana floresce. e eles são contraditos pela cultura da educação na qual a maioria dos professores tem de trabalhar e a maioria dos estudantes tem de enfrentar.

O primeiro é que os seres humanos são naturalmente diferentes e diversos.

Posso lhes perguntar, quantos de vocês tem seus próprios filhos? OK. Ou netos. Dois filhos ou mais? Certo. E o restante de vocês viram essas crianças. (Risos) Pessoas pequenas perambulando por aí. Vou fazer uma aposta, e estou seguro que vou ganhar essa aposta. Se você tem dois filhos ou mais, aposto que eles são completamente diferentes um do outro. Não são? Não são? (Aplausos) Você nunca iria confundí-los, iria? Tipo, “qual deles você é? Relembre-me. Sua mãe e eu vamos introduzir um sistema de codificação de cores, assim não ficaremos confusos.”

Educação sob o Nenhuma Criança Deixada para Trás é baseado não na diversidade, mas na conformidade. O que as escolas encorajam a fazer é descobrir o que crianças podem fazer através de um espectro estreito de realização. Um dos efeitos do Nenhuma Criança é Deixada para Trás tem sido estreitar o foco das chamadas disciplinas de tronco. Elas são muito importantes. Não estou aqui para argumentar contra a ciência e matemática. Pelo contrário, elas são necessárias, mas não são suficientes. Uma educação real tem de dar peso igual para as artes, humanidades, educação física. Uma enorme quantidade de crianças, desculpa, obrigado – (Aplausos) Uma estimativa na América atualmente é que algo em torno de 10% das crianças, indo por esse caminho, estão sendo diagnosticadas com várias transtornos sob um amplo título de distúrbio de déficit de atenção. DDA. Não estou dizendo que não exista tal coisa. Eu apenas não acredito que haja uma epidemia como esta. Se colocar crianças sentadas, horas seguidas, fazendo trabalhos de baixa complexidade, não se surpreenda se elas começarem a ficar inquietas, sabiam? (Risos)(Aplausos) Crianças não estão, na maior parte das vezes, sofrendo de transtornos psicológicos. Elas estão sofrendo de criancice. (Risos) E eu sei disto porque eu passei o início da minha vida sendo criança. E passei pela coisa toda. Crianças se desenvolvem melhor com um curriculum mais amplo que celebre seus vários talentos, não apenas uma pequena parcela deles. E a propósito, as artes não são importantes apenas porque melhoram as notas em matemática. Elas são importantes porque falam a partes do ser da criança que de outra forma seriam intocáveis.

Segundo, obrigado — (Aplausos)

O segundo princípio que leva uma vida a desabrochar é a curiosidade. Se conseguir acender a fagulha da curiosidade em uma criança ela aprenderá sem auxílio extra, muito frequentemente. Crianças são aprendizes naturais. É realmente uma conquista colocar essa habilidade para fora, ou reprimí-la. A curiosidade é o motor da conquista. A razão pela qual eu digo isso é porque um dos efeitos da cultura atual daqui, se posso dizer isso, tem sido des-profissionalizar professores. Não há sistema no mundo ou qualquer escola no país que seja melhor do que os professores. Os professores são o sangue que traz vida ao sucesso das escolas. Mas o magistério é uma profissão criativa. O magistério, adequadamente concebido, não é um sistema de entrega. Sabem, você não está lá apenas para passar adiante a informação recebida. Grandes professores fazem isso, mas o que grandes professores também orientam, estimulam, provocam, engajam. Vejam, no final, a educação é sobre aprendizado. Se não há aprendizado acontecendo, não há educação acontecendo, E as pessoas podem passar um tempo enorme discutindo educação sem nunca discutir o aprendizado. O ponto principal da educação é fazer as pessoas aprenderem.

Um amigo meu, um velho amigo — na verdade muito velho, já faleceu. (Risos) Tão velho quanto possível, eu receio. Mas ele foi um cara maravilhoso, filósofo maravilhoso. Ele costumava falar sobre a diferença entre tarefa e a realização dos sentidos dos verbos. Sabem, você pode estar engajado na realização de algo mas não necessariamente realizando isso. como na dieta. É um exemplo muito bom, Lá está ele. Está fazendo dieta. Está perdendo algum peso? Não está. Magistério é uma palavra como essa. Você pode dizer, “Lá está a Deborah, ela está na sala 34, ela está ensinando.” Mas se ninguém estiver aprendendo alguma coisa, ela pode estar engajada na tarefa de ensinar mas não necessariamente conseguindo isso.

