O Parecer CNE/CEB Nº 11/2010 publicado no D.O.U no dia 9/12/2010 e a Resolução CNE/CEB Nº 07/2010 de 14 de dezembro de 2010 recomendam enfaticamente que os três primeiros anos do Ensino Fundamental seja organizado em um único ciclo pedagógico, mesmo para as escolas que praticam o sistema seriado, o que significa dizer que nesses anos iniciais do Ensino Fundamental não haverá retenção dos alunos.

A este respeito diz o Parecer CNE/CEB Nº 11/2010 :

“ … A proposta de organização dos três primeiros anos do Ensino Fundamental em um único ciclo exige mudanças no currículo para melhor trabalhar com a diversidade dos alunos e permitir que eles progridam na aprendizagem. Ela também questiona a concepção linear de aprendizagem que tem levado à fragmentação do currículo e ao estabelecimento de sequências rígidas de conhecimentos, as quais, durante muito tempo, foram evocadas para justificar a reprovação nas diferentes séries. A promoção dos alunos deve vincular-se às suas aprendizagens; não se trata, portanto, de promoção automática. Para garantir a aprendizagem, as escolas deverão construir estratégias pedagógicas para recuperar os alunos que apresentarem dificuldades no seu processo de construção do conhecimento.

Entre as iniciativas de redes que adotaram ciclos, muitas propostas terminaram por incorporar algumas das formulações mais avançadas do ideário contemporâneo da educação, com vistas a garantir o sucesso dos alunos na aprendizagem, combater a exclusão e assegurar que todos tenham, efetivamente, direito a uma educação de qualidade. Movimentos de renovação pedagógica têm-se esforçado por trabalhar com concepções que buscam a integração das abordagens do currículo e uma relação mais dialógica entre as vivências dos alunos e o conhecimento sistematizado.

Os ciclos assim concebidos concorrem, juntamente com outros dispositivos da escola calcados na sua gestão democrática, para superar a concepção de docência solitária do professor que se relaciona exclusivamente com a sua turma, substituindo-a pela docência solidária, que considera o conjunto de professores de um ciclo responsável pelos alunos daquele ciclo, embora não eliminem o professor de referência que mantém um contato mais prolongado com a classe. Aposta-se, assim, que o esforço conjunto dos professores, apoiado por outras instâncias dos sistemas escolares, contribua para criar uma escola menos seletiva e capaz de proporcionar a cada um e a todos o atendimento mais adequado a que têm direito.

Para evitar que as crianças de 6 (seis) anos se tornem reféns prematuros da cultura da repetência e que não seja indevidamente interrompida a continuidade dos processos educativos levando à baixa autoestima do aluno e, sobretudo, para assegurar todas as crianças uma educação de qualidade, recomenda-se enfaticamente que os sistemas de ensino adotem nas suas redes de escolas a organização em ciclo dos três primeiros anos do Ensino Fundamental, abrangendo crianças de 6 (seis), 7 (sete) e 8 (oito) anos de idade e instituindo um bloco destinado à alfabetização.

Mesmo quando o sistema de ensino ou a escola, no uso de sua autonomia, fizerem opção pelo regime seriado, é necessário considerar os três anos iniciais do Ensino Fundamental como um bloco pedagógico ou um ciclo sequencial não passível de interrupção, voltado para ampliar a todos os alunos as oportunidades de sistematização e aprofundamento das aprendizagens básicas, imprescindíveis para o prosseguimento dos estudos.

Os três anos iniciais do Ensino Fundamental devem assegurar:

a) a alfabetização e o letramento;

b) o desenvolvimento das diversas formas de expressão, incluindo o aprendizado da Língua Portuguesa, a Literatura, a Música e demais artes, a Educação Física, assim como o aprendizado da Matemática, de Ciências, de História e de Geografia;

c) a continuidade da aprendizagem, tendo em conta a complexidade do processo de alfabetização e os prejuízos que a repetência pode causar no Ensino Fundamental como um todo, e, particularmente, na passagem do primeiro para o segundo ano de escolaridade e deste para o terceiro.

Ainda que já dito em termos mais gerais, vale enfatizar que no início do Ensino

Fundamental, atendendo às especificidades do desenvolvimento infantil, a avaliação deverá basear-se, sobretudo, em procedimentos de observação e registro das atividades dos alunos e portfólios de seus trabalhos, seguidos de acompanhamento contínuo e de revisão das abordagens adotadas, sempre que necessário…”

De modo que em 2011 as escolas deverão se preparar para :

- rever o Projeto Pedagógico no sentido de adequá-lo as novas exigências legais, isto é, elaborar a proposta de ensino (prevendo os momentos de recuperação contínua e paralela) dos três primeiros anos de tal forma que atendam o princípio da continuidade visando abolir a ruptura que há entre os anos prevista no regime seriado;

- alterar o Regimento Escolar no sentido de abolir a retenção nos 1º, 2º e 3º anos do Ensino Fundamental;

- pensar em contar com um professor que inicie com os alunos no 1º ano do Ensino Fundamental e os acompanhe até o 3º ano, ao invés de trocar de professor em cada ano. Esse procedimento garantirá melhor a continuidade do trabalho com aquela turma;

- material didático modificado que atenda o ciclo pedagógico e não mais séries estanques.

Os profissionais de educação terão um bom trabalho em 2011 para preparar as escolas para o próximo ano letivo já adequado as Novas Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Fundamental de 9 anos.

Tags: , , , , , ,

Veja Também:

175 Comentários »

  1. fabiana bauer comenta:

    maio 11, 2011 @ 1:18

    Progressão continuada no Brasil somente será correta quando acabar com a desvalorização dos profissionais em sala de aula.
    Quando for assegurado que não faltará professores nas escolas tnto para as salas de aula como os que ficam nos laboratórios de aprendizagem ( que ainda não existe em todas as escolas ).
    Como sempre o Brasil copiando o que é dos outros
    EUA é um país de primeiro mundo, não um de terceiro como nós.
    Quando os políticos deixarem de pensar somente em seus próprios umbigos, pararem de encher as cuecas de dinheiro público e oensar em educação com seriedade talvez teremos uma educação de qualidade.

  2. Vanessa Rocha comenta:

    dezembro 19, 2011 @ 9:51

    Educação no Brasil é um verdadeiro lixo, onde doutores do Conselho Nacional de Educação que nunca passou em uma sala de aula de alfabetização, onde os professores não tem apoio de pssicologos, fonaudiologos, e se espelha na forma de ensino do EUA rsrsrs, é piada, não conhece a realidade do Brasil e cria umas leis para dizer que no Brasil a educação esta melhorando, quando na verdade o conselho nacional de educação juntamente com os governantes querem todos analfabetos para que não lutem pelos seus direitos, e ainda tem pais que fica feliz pq seu filho foi aprovado mesmo sem ter demonstrado as habiliades necessárias para progressão pq a maioria dos já são analfabetos.

  3. Maristele comenta:

    janeiro 3, 2012 @ 23:38

    Olá,
    Minha filha ficou reprovada no primeiro ano do ensino fundamental.
    Ela está na escola desde 1 ano e 3 meses. Ela estudava em escola pequenas e contrutivistas até o pré, no primeiro ano coloquei em um colegio grande e tradicional.
    No primeiro bimestre ela tirou nota 4 e a professora me informou que a base anterior dela era muito fraca. ( mas ela fez uma prova para entrar nesta escola no primeiro ano e passou)
    Passei a estudar mais com ela, ela errava muito o ditado que a professora fazia frequentemente….uma dia estudei muito com ela e ela acertou 5 palavras….quando ela chegou dei parabêns e perguntei o que a professora falou e minha filha respondeu ” ela falou que copiei do Pedro”
    Ela fez um teste uma semana depois do ditado e tirou 6,5, fui na escola e reclamei do acorrido. Depois disso a professora passou a por minha filha para frente nos dias de prova( somente ela). As notas dela começaram a cair novamente.
    Ela voltava com muitos exercicios incompletos da aula.
    A professora arrancou folhas do seu caderno.
    Sempre que eu reclamava a escola ia a favor da professora.
    Coloquei ela em uma professora particular(recomendação da escola)
    Aconteceram varias outras coisas que não da pra relatar aqui.
    Por ultimo a escola me mandou levar numa psicopedagoga (indicada por eles) paguei R$ 1.000,00 em uma laudo que diz que minha filha tem comportamentos que sugerem pré-disposição a DDA.
    Mas quando perguntei se as atitudes da professore poderiam ter causado sua falta de atenção, não tive resposta.
    Como pode uma criança ter DDA somente em Português ???? pois nas outras matérias ela tiram notas acima de 8.
    Ela foi reprovada somente em português. Não ligo dela repetir o ano,pois sei que o primeiro ano é muito importante na vida da criança ( apesar do prejuiso financeiro que foi muito alto durante este ano)
    Mas gostaria de não ter a duvida na minha cabeça ” E se a professora tivesse dado atenção a minha filha sera que ela teria acompanhado a turma?”
    Obrigada pela atenção.
    Maristele.

  4. Profa. Sônia Aranha comenta:

    janeiro 4, 2012 @ 1:01

    Maristela, que escola é essa, heim?
    Me desculpe mas é um verdadeiro absurdo a sua filha ficar retida em português no 1o ano do Ensino Fundamental… com 6 anos/7anos de idade e ainda com laudo de DDA.
    Entre com recurso.
    Vou entrar em contato com você por e-mail para que me passe os dados com mais precisão e assim veremos o que é possível fazer, ok?
    Forte abraço

  5. Flavia comenta:

    abril 12, 2012 @ 21:39

    Boa noite,
    Minha filha Bianca com sete anos agora em fev de 2012, foi reprovada em português, no 1 ano, no Colégio São Paulo – Ipanema no RJ , escola onde estudou desde 2 anos. Caso muito parecido com relato de uma mãe acima descrito. Bianca faz terapia na psicopedagoga por orientação da escola desde setembro de 2011 e um laudo da fona sugere que ela possua uma dificuldade de apredizagem seja dislexia e/ ou TDHA. Existe alguma legislação que proiba a retenção escolar de crianças com necessidade escolar na fase de alfabetização pois vejo que ela esta progredindo mas a seu rítmo.
    Agradeço a ajuda
    Flavia

  6. Profa. Sônia Aranha comenta:

    abril 13, 2012 @ 2:54

    Oi Flavia,

    Há sim .. a Resolução CNE/CBE n07/2010 indica o caminho da não retenção para os primeiros anos do ensino fundamental…

    Mas é um absurdo o que estão fazendo com as nossas crianças. Reter a criança no 1o ano em português não tem nenhum cabimento!! O 1o ano a criança está iniciando o letramento…

    E tem mais … quem tem dislexia e TDHA são essa turma !!

    Ai desculpa, mas ando super mal com incompetência das escolas!

    Flavia, busque uma escola com cabeça do século XXI . Sua filha é criança que está iniciando o aprendizado e não deixe que a rotulem !!

    Já faça uma reunião na escola dizendo que outra retenção você não aceitará em hipótese nenhuma. Leve a Resolução debaixo do braço , como também, indique a leitura do livro editado pelo MEC A Criança de 6 anos a linguagem escrita e o ensino fundamental de 9 anos.. O livro orienta como deve ser feito o ensino da escrita e da leitura no 1o ano. É super bacana. Vou lhe enviar por e-mail.

    Na reunião mostre que está por dentro do assunto e que se não for apresentado um trabalho diferenciado para a sua filha e levado em consideração os avanços que ela está conquistando haverá confronto no final do ano.

    O ano passado você poderia ter entrado com recurso .. este ano fique atenta e não deixe a retenção ocorrer novamente.

    Veja também um filme que eu chorei muito …. é importante você assistir porque precisamos defender as crianças de metalidades tacanhas… Você assiste pela internet mesmo.

    Como Estrelas na Terra http://www.youtube.com/watch?v=fiftCor2cXM&feature=related Ele relata a história de aprendizagem de uma criança , o sistema escolar arcaico e um professor competente , sensível.