O papel de um professor é facilitar o aprendizado. É isso. E parte do problmena é, acho eu, que a cultura dominante da educação tem colocado esforço não no ensinar e aprender, mas no testar. Testar é importante. Testes padronizados tem seu espaço. Mas eles não deveriam ser a cultura dominante da educação. Eles deveriam ser um diagnóstico. Eles deveriam auxiliar. (Aplausos) Se eu for a um exame médico, Eu quero alguns testes padrões. Eu os faço. Eu quero saber qual é o meu nível de colesterol comparado ao de outras pessoas na escala padrão. Eu não quero ser informado sobre uma escala que meu médico inventou no carro.

“Seu colesterol é o que eu chamo de Nível Laranja.”

“Sério? Isso é bom?” “Nós não sabemos.”

Mas tudo isso deveria embasar o ensinamento. Não deveria obstruí-lo. o que na verdade frequentemente faz. Então no lugar da curiosidade, o que nós temos é a cultura da conformidade. Nossas crianças e professores são encorajados a seguir algorítimos de rotina em vez de incitar o poder da imaginação e da curiosidade. E o terceiro princípio é esse: que a vida humana é inerentemente criativa. É por isso que todos nós temos curriculuns diferentes. Nós criamos nossas vidas, e nós podemos recriá-las a medida que passamos por elas. É a moeda corrente de ser um ser humano. É por isso que a cultura humana é tão interessante, diversa e dinâmica. Quero dizer, outros animais podem bem ter imaginação e criatividade, mas não está tão em evidência, está, quanto a nossa? Isto é, você pode ter um cachorro. E seu cachorro pode ficar deprimido. Sabem, ele não ouve Radiohead, ouve? (Risos) E se senta e fica olhando para fora da janela com uma garrafa de Jack Daniels. (Risos)

E você diz, “Você gostaria de dar uma caminhada?”

Ele diz, “Não, estou bem. Você vai. Eu espero. Mas tire fotos.”

Todos nós criamos nossas próprias vidas através desse processo incansável de imaginar alternativas e possibilidades, e um dos papéis da educação é despertar e desenvolver esses poderes de criatividade. Em vez disso, o que nós temos é uma cultura de padronização.

Não tem de ser dessa maneira. Realmente não tem. A Finlândia geralmente lidera em matemática, ciências e leitura. Agora, nós só sabemos que é isso que eles fazem bem porque isso é tudo que está sendo testado atualmente. Esse é um dos problemas do teste. Eles não levam em consideração outras coisas que são tão importantes quanto. A questão sobre trabalho na Finlândia é este: eles não são obsessivos sobre essas disciplinas. Eles têm uma abordagem bem ampla para a educaçäo que inclui humanidades, educação física, e as artes.

Segundo, não há padronização de testes na Finlândia. quero dizer, há um pouco, mas não é isso que faz as pessoas se levantarem pela manhã. Não é isso que as mantém em suas escrivaninhas.

E terceira coisa, e eu estive em uma reunião recentemente com algumas pessoas da Finlândia, finlandeses na verdade, e alguém do sistema americano estava dizendo para as pessoas da Finlândia, “O que vocês fazem a respeito da taxa de abandono na Finlândia?”

E todos eles pareciam um pouco confusos e disseram “Bem, nós não temos uma. Por que você abandonaria? Se as pessoas estão com problemas, nos aproximamos rapidamente e as ajudamos e as apoiamos.”

As pessoas sempre dizem, “Bem, você sabe, você não pode comparar a Finlândia à América.”