    Assista também a palestra da Dra. Maria Aparecida da Unicamp , médica , a respeito de dislexia e tdha..
    O lado escuro da dislexia,tdha, dpac http://www.youtube.com/watch?v=0Yd67yoBdaU (parte 1 de 11) Ela é absolutamente contra rotular as crianças com um diagnóstico nada científico. É um modo de vender remédio por um lado e camuflar os problemas do ensino.

    Precisando estou por aqui! Abraços

  7. sonia Scherer comenta:

    maio 11, 2012 @ 12:29

    Trabalho na Secretaria Municipal de Educação de Marques de Souza-Rs e sou Conselheiro do CME. Estamos empenhados em organizar o Bloco Pedagógico dos anos iniciais, quanto a não reprovação. Solicitamos orientações e sugestões de Resoluções e Pareceres que já vigoram nos municípios neste sentido da não retenção nas séries iniciais.

  8. Profa. Sônia Aranha comenta:

    maio 11, 2012 @ 13:18

    Prezada Sônia, prazer recebê-la aqui!

    A recomendação da não retenção nos três primeiros anos do Ensino Fundamental de 9 anos está expressa na Resolução CNE/CBE N.07/2010 (aqui) http://blog.centrodestudos.com.br/2010/12/17/resolucao-cneceb-n-07-14122010-novas-diretrizes-curriculares-para-o-ensino-fundamental-de-9-anos/

    Recomendo a leitura da dissertação de mestrado de Kátia Silva Santos da UFRGS http://www.lume.ufrgs.br/bitstream/handle/10183/10646/000597104.pdf?sequence=1

    Outros estudos interessantes:

    http://www.anped.org.br/reunioes/31ra/1trabalho/GT13-4001–Int.pdf

    http://www.scielo.br/pdf/cp/v35n124/a0535124.pdf

    Aqui um estudo a respeito da escola ciclada de Porto Alegre e de Vitória da Conquista http://www.anpae.org.br/congressos_antigos/simposio2009/23.pdf

    http://www.eduvalesl.edu.br/site/edicao/edicao-50.pdf

    Abraços

  9. Inês comenta:

    junho 11, 2012 @ 2:56

    Boa noite!Por favor, tenho uma grande duvida sobre essa lei dos três primeiros anos. o aluno também sera promovido automaticamente do 3º para o 4º ano? pois leio e acho que não está bem claro e já ouvi interpretações diferentes
    aguardo resposta
    obrigada pela atenção

  10. Profa. Sônia Aranha comenta:

    junho 11, 2012 @ 13:37

    Olá Inês, de fato você tem razão esta Resolução entende que os três primeiros anos devem ser pensandos como um único bloco pedagógico e que,sobretudo, nos dois primeiros anos não deve haver retenção e fica meio no ar se deve haver ou não retenção no 3o ano.

    Exemplo absolutamente hipotético de possibilidades:

    a professora Margarida inicia o ensino fundamental com a turma Amarela e segue com essa turma durante quatro anos. No final do 4o ano a turma Amarela é submetida a uma avaliação para verificar quem está apto a seguir para a turma Verde composta por três anos.

    ou

    a professora Margarida inicia o ensino fundamental com a turma Amarela e segue com essa turma durante três anos. No final do 3o ano a turma Amarela é submetida a uma avaliação para verificar quem está apto a seguir para a turma Verde composta por três anos.

    Turma Amarela – 1o , 2o , 3o , 4o anos
    Turma Verde – 5o , 6o , 7o anos
    Turma Azul – 8o e 9o anos
    ou
    Turma Amarela – 1o , 2o , 3o anos
    Turma Verde – 4o, 5o e 6o anos
    Turma Azul – 7o, 8o e 9o anos

    Tanto um quanto outro arranjo, a meu ver, são válidos, mas o mais próximo do que a Resolução está a entender é o primeiro arranjo de 4 anos sem retenção no 3o ano.

    Abraços

  11. Glaucia comenta:

    setembro 2, 2012 @ 3:37

    Boa noite!
    Sou professora do 1º ano em um instituição particular e estou com um aluno que não consegue reconhecer as letras, não escreve seu nome, não identifica cores nem números, muito menos consegue conservar quantidades de 0 a 5. A família não comparece á escola quando chamada. Neste caso ele deve ser aprovado para o 2º ano mesmo sem o mímino para a série seguinte? Como ele irá se sentir no meio de crianças qua já lerão e já conseguirão interpretar pequenos textos e resolver problemas? Preciso de uma luz. Oriente-me por favor!

  12. Profa. Sônia Aranha comenta:

    setembro 3, 2012 @ 6:26

    Glaucia , vamos pensar nesse seu aluno para que você possa avaliá-lo apoiada em bons fundamentos:

    O 1o ano do Ensino Fundamental de 9 anos: vamos compreender que este 1o ano não é a 1a série antiga. Ele está mais próximo de um pré do que da 1a série antiga. Vamos pensar que na Ed.Infantil antiga não havia retenção no pré … com raríssimas exceções era recomendado a retenção do aluno no pré … o mesmo ocorre atualmente com o 1o ano.

    Um 1o ano é início do início de uma alfabetização que leva 9 anos para ser completada.

    Quantos anos o seu aluno tem?

    Digamos que ele tenha 6 anos.

    Se você for seguir o Piaget ele vai dizer que esta criança está na etapa pré-operatória que vai de 2 anos ao 7 anos:

    domínio da linguagem , animismo , finalismo e antropocentrismo/egocentrismo, isto é , os objetos são percebidos como tendo intenções de afetar a vida da criança e dos outros seres humanos, brincadeiras individualizadas, limitação em se colocar no lugar dos outros, possibilidade da moral da obediência, isto é, que o certo e o errado é aquilo que dizem os adultos, coordenação motora fina.

    Então, ele está ainda dentro do pré-operatório, portanto, ainda tentando compreender que determinados desenhos possuem um significado socialmente construído chamados de letras.

    Se ele tem 6 anos e está para completar 7 anos ou já completou 7 anos ele ainda está iniciando processos dos quais o 1o ano está deveria tangenciar.