Não. Eu acho que há uma população de cerca de cinco milhões na Finlândia. Mas você pode compará-la um um estado na América. Muitos estados na Amércia tem menos pessoas do que isso. Quero dizer. Eu estive em alguns estados na América e eu era a única pessoa lá. (Risos) Verdade. Verdade. Pediram-me para apagar a luz quando saísse. (Risos)

Mas o que todos os sistemas de alto-desempenho no mundo fazem é o que não é óbvio atualmente, infelizmente, entre os sistemas na América — Quero dizer, como um todo. Um é esse: Eles individualizam o ensino e a aprendizagem. Eles reconhecem que há estudantes que estão aprendendo e o sistema tem que engajá-los, suas curiosidades, suas individualidades, e suas criatividades. É como você os leva a aprender.

O segundo é que eles atribuem um status muito alto para a profissão de professor. Eles reconhecem que você não consegue melhorar a educação se não tiver ótimas pessoas para ensinar e se não continuar a dar-lhes apoio constante e desenvolvimento profissional. Investimento no desenvolvimento profissional não é caro. É um investimento, e todos os outros países que estão obtendo sucesso sabem disso, quer seja a Austrália, Canadá, Coréia do Sul, Cingapura, Hong Kong ou Shangai. Eles sabem disso.

E o terceiro é, eles delegam responsabilidade para a escola para que o trabalho seja feito. Vejam, há uma grande diferença aqui entre entrar em um modo de comando e controle em educação — É isso o que acontece em alguns sistemas. governos centrais decidem ou governos estaduais decidem eles sabem mais e eles lhes dirão o que fazer. O problema é que a educação não vai as salas de comitês de nossos prédios legislativos. Ela acontece nas salas de aula e escolas, e as pessoas que a fazem acontecer são os professores e os alunos, e se você remover seus critérios, ela pára de funcionar. Você tem que devolvê-la às pessoas. (Aplausos)

Há um trabalho maravilhos acontecendo neste país. Mas devo dizer, está acontecendo apesar da cultura dominante da educação, não por causa dela. É como pessoas estivessem navegando com o vento contrário o tempo todo. E a razão eu acho que é esta: que muitas das atuais políticas estão baseadas em concepções mecanicistas de educação. É como se a educação fosse um processo industrial que pode ser melhorado apenas por ter melhores dados, e em algum lugar, eu acho, no fundo da consciência de alguns políticos está a ideia de que se nós ajustarmos bem o suficiente, se apenas acertarmos, tudo evoluirá perfeitamente no futuro. Não irá, nunca aconteceu isso.

O ponto é que a educação não é um sistema mecânico. É um sistema humano. É sobre pessoas, pessoas que tanto querem aprender ou que não querem aprender. Cada estudante que abandona a escola tem uma razão para isso que está enraizada em sua própria biografia. Eles podem achar chato. Podem achar irrelevante. Podem achar que está em desacordo com a vida que eles vivem fora da escola. Há tendências, mas as estórias são sempre únicas. Estive recentemente em uma reunião em Los Angeles — são chamados de programas alternativos de educação. Estes programas são elaborados para trazer crianças de volta a educação. Há alguns características comuns. Eles são muito personalizados. Eles tem forte apoio dos professores, conexões próximas com a comunidade e um curriculum amplo e diversificado, e frequentemente os programas envolvem estudantes fora da escola assim como dentro da escola. E eles trabalham. O que é interessante para mim, essas são chamadas “educação alternativa.” Sabiam? E todas as provas do mundo todo são, se todos nós tivéssemos feito isso, não haveria necessidade de alternativa. (Aplausos)

Então acredito que nós temos que abraçar uma metáfora diferente. Nós temos que reconhecer que esse é um sistema humano, e há condições sob as quais as pessoas prosperam, e condições sob as quais elas não prosperam. Nós somos afinal de contas criaturas orgânicas, e a cultura da escola é absolutamente essencial. Cultura é um termo orgânico, não é?

Não muito longe de onde eu moro há um lugar chamado Vale da Morte. Vale da Morte é o lugar mais quente e seco na América, e nada cresce lá. Nada cresce lá porque não chove. Daí, Vale da Morte. No inverno de 2004, choveu no Vale da Morte. 17cm de chuva caíram por um período muito curto. E no verão de 2005, houve um fenômeno. Todo os solo do Vale da Morte estava carpetado com flores por um período. Isso prova que o Vale da Morte não está morto. Está dormindo. Logo abaixo da superfície existem estas sementes de possibilidade esperando pelas condições certas para brotarem, e com sistemas orgânicos, se as condições forem propícias a vida é inevitável. Acontece o tempo todo. Você pega uma área, uma escola, um distrito, você modifica as condições, dá às pessoas um sentido de possibilidade diferente, um conjunto de expectativas diferentes, uma ampla gama de oportunidades, você estima e valoriza o relacionamento entre professores e aprendizes, você oferece às pessoas o critério para serem criativas e para inovarem no que fazem, e escolas que uma vez foram privadas desabrocharão para a vida.

Grandes líderes sabem disso. O papel verdadeiro da liderança na educação — e acredito ser verdadeiro na esfera nacional, na esfera estadual, e na esfera escolar– não é e não deve ser comandar e controlar. O papel verdadeiro da liderança é controlar o clima, criando um clima de possibilidade. E se você fizer isso, as pessoas se erguerão e alcançarão coisas que você sequer havia previsto e não poderia ter imaginado.

A uma citação maravilhosa de Benhamin Franklin. “Há três tipos de pessoas no mundo: Aquelas que são imóveis, pessoas que não se movem, não querem fazê-lo, e farão qualquer coisa a esse respeito. Há pessoas que são móveis, pessoas que veem a necessidade de mudança e estão preparadas para ouví-la. E há pessoas que se movem, pessoas que fazem as coisas acontecerem.” E se nós pudermos encorajar mais pessoas, esse será o movimento. E se o movimento for forte o suficiente, será, no melhor sentido da palavra, uma revolução. E é isso que nós precisamos.

Muito obrigado. (Aplausos) Muito obrigado. (Aplausos)

Tags: , ,

Comentário



04
jun

Escola nas Nuvens de Sugata Mitra

por Sônia R. Aranha às 21:11 em: Educação, informática

Dr.Sugata Mitra, ganhador do prêmio TED Prize, apresenta o seu maior desejo, o de construir uma Escola nas Nuvens por intermédio de um Ambiente de Aprendizagem Auto-Organizados (SOLE), sem professor, mas com um adulto que incentive as crianças pelo mundo a aprender.

Defensor de uma educação minimamente invasiva , ele considera que a época do conhecimento acabou e entramos na época da aprendizagem.

Assista o ousado projeto do Ph.D em Física e professor de Tecnologia Educacional da Escola de Educação , Comunicação e Ciências da Linguagem na Universidade de Newcastle , na Inglaterra.

Tags: , , ,

Comentário



Andreas Schleicher nos conduz ao teste PISA, uma avaliação global que classifica países, comparando-os entre si — e então usa esses mesmos dados para ajudar a melhorar as escolas.

Assista para descobrir onde o nosso país se enquadra e aprenda o fator singular que faz alguns sistemas superar os outros.

 

 

Transcrição da palestra no TED:

A abertura radical ainda é um futuro distante na área da educação escolar. Temos grandes dificuldades em compreender que o aprendizado não é um lugar, mas uma atividade.

Mas quero contar a vocês a história do PISA, o teste da OECD, que mede os conhecimentos e habilidades de adolescentes de quinze anos de idade, ao redor do mundo, e é realmente uma história sobre como as comparações internacionais globalizaram a área da educação, a qual geralmente tratamos como um assunto de política interna.

Vejam como o mundo era nos anos 60, no que diz respeito à proporção de pessoas que completaram o ensino médio. Vocês podem ver os Estados Unidos à frente de todo mundo, e muito do sucesso econômico dos Estados Unidos deve-se à sua superioridade, de longa data, como pioneiro na educação. Mas nos anos 70, alguns países alcançaram os EUA. Nos anos 80, a expansão global do grupo de talentos continuou. E o mundo não parou nos anos 90. Então, nos anos 60, os EUA eram os primeiros. Nos anos 90, eram o décimo terceiro, e não porque os padrões diminuíram, mas porque houve um avanço muito mais rápido em outros lugares.

A Coreia nos mostra o que é possível realizar em educação. Duas gerações atrás, a Coreia tinha o padrão de vida do Afeganistão de hoje, e tinha um dos piores desempenhos em educação. Hoje, todo jovem coreano termina o ensino médio.