    O 2o ano é que inicia uma sistemática com letras e números.

    Por isso, que há uma recomendação para que os três primeiros anos sejam vistos como um único bloco pedagógico porque a criança está em processo de aprendizagem e alguns vão mais rápidos e outros mais lentos.

    Mas ele possui algumas características que fogem da média de sua classe e ,além disso, a família não dá apoio, o que fazer?

    1) Avaliação Diagnóstica:

    Para você entender melhor o seu aluno ouça-o, olhe -o , mas do ponto de vista dele. Como fazer isso?
    Instrumentos: desenho.
    Peça para todos da classe desenhar a família.
    Peça para todos da classe desenhar a si mesmo.

    Nesse sentido você poderá saber como é que se dão as relações familiares deste aluno e como é que ele se percebe.

    Assista um drops com a Nadia Bossa sobre diagnóstico psicopedagógico que fala sobre o desenho que dizem muito sobre a criança

    http://www.youtube.com/watch?v=bz_emtEnXb0&feature=related

    3) Verificando transtornos de aprendizagem. Sugiro assistir

    http://www.youtube.com/watch?v=sxcLYuwZ_yU&feature=related
    http://www.youtube.com/watch?v=wSeHq4hMDGQ&feature=relmfu
    http://www.youtube.com/watch?v=wSeHq4hMDGQ
    http://www.youtube.com/watch?v=4-kP-4agWUQ
    http://www.youtube.com/watch?v=a4E-DR7wQLM

    4) Modifique as estratégias pedagógicas para esta criança . É possível que esta criança com um acompanhamento individualizado consiga atingir melhor os objetivos. Veja com a escola para que a mesma tenha aulas de reforço e de recuperação fora da sala de aula.

    Assista o filme http://www.youtube.com/watch?v=fiftCor2cXM

    5) Escreva um relatório apresentando:

    quais conceitos estudados que o aluno construiu,
    quais conceitos não construiu ,
    o porquê não construiu,
    o que você fez para ajudá-lo ,
    o que a escola fez para ajudá-lo
    e as recomendações para os pais marcando uma reunião.

    Escreva este documento e assine e enviei pelo correio , como carta registrada , para os pais e se mesmo assim os pais não comparecerem na reunião voce e a escola poderão provar se houver necessidade que tentaram de tudo mas que não conseguiram contato com a família.

    Na reunião peça aos pais que façam alguns exames na criança: de vista, de audição porque às vezes a criança não aprende porque não ouve direito , não enxerga direito. E faça também um anamésia para saber como é a vida desta família que muito provavelmente deve estar aí as dificuldades de aprendizagem que esta criança está encontrando.

    Para reter o aluno:

    Veja bem. Reter o aluno é a última hipótese. Antes disso, terá que marcar reunião com os pais. Ter um bom diagnóstico e tentar várias alternativas pedagógicas para perceber os avanços.

    Se não houver jeito daí sim, mas com todas as evidências de que para o aluno a melhor alternativa é a retenção , sobretudo, em uma escola seriada e tradicional como deve ser a escola que você leciona.

    É isso! Abçs

  13. Dorival comenta:

    outubro 10, 2012 @ 16:39

    Saudações!
    Tenho um grande problema com a reprovação no ensino de 9 anos. No município onde trabalho a Secretária de educação entende que os alunos que fazem parte deste cilco e que se encontram no 6º ano não podem ser reprovados. Porém muito chegaram a este ano com graves problemas como não são totalmente alfabetizados, não conhecem as 4 operações e outros. pergunto:
    Qual a lei que obriga ao colégio aprovar aos alunos que estão no 6ºano? a Lei se estendeu a esta fase ou há uma má interpretação da Secretária de Educação?

  14. Profa. Sônia Aranha comenta:

    outubro 10, 2012 @ 17:04

    Dorival,

    Não há lei para isso.

    Você tem que ler o projeto pedagógico ou o plano de educação do seu município porque é nestes documentos que foi instituído o ciclo e vai depender de como eles entendem o ciclo.

    A Resolução CNE/CBE N.07/2010 recomenda a não retenção nos 3 primeiros anos do ensino fundamental , apenas isso.

    Veja bem.

    Digamos que os ciclos sejam da seguinte forma:

    1o ciclo = 1o ano , 2o ano e 3o ano
    2o ciclo = 4o ano , 5o ano e 6o ano
    3o ciclo = 7o ano , 8o ano e 9o ano

    De modo geral há um consenso de que passagem de ciclo para o outro poderá haver retenção.
    Neste caso , da passagem do 2o ciclo para o 3o ciclo poderá haver retenção e neste exemplo seria no 6o ano dada a possibilidade de reter o aluno.

    Mas pode haver outras configurações de ciclo:

    1o ciclo = 1o , 2o ,3o e 4o anos
    2o ciclo = 5o , 6o , 7o anos
    3o ciclo = 8o e 9o anos

    Neste caso a retenção não ocorrerá no 4o anos, 7o anos e 9 anos.

    De modo que cada escola e cada rede de ensino pode organizar por ciclos da forma que quiser e explicitar em qual ano do ciclo poderá ocorrer a retenção.

    É isso! Abçs

  15. Maria Rozalina Ap de M Oliveira comenta:

    novembro 29, 2012 @ 16:32

    Olá Professora Sonia,
    Hoje eu e meus colegas do magistério discutimos sobre as avaliações e término do 4º bimestre, mas um caso de aluno nos chamou a atenção. Ele está na 7ª série, não fez absolutamente nada durante o ano, apenas brincou, conversou e atrapalhou as aulas se negando a desenvolver as atividades. Alguns dos colegas querem retê-lo, porém, segundo os critérios não podem, pois é aluno frequente. Esse aluno pode ser retido? Trabalhos vão avalia-lo na aprendizagem de todo o ano letivo? Ele será promovido para a 8ª série e, só no final desta é que poderá ser retido?
    Obrigada,
    Abraços.
    Rozalina

  16. Profa. Sônia Aranha comenta:

    novembro 30, 2012 @ 2:45

    Olá Rozalina,

    Qualquer aluno pode ser retido, sobretudo, nas séries finais do ensino fundamental (6o, 7o , 8o ano, o 9o ano por se tratar de finalizalização o critério deve ser mais rigoroso para a retenção) . Se o aluno não atingiu os objetivos pretendidos nos componentes curriculares ele deve ser retido.