Então, isso nos mostra que, na economia global, o desenvolvimento nacional não é mais referência de sucesso, mas o melhor desempenho dos sistemas educacionais, em nível internacional. O problema é que mensurar quanto tempo as pessoas gastam na escola, ou que diploma elas têm, nem sempre é a melhor maneira de avaliar o que elas, de fato, podem fazer. Vejam a mistura tóxica de graduados desempregados em nossas ruas, enquanto os empregadores dizem que não conseguem contratar pessoas com as habilidades de que precisam. E isso nos mostra que melhores diplomas não significam, necessariamente, melhores habilidades, melhores empregos ou melhores vidas.

Então com o PISA, tentamos mudar isso, mensurando o conhecimento e as habilidades das pessoas de forma direta. E partimos de uma perspectiva bem específica. Estávamos menos interessados na capacidade dos alunos de reproduzir o que aprenderam na escola, e mais em avaliar se eles são capazes de utilizar o conhecimento que possuem, aplicando esse conhecimento em situações novas. Algumas pessoas nos criticaram por isso, dizendo que essa maneira de medir resultados é muito injusta com as pessoas, pois avaliamos alunos com problemas que nunca haviam visto antes. Mas, sabe, se pararmos para pensar, veremos que a vida é injusta, pois o verdadeiro teste da vida não é se podemos nos lembrar do que aprendemos na escola, mas se estamos preparados para mudança, se estamos preparados para empregos que ainda não existem, para usar tecnologias que ainda não foram inventadas, para resolver problemas que não podemos antecipar hoje.

E depois de muito contestada, nossa maneira de medir resultados, na verdade, se tornou rapidamente o modelo. Em nossa última avaliação em 2009, medimos setenta e quatro sistemas escolares que, juntos, somavam 87% da economia. Este gráfico demonstra o desempenho dos países. Em vermelho, um pouco abaixo da média da OECD. Amarelo é mais ou menos, e em verde estão os países que estão muito bem. Podemos ver Xangai, Coreia e Cingapura, na Ásia; Finlândia, na Europa; Canadá, na América do Norte, se saindo muito bem. Vocês podem ver também que há uma diferença de quase três anos escolares e meio, entre alunos de quinze anos de Xangai e do Chile, e a diferença aumenta para sete anos escolares, ao incluir países com desempenho muito ruim. Há uma enorme discrepância na maneira pela qual os jovens são preparados para a economia atual.

Mas quero apresentar um outro aspecto importante nesse quadro. Os educadores gostam de falar sobre igualdade. Com o PISA, queríamos medir como eles oferecem essa igualdade, em termos de assegurar que pessoas de diferentes origens sociais tenham oportunidades iguais. E notamos que, em alguns países, o impacto da origem social nos resultados do aprendizado é muito forte.

As oportunidades não são distribuídas igualmente. O potencial de muitas crianças é desperdiçado. Vemos em outros países que o contexto social em que se nasce é muito menos importante. Todos queremos estar ali, no quadrante direito superior, onde o desempenho é alto e as oportunidades de aprendizado são distribuídas igualmente. Ninguém, ou país algum, pode se contentar em estar ali, onde o desempenho é baixo e há disparidades sociais enormes. E daí podemos debater: é melhor estar ali, onde o desempenho é alto às custas de grandes disparidades, ou é melhor enfocar a igualdade e aceitar a mediocridade?

Na verdade, ao observar como os países aparecem nesse quadro, vemos que há muitos países que realmente combinam excelência com igualdade. De fato, uma das lições mais importantes dessa comparação é que não é preciso comprometer a igualdade para alcançar a excelência. Esses países deixaram de oferecer excelência apenas a alguns, para oferecer excelência a todos, uma lição muito importante. E isso desafia também os paradigmas de muitos sistemas escolares que creem ter, essencialmente, o papel de escolher pessoas. E desde que esses resultados foram divulgados, políticos, educadores, pesquisadores de todo o mundo tentaram decifrar o que está por trás do sucesso desses sistemas.