    Agora a pergunta que fica é:

    – por que este aluno brincou , conversou , atrapalhou as aulas o ano todo?
    – vocês conseguiram se aproximar dele e compreendê-lo?
    – será que este comportamento não é justamente um pedido de socorro?

    A questão não é sobre o ensino, mas sim sobre a aprendizagem. Por que o ensino não atingiu, não motivou, não tocou este aluno.

    São questões de raíz :

    o que fizemos para este aluno?
    o que a escola representa para ele?
    que tipo de problemas ele carrega para se sentir tão inferior na aula a ponto de atrapalhá-la?
    qual é o drama da vida dele?

    Mas pode reter , não há lei que impeça, sobretudo, se estiver de acordo com o Regimento Escolar e se o aluno não tiver nenhum tipo de transtorno diagnósticado.

    Abraços!!

  17. celia comenta:

    dezembro 17, 2012 @ 15:21

    eu gostaria de saber se pode ser retida uma criança cursando o quarto ano tendo 8 anos de idade. me dê uma resposta?

  18. Profa. Sônia Aranha comenta:

    dezembro 18, 2012 @ 2:45

    Olá Célia, a resposta é sim.

  19. Vanuza procópio comenta:

    janeiro 10, 2013 @ 0:56

    Boa noite, minha filha de oito anos de idade cursou em 2012 o terceiro ano do ensino fundamental aqui em Natal -RN com colegio CEI, Centro de Educação Integrada. Nessa isntituição a avaliação é feita por portfólio e não por provas. Num exmeplo básico, ela de dez objtivos alcançou oito e ainda assim a escola no fim do ano nos deu o boletim dela como RETIDA!!!! . No ultimo mês de novembro, a professora chamou à mim e ao meu marido e disse que seria preciso levar nossa filha a uma neuropisicologa pois estava apresentando uma dispersão em sala de aula. Ora se ela é dispersa em aula porque só notaram no fim do ano?? Ademais ela foi à citada profissional, fez todos os testes possíveis inclusive de QI o que demonstrou que embora ela tenha sim uma pouco de falta de atenção o QI dela é acima da média para a idade. Bem, o que devemos fazer??? Procuramos um advogado para lutar pelos direitos de nossa filha?? Ela está inconsolável com tudo isso, e o CEI nos informou que ela poderia ser reclassificada em outra escola para poder cursar o quarto ano. Fizemos essa reclassificação, mas ao fazermos a matrícula a escola disse que só poderia matriculá-la no terceiro ano uma vez que na declaração de transferência consta palavra RETIDA!! pode uma escola reter uma aluna que se esforçou todo o ano, fez tudo que o colégio pediu, foi aos profissionais indicados pelo colégio, alcançou a maioria dos objetivos propostos pela escola e ainda assim de forma arbitrária ficar retida?? nem fomos avisados como pais de um conselho de classe, e até hoje não nos deram uma explicação coerente pela retenção. Inclusive no próprio relatório emitido pelo colégio há várias contradições, quando afirma numa parte que a aluna não atingiu um certo objetivo, e no mesmo relatório mais adiante afirma que a mesma conseguiu atingir o citado objetivo!!! O que podemos fazer, a quem devemos recorrer? Obrigada. Vanuza Lins Procópio de Moura

  20. Profa. Sônia Aranha comenta:

    janeiro 10, 2013 @ 1:14

    Vanuza, que situação…

    1) A escola que reclassificou…. acho que não sabe o que é reclassificação.
    Se a escola reclassificou pouco importa se a transferência veio como retida.
    O procedimento correto seria o seguinte:
    matricular a sua filha no 3o ano.
    Em seguida aplicar uma avaliação
    E reclassificá-la para o 4o ano e pronto.
    Então,esta escola não fez reclassificação.

    2) A escola que reteve a sua filha. Você pode entrar com recurso junto a Secretaria de Educação do Estado do Rio Grande do Norte relatando tudo isso que me contou baseada no ECA – Estatuto da Criança e do Adolescente , artigo 53, inciso III.

    Se não obtiver resposta positiva você ainda tem como recorrer junto ao Conselho de Educação do Estado.

    3) Outro caminho paralelo é mover ação por danos , daí terá que constituir um advogado.

    São essas possibilidades.

    Eu não conheço a legislação do Estado do RN para poder lhe dar melhores informações , mas penso que o caminho é ir para a Secretaria de Educação.

    Faça documento sempre impresso em duas cópias e quando entregar protocolo um deles e guarde como prova,ok?

    Forte abraço

  21. Vanuza procópio comenta:

    janeiro 10, 2013 @ 23:55

    Agradeço a atenção e as opções que me enviou, um grande abraço, tomaremos as providencias necessárias e darei notícias sobre nosso caso. Vanuza e Frederico.

  22. Denise comenta:

    janeiro 11, 2013 @ 23:14

    Olá profª. Sônia Aranha, trabalho numa escola da rede estadual do Amapá onde adotou o ensino de 9 anos no prazo limite para os Estados se adequarem a esta “nova” realidade (2010). Estou com uma turma que acompanho há dois anos. No 1º ano escolar meus alunos tiveram outra professora e, a partir daí, eu assumi a turma (2º e 3º anos). A Secretaria de Educação de meu Estado não dá respostas precisas a respeito do ensino de 9 anos. Em 2011, por exemplo, até próximo do final do ano letivo não tínhamos informações confiáveis quanto às retenções neste primeiro ciclo de alfabetização: quando estava trabalhando com esta mesma turma, ainda no 2º ano, inicialmente fui instruída (sendo o caso) a retê-los. Depois, quase no final do ano letivo, fomos informados em fim que não se retém no 2º ano por se tratar de uma fase delicada de alfabetização (ufa, foi por pouco!). Então, agora no 3º ano, vem os mesmos questionamentos. Li alguns comentários aqui e vi um em que a dúvida relatada era a mesma da minha. A sistemática do ensino de 9 anos tem pontos ambíguos em que fulano entende de um jeito e beltrano de outro. A equipe pedagógica da escola nos orientou a fazer retenção dos alunos no 3º ano, mas tenho dúvidas se isso é ou não permitido uma vez que, como você respondeu a uma leitora, fica meio no ar a retenção no final do 3º ano. O que fazer? Executar a orientação recebida e reter aqueles que permanecem com baixo rendimento? Gostaria também que me indicassem fontes para que eu possa estudar bem sobre o ensino de 9 anos e, assim, possa ter algo em que me espelhar e poder argumentar e ajudar a tirar dúvidas de meus colegas que estão na mesma conjuntura. Outra situação é em relação à recuperação neste primeiro ciclo. Durante o ano letivo, alunos com baixo rendimento fazem estudos de recuperação de aprendizagem orientado que seja com aulas de reforço ou outra maneira que permita que este possa avançar. Minha dúvida, neste caso, se dá por termos sidos direcionados nos últimos dias a, no final do ano letivo (que por sinal o nosso ainda não terminou por termos tido um período de greve), darmos também a recuperação final, igual a que se dá no ensino de séries, no intuito de recuperar a aprendizagem destes. Minha pergunta então é justamente sobre isso. No final do primeiro ciclo do ensino de 9 anos, quando há possibilidade do aluno ser retido ou não, e que os avaliamos com acompanhamentos, registros, portifólios, etc.. existe também a recuperação final? Fico muito grata se puder me tirar essas dúvidas, pois não achei em lugar algum falando sobre isso . Forte abraço!

  23. Profa. Sônia Aranha comenta:

    janeiro 16, 2013 @ 3:31

    Olá Denise, primeiramente quero dizer que tenho uma grande amiga amapaense e vive em Macapá e tenho muita vontade de conhecer este Estado. Conheço o Pará e adorooooo!! Espero um dia pisar no Amapá terra de gente muito bacana !

    Bem Denise suas perguntas são abrangentes e dependem muito da política estabelecida pela rede de ensino pública do Amapá e da escola que você leciona.

    Veja bem, a REsolução CNE/CBE n.7/2010 ela recomenda que não se tenha retenção nos três primeiros anos do ensino fundamental de 9 anos porque estamos a lidar com crianças de 5 a 6 anos no 1o ano que até alguns anos atrás estariam no Infantil brincando.. de modo que reter aluno no 1o ano é pedagogicamente não recomendável. Depois no 2o ano estamos a lidar com crianças de 6 a 7 anos que deveriam estar iniciando o processo de alfabetização propriamente dito e no 3o ano o crianças de 7 e 8 anos… o que se pretende é que nesses três primeiros anos , sobretudo, nos dois primeiros não ocorra retenção.

    Se a escola adotou ciclos de três anos , o terceiro ano será um ano de finalização de ciclo e daí poderá haver a retenção.

    Se a escola adotou ciclos de quatro anos , daí o terceiro ano não haverá retenção e sim no 4o ano.

    Veja bem .. o que se pretende é trazer a baila uma pedagogia mais preocupada com a qualidade do que com a quantidade, e que o ensino seja tão importante quanto a aprendizagem. Não é promover o aluno sem ele ter conquistado etapas da aprendizagem necessárias para avanços mas compreender que a aprendizagem se dá por intermédio de saltos qualitativos espiralados e que repetição de estratégias quase sempre são ineficazes.

    Vou investigar material para eu lhe passar. Eu tenho alguns sobre escola ciclada que talvez seja interessante para o que você quer.

    Quanto a recuperação final vai depender do Regimento Escolar da sua unidade escolar. Eu por exemplo fui diretora de uma escola que não havia recuperação final . Nós colocamos recuperação nos trimestres porque a recuperação deveria ocorrer no processo e daí tem uma longa discussão sobre o conceito de processo e de produto.

    Mas isso tem que estar expresso no Regimento. A escola toda e qualquer de nosso país é autônoma para elaborar seu Regimento e seu Projeto Pedagógico. De modo que pode adotar recuperação contínua e no processo como também pode adotar a recuperação final , ok?

    De fato ninguém sabe muito bem o que fazer porque o tradicional impera nas cabeças daqueles que trabalham na área da educação são uns dinossauros e não estão atenados no século XXI.

    Por isso não há uma certeza e por isso temos que estudar e trocar informações.. eu envio o que tenho por e-mail ok? Abraços

  24. maite figueira comenta:

    janeiro 22, 2013 @ 15:51

    boa tarde !! eu tenho uma filha de 6 anos que ficou reprovada em portugues no 1º ano moro no rio de janeiro e a escola e particular gostaria de saber se eles estão certos quanto a reprovação e se se tem algo que eu possa fazer p que esse caso venha ser revertido ?

  25. andresa comenta:

    janeiro 23, 2013 @ 22:15

    Infelizmente, nada funciona no Brasil
    meu filho foi retido na 3 série, ligue no MEC, na secretaria de educacao, no CNE de Brasilia e de Belo Horizonte e não consegui uma solução se a lei é de 14/12/10 porque até hoje isto não ficou claro, ele vai ter repetir segundo a escola.

  26. Profa. Sônia Aranha comenta:

    janeiro 24, 2013 @ 2:34

    OLá Maite, agora em janeiro , praticamente no início do ano letivo de 2013 acho quase que impossível você reverter a situação. Seria + fácil se você tivesse entrado com pedido de recurso em dezembro , mas agora acho bem difícil.

    Mas não lhe custa tentar … entre com recurso junto a Regional Metropolitana que supervisiona a escola de sua filha . Elabore o documento endereçado ao dirigente regional que aí no Rio eu não sei se tem outro nome.

    Tente argumentando sobre a Resolução CNE/CBE n.7/2010 que recomenda veementemente que não se pratica a retenção nos três primeiros anos do ensino fundamental, ok?