Mas vamos voltar por um instante, e falar dos países que, na verdade, deram início ao PISA. Eles aparecem agora como círculos coloridos. E estou deixando o tamanho do círculo proporcional ao volume de dinheiro que eles gastam com alunos. Se dinheiro fosse tudo, no que diz respeito à qualidade dos resultados do aprendizado, encontraríamos os círculos maiores na parte de cima, certo? Mas não é isso o que se observa. O gasto por aluno explica apenas cerca de menos de 20% da variação de desempenho entre os países. Luxemburgo, por exemplo, o sistema mais caro, não se sai muito bem. O que se observa é que dois países com gasto similar alcançam resultados muito diferentes. Observa-se também — e acho que é uma das descobertas mais animadoras — que não vivemos mais num mundo nitidamente dividido entre países ricos e com boa educação, e países pobres e com educação ruim. Uma lição muito importante.

Vamos observar isso em maiores detalhes. O ponto vermelho mostra o gasto por aluno em relação à riqueza do país. Uma maneira de se gastar dinheiro é pagando bem aos professores, e na Coreia se observa um grande investimento para atrair os melhores profissionais para a docência. A Coreia também investe em escolas de tempo integral, o que aumenta mais os gastos. E por último, os coreanos querem que seus professores não apenas ensinem, mas também se desenvolvam. Eles investem em desenvolvimento profissional e colaboração, e muitas outras coisas. Tudo isso custa dinheiro. Como a Coreia pode custear tudo isso? A resposta é que os alunos coreanos estudam em turmas maiores. É a barra azul, que puxa os custos para baixo. Vamos ao próximo país da lista, Luxemburgo, e percebemos que o ponto vermelho está no mesmo nível da Coreia, pois Luxemburgo tem o mesmo gasto por aluno que a Coreia. Mas, sabe, pais, professores e políticos, em Luxemburgo, gostam de turmas pequenas. Sabe, é muito agradável entrar numa classe pequena. Então, eles investiram todo seu dinheiro nisso, e a barra azul, tamanho da turma, puxa os custos para cima. Mas mesmo Luxemburgo não tem dinheiro de sobra, e o preço disso é que os professores não são pagos muito bem. Os alunos não têm muitas horas de aprendizado. Basicamente, os professores têm pouco tempo para fazer qualquer coisa além de lecionar. Então, é possível ver dois países gastarem de forma muito diferente, e, na verdade, a maneira como gastam seu dinheiro é muito mais importante do que o quanto investem em educação.

Vamos voltar ao ano 2000. Lembrem-se, foi um ano antes de o iPod ser inventado. Era assim que o mundo era naquela época, em termos de desempenho no PISA. A primeira coisa que se observa é que os círculos são bem menores, não? Gastávamos muito menos em educação, cerca de 35% a menos. Então, pergunte a si mesmo: se a educação se tornou tão mais cara, ela se tornou melhor? E a triste verdade é que, sabe, não em muitos países. Mas há alguns países que experimentaram um avanço impressionante. A Alemanha, o meu país, no ano 2000, estava no quadrante inferior, abaixo da média de desempenho, com grandes disparidades sociais. E, lembrem-se, a Alemanha era um desses países que se saem muito bem, quando consideramos apenas pessoas com diplomas. Resultados decepcionantes. As pessoas ficaram pasmas com os resultados. E pela primeira vez, o debate público na Alemanha girou, durante meses, em torno da educação, não impostos ou outros assuntos, mas a educação era o centro do debate público. Então, os políticos começaram a reagir a isso. O governo federal aumentou drasticamente o investimento em educação. Muito foi feito para ampliar as oportunidades dadas a alunos de origem imigrante ou em desvantagem social. E o mais interessante é que não foi apenas uma questão de otimização de políticas já existentes, mas os dados mudaram algumas das crenças e paradigmas que eram o alicerce da educação alemã. Por exemplo, tradicionalmente, a educação infantil era vista como coisa de família, e havia situações em que mulheres eram vistas como negligentes em suas responsabilidades familiares, quando mandavam seus filhos para o jardim de infância. O PISA transformou esse debate, e colocou a educação pré-escolar bem no centro da política pública na Alemanha. Ou, tradicionalmente, a educação alemã divide as crianças, aos dez anos de idade, muito novas ainda, entre as destinadas a seguir carreiras de trabalho intelectual, e aquelas que acabariam sendo empregadas dos primeiros, e isso com base, essencialmente, em aspectos socioeconômicas, e esse paradigma também está sendo contestado agora. Muitas mudanças.