    Abraços

  27. Profa. Sônia Aranha comenta:

    janeiro 24, 2013 @ 3:08

    Andresa, é isso… um ato normativo do Conselho Nacional de Educação está bem a frente das escolas infelizmente que teimam em ser retrógadas.

    Veja bem, a Resolução CNE/CBE n.7/2010 recomenda veementemente que não ocorra retenção nos 3 primeiros anos do ensino fundamental.

    Havendo uma retenção nestas séries iniciais você pode entrar com pedido de recurso junto ao órgão que supervisiona a escola que em Minas Gerais em não sei o nome.

    Entre no post O que posso fazer: meu filho repetiu? e leia os procedimentos para o pedido de recurso, ok?
    Abraços http://www.soniaranha.com.br/o-que-posso-fazer-meu-filho-repetiu/

    Abraços

  28. andreia comenta:

    janeiro 25, 2013 @ 16:28

    Estou muito chateada, meu filho ficou retido no 3 serie do fundamental, liguei no mec, no conselho de educacao de brasilia de belo horizonte fui no colegio e nada. Conversei com a diretora esta lei da cne e papo furado. Mas o que me deixou p da vida foi quando a mae de colega do meu me liga e diz que o filho dela tambem foi reprovado, ai ela assinou um termo e o garoto foi para 4 ano, ai foi no colegio sta marcelina e diretora diz que cada um tem um criterio de avalicao isto e correto o que eu sei a lei e igual para todos. Quem pode me ajudar.

  29. Lilian comenta:

    janeiro 25, 2013 @ 16:59

    Tenho um filho de oito anos, que entrará esse ano no 3 ano do Ensino Fundamental. Porém, ele ainda não atingiu a maioria dos objetivos propostos para o 2 ano. Vejo que lê as sílabas simples e frases formadas por elas, contudo apresenta muitas dificuldades com as sílabas complexas. Passamos as férias estudando, revendo tudo que pude para ajudá-lo. Mesmo assim, sei que vai ser difícil para ele acompanhar a turma no 3 ano, pois a maioria dos colegas já lê e escreve palavras, frases e textos sem problemas. O que devo fazer? Não acho justo que ele se sinta mal ( ele sempre diz que não consegue e que os colegas sabem tudo). Podes me dar um conselho??

  30. Profa. Sônia Aranha comenta:

    janeiro 25, 2013 @ 22:01

    Olá Andreia,

    As escolas são autônomas para escolher o critério de avaliação, porém ele está descrito no Regimento Escolar. Se no Regimento Escolar da escola do seu filho (que você tem o direito de conhecer) o sistema de avaliação é quantitativo, isto é , precisar atingir um determinado número de pontos isso vale para todos os alunos. Agora, o Conselho é soberando e pode aprovar um aluno que ficou retido adotando critérios inclusive subjetivo.

    Mas de qualquer forma você tem direito de entrar com pedido de recurso, muito embora já estejamos no final de janeiro , portanto, praticamente iniciando o ano letivo.

    Abraços

  31. Profa. Sônia Aranha comenta:

    janeiro 25, 2013 @ 22:26

    OLá Lilian,

    O 3o ano atual é o 2o série antiga, isto é , deve contar com um programa que irá recapitular o que foi ensinado no ano anterior e ampliar vocabulário, convenção da escrita e leitura, enfim..

    Eu sugiro que você logo no início do ano letivo marque reunião com a professora e amarre com ela procedimentos pedagógicos que possam auxiliar o seu filho, além disso , peça a ela já indicá-lo para recuperação paralela que ocorre na escola mas em horário distinto ao da aula.

    Você também poderá ajudá-lo nas tarefas e oferecer jogos de alfabetização e brincar com ele pois é uma forma lúdica de ensinar.

    Caixas de Fósforo – pegue várias caixas de fósforos tire os palitos e encape a caixinha colando na tampa uma figura xícara – depois confeccione várias letrinhas e coloque dentro da caixinha xí- ca – ra – como também x i c a r a – feche a caixinha (são várias) daí pegue a caixinha e diga a ele para escrever o que está na figura. Depois ele mesmo abre a caixinha e verifica se está correto. Depois ele pode montar e desmontar a palavra xícara.

    É uma atividade bem bacana para ampliar o vocabulário de forma lúdica.

    Computador – você também pode levá-lo ao computador ou ao notebook e abrir um editor de texto tipo do word e colocar várias figuras que há no clipping e pedir para ele escrever o que é a figura utilizando o teclado.

    Riscar o chão – você escreve com giz no chão bem grande uma palavra , por exemplo, guaraná , e ele tem que andar por cima da palavra. Depois ele escreve no caderno.

    Leitura – pegue um conto simples. Leia com ele a primeira página e ele lê para você a segunda página.

    Escrever histórias – conte uma história simples, peça para ele recontar oralmente, depois vocês podem dramatizar a história e depois ele conta , você escreve em um quadro e ele copia no caderno.

    Enfim… há muitos modos de alfabetizar e o seu trabalho em casa vai ajudar muito.

    Abraços!

  32. Isa comenta:

    fevereiro 4, 2013 @ 13:20

    Bom dia Professora!
    tenho um filho que está indo para o 2º ano. E estou com uma dúvida em relação ao processo avaliativo.
    Fiz uma pesquisa nas escolas na cidade e existe uma diferença em ralação ao processo avaliativo.
    Em uma escola existe a avaliação tradicional através de notas, a partir do 2º ano. Porém em outra escola a avaliação é feita através de relatório.
    As duas formas de avaliação estão corretas? Houve alguma alteração na Lei referente a maneira de avaliar?

  33. Profa. Sônia Aranha comenta:

    fevereiro 4, 2013 @ 13:43

    Olá Isa,

    É isso mesmo.

    O sistema de avaliação segue a visão de mundo da escola expressa no Projeto Pedagógico.

    Por lei, a escola , cada uma delas, é autônoma para adotar o sistema de avaliação que expressa o modo como entende o mundo , a educação e a sociedade.

    Por isso que cada escola pode adotar um tipo de avaliação.

    A mais comum , infelizmente , é a tradicional que vê o mundo como uma fábrica, um sistema mecânico daí o sistema de avaliação ser quantitativo ,cheio de cálculos , com notas que usam inclusive décimos.