A boa notícia é que, nove anos depois, é possível ver avanços em qualidade e igualdade. As pessoas assumiram o desafio, e fizeram algo a respeito.

Ou, vejamos a Coreia, na outra extremidade do espectro. No ano 2000, a Coreia já estava muito bem, mas os coreanos temiam que apenas uma pequena parcela de seus estudantes alcançassem os níveis mais altos de excelência. Eles assumiram o desafio, e a Coreia foi capaz de dobrar a proporção de estudantes que alcançam a excelência no campo da leitura, em uma década. Bem, ao enfocar apenas os alunos mais brilhantes, o que acontece é que as disparidades aumentam, e é possível ver esse círculo se movendo levemente para outra direção, mas mesmo assim, um avanço impressionante.

Uma grande reforma na educação da Polônia ajudou a reduzir drasticamente o desnível entre escolas, a mudar muitas escolas com baixo desempenho, e aumentar o desempenho em mais de meio ano escolar. E é possível ver outros países também. Portugal foi capaz de consolidar seu sistema escolar fragmentado, aumentar a qualidade e melhorar a igualdade, assim como a Hungria.

Então, é possível ver que aconteceram muitas mudanças. E mesmo essas pessoas que reclamam e dizem que a posição relativa dos países em algo como o PISA é apenas um produto da cultura, de fatores econômicos, de questões sociais, da homogeneidade de suas sociedades, e assim por diante, essas pessoas, agora, devem admitir que a melhoria da educação é possível. Sabe, a Polônia não mudou sua cultura. Não mudou sua economia, não mudou a composição de sua população. Não demitiu professores. A Polônia mudou sua política educacional e sua prática. Muito impressionante.

E tudo isso, é claro, levanta a questão: o que podemos aprender desses países no quadrante verde, que alcançaram níveis altos de igualdade, de desempenho, e aumentaram os resultados? E, claro, a questão é: o que funciona num contexto pode servir de modelo para outro contexto? É claro, não se pode copiar e colar sistemas educacionais por atacado, mas essas comparações têm identificado uma gama de fatores que sistemas de alto desempenho têm em comum. Todo mundo concorda que educação é importante. Todo mundo diz isso. Mas o teste da verdade é: como pesamos essa prioridade em relação a outras prioridades? Como os países pagam a seus professores, em comparação com outros trabalhadores qualificados? Você gostaria que seu filho se tornasse professor, ao invés de advogado? Como a mídia fala sobre escolas e professores? Essas são questões cruciais, e o que aprendemos com o PISA é que, em sistemas educacionais de alto desempenho, os líderes convenceram seus cidadãos a fazer escolhas que valorizam a educação, seu futuro, mais do que o consumo, hoje. E sabem o que é interessante? Vocês não vão acreditar, mas há países em que o lugar mais atrativo não é o shopping center, mas a escola. Essas coisas existem de verdade.

Mas valorizar a educação é só uma parte do quadro. A outra parte é acreditar que todas as crianças são capazes de ter sucesso. Há alguns países onde os estudantes são segregados desde cedo. Sabe, os estudantes são divididos, refletindo a crença de que apenas algumas crianças podem alcançar os melhores padrões do mundo. Mas, geralmente, isso está ligado a disparidades sociais muito fortes. Se você vai ao Japão, na Ásia, ou à Finlândia, na Europa, os pais e professores, nesses países, esperam que todo estudante seja bem sucedido, e é possível ver isso refletido no comportamento do aluno. Quando perguntamos aos estudantes o que é necessário para ter sucesso em matemática, estudantes, na América do Norte, normalmente responderiam: “Sabe, é uma questão de talento. Se não nasci sendo um gênio na matemática, é melhor estudar outra coisa.” Nove em cada dez estudantes japoneses dizem que isso depende de meu próprio investimento, meu próprio esforço, e isso diz muito sobre o sistema que os cerca.

No passado, estudantes diferentes eram ensinados de forma parecida. Os que têm melhor desempenho no PISA abraçam a diversidade, com práticas pedagógicas diferenciadas. Eles percebem que estudantes comuns têm talentos extraordinários, e eles personalizam as oportunidades de aprendizado.

Os sistemas de alto desempenho também compartilham padrões claros e ambiciosos, em todo o espectro. Todo estudante sabe o que importa. Todo estudante sabe o que é preciso para ser bem sucedido.

E em lugar nenhum a qualidade do sistema educacional supera a qualidade de seus professores. Os sistemas de alto desempenho são muito cuidadosos em como recrutam e selecionam seus professores, e em como os treinam. Eles se preocupam em melhorar o desempenho dos professores que estão tendo dificuldade, e em estruturar o salário do professor. Eles proporcionam um ambiente em que os professores trabalham juntos na construção de boas práticas. E disponibilizam meios inteligentes para que os professores cresçam em suas carreiras. Em sistemas escolares burocráticos, os professores geralmente são deixados sozinhos em salas de aula, com um monte de regras quanto ao que devem ensinar. Sistemas de alto desempenho são muito claros a respeito do que é um bom desempenho. Eles estabelecem padrões muito ambiciosos, mas capacitam seus professores a decidir: o que eu preciso ensinar aos meus alunos hoje? No passado, educação tinha a ver com repasse de conhecimento. Agora, o desafio é possibilitar o conhecimento autogerado. Os sistemas de alto desempenho mudaram de formas administrativas de gestão e controle — ou seja, como saber se as pessoas estão fazendo o que tem de fazer, na educação — para formas profissionais de organização de trabalho. Eles permitem que seus professores façam inovações na pedagogia. Os professores contam com o tipo de desenvolvimento que precisam para criarem práticas pedagógicas mais fortes. O objetivo do passado era a padronização e submissão. Os sistemas de alto desempenho tornaram seus professores e diretores escolares criativos. No passado, o foco político estava nos resultados, em providências. Os sistemas de alto desempenho ajudaram os professores e diretores escolares a observar o professor vizinho, a escola vizinha, que estão ao seu redor.

Os resultados mais impressionantes dos sistemas de alto nível se devem ao fato de alcançarem alto desempenho no sistema como um todo. Vimos a Finlândia indo muito bem no PISA, mas o que torna a Finlândia mais impressionante é que há somente 5% de variação de desempenho entre estudantes de escolas diferentes. Todas as escolas são bem sucedidas. É assim que o sucesso torna-se sistêmico. E como eles fazem isso? Eles investem recursos onde eles podem fazer maior diferença. Eles atraem os diretores mais fortes para as escolas mais difíceis, e os professores mais talentosos para as salas de aula mais desafiadoras.

Por último, esses países alinham políticas em todas as áreas de política pública. Eles fazem com que sejam coerentes, por longos períodos de tempo, e asseguram que tudo seja consistentemente implementado.

Agora, conhecer o que os sistemas bem sucedidos estão fazendo ainda não nos mostra como melhorar. Isso também está claro. Aí é que surgem alguns dos limites nas comparações internacionais do PISA. É onde outras formas de pesquisa precisam intervir, e é também a razão pela qual o PISA não se aventura em dizer aos países o que eles devem fazer, mas sua força reside em dizer a eles o que todo mundo está fazendo. E o exemplo do PISA mostra que os dados podem ser mais poderosos que o controle administrativo de subsídio financeiro, pelo qual os sistemas educacionais são conduzidos.

Sabe, algumas pessoas argumentam que mudar a administração educacional é como mover cemitérios. Você não pode contar com as pessoas de lá para ajudá-lo a fazer isso. Mas o PISA mostrou o que é possível na educação. Ele ajudou países a ver que a melhoria é possível. Ele eliminou as justificativas daqueles que são complacentes. E ele ajudou países a estabelecer alvos significativos, em termos de objetivos mensuráveis alcançados pelos líderes mundiais. Se pudermos ajudar toda criança, todo professor, toda escola, todo diretor, todo pai a ver que é possível melhorar, que apenas o céu é o limite para a melhoria da educação, então criamos o alicerce para políticas melhores e vidas melhores.

Obrigado.

(Aplausos)

Tags: , ,

Comentário






  • Veja Também


    Meta