    Há porém outras formas de ver o mundo , um mundo mais integrado e em processo , portanto, o sistema de avaliação será qualitativo e realizaod por relatórios ou por meio de conceitos do tipo ” o aluno atingiu os objetivos plenamente” ou ” o aluno atingiu os objetivos” ou ” o aluno não atingiu os objetivos pretendidos”.

    Portanto, as duas formas de avaliação estão corretas porque não há uma verdade sobre o mundo. Cada grupo de pessoas compreende e defende um modo e o sistema de avaliação segue a visão de mundo adotada, ok?

    Para escolher a escola vco deve usar o critério de visão de mundo. Se a sua é a tradicional escolha uma escola tradicional cujo sistema de avaliação é por notar , caso contrário , escolha a outra.

    Abraços

  34. Luciana Santos comenta:

    fevereiro 7, 2013 @ 14:10

    Prezada Profª. Sônia,
    Acabo de descobrir o blog e está sendo um conforto saber que tem alguém por nós e outros tantos que passam pelas mesmas dificuldades.
    Tenho um menino de 7 anos com TDAH em uma escola particular, em 2012 cursou a 2 série do fundamental. Ele entrou nesta escola no ano passado, logo informei que ele não havia concluido a alfabetização na escola anterior e apresentava dificuldades. Passei o ano solicitando informações sobre o desenvolvimento , conversando com a psicologa da escola e a professora. Professoras, pois a titular estava grávida e foi substituida na metade do ano. Tive muitas conversas com elas e no final do ano cheguei a dizer que fui muito bem atendida – EU -, mas meu filho não. A escola não ofereceu reforço em momento algum. Conclusão: meu deveria ter atingido a média 60 nas disciplinas, mas ficou com 48 em Matemática e 56 em Português. Pela escola é reprovação, contudo insisti que não achava certo, pois ele teve progressos. Então a Coordenadora Pedagógica ofereceu para ele fazer prova de segunda chamada em fevereiro na semana anterior ao início das aulas (em 18/02/2013). Hoje, 07/02/2013, fui à escola para saber sobre as datas das provas e não consegui resposta. Retornaram hoje e estavam em reunião. Podem imaginar a minha tortura psicológica e principalemente a do meu filho que já confeçou estar nervoso?
    Depois deste relato tenho algumas dúvidas que não consegui sanar em outras fontes: – A escola particular pode reprovar da 2ª para a 3ª do fundamental? – O Regimento dessa escola e o Projeto Político Pedagógico é soberano à LDB?
    -Tem alguma lei que proteja o meu filho da retenção?
    Desculpe pelo desabafo, tentei resumir ao máximo, mas tem mais detalhes.
    Agradeço se poder ajudar.
    Abraço,
    Luciana

  35. Profa. Sônia Aranha comenta:

    fevereiro 7, 2013 @ 16:52

    Olá Luciana,

    Para lhe ajudar preciso saber em qual cidade você mora.

    Bem, dependendo da cidade em que mora tenho uma orientação porque tudo depende do Estado e suas legislações específicas. Conheço a do Estado de São Paulo , a dos demais Estados oriento de forma genérica, ok?

    Quanto as suas perguntas:

    - A escola particular pode reprovar da 2ª para a 3ª do fundamental? A escola pode sim reprovar no 2o ou 3o ano do fundamental, sobretudo, porque o Regimento Escolar e seu Projeto Pedagógico adotam um sistema de avaliação seriada e quantitativa. O Conselho Nacional de Educação recomendou em sua Resolução CNE/CBE n.07/2010 que não se deve reter, porém ainda não é uma exigência. A recomendação se faz pertinente porque as crianças estão chegando no ensino fundamental com 5 anos e 6 anos e o MEC pensa em função disso os três primeiros anos serem vistos como um único ciclo pedagógico.

    - O Regimento dessa escola e o Projeto Político Pedagógico é soberano à LDB? Não, não é. Porém, são autônomos. Isto significa dizer que tanto o Regimento Escolar, como o Projeto Político Pedagógico devem estar de acordo com a LDB , mas eles são autônomos e podem adotar diferentes formas de organização desde que não firam as determinações da LDB tipo quantidade de horas e de dias letivos.

    - Tem alguma lei que proteja o meu filho da retenção?” Então, se você for do Estado de São Paulo há possibilidade de pedido de recurso já que a ciência da retenção ocorreu no dia 7/02 e você terá portanto 5 dias contando o dia 7 para entrar com o pedido de recuso junto a diretoria de ensino. Se você for de outro Estado , é possível tentar pedir recurso sim. O Estatuto da Criança e do Adolescente em seu artigo 53 inciso III diz que o aluno tem “direito de contestar critérios avaliativos, podendo recorrer às instâncias escolares superiores”

    E ainda tem o fato de seu filho ter diagnóstico de TDAH. Se ele tem diagnóstico médico ele deve ser incluído em projeto de educação especial e as estratégias pedagógicas para ele deverão ser diferenciadas das dos demais alunos.

    Leia a respeito:

    http://www.soniaranha.com.br/meu-filho-tem-deficit-de-atencao-e-agora/

    http://www.soniaranha.com.br/crianca-com-hiperatividade-tem-direito-a-atividades-diferenciadas/

    No Estado de São Paulo há Deliberações específicas.

    Deliberação CEE N.59/2006 – Estabelece condições especiais de atividades escolares de aprendizagem e avaliação, para discentes cujo estado de saúde as recomende.

    Indicação CEE N.60/2006 – Condições especiais de atividades escolares, para discentes com problema de saúde

    Me informe sobre a sua cidade e Estado para que eu possa pensar em algo visando reverter esta retenção.

    Abraços

  36. Vanuza Procópio comenta:

    março 12, 2013 @ 23:42

    Boa noite professora Sonia!!. Estivemos aqui no site comentando a respeito de nossa filha que tinha ficado retida num colégio , fez a reclassificação em outro que depois de feita a matrícula não a quis mais receber. Bem, encontramos um colégio aqui em Natal, onde as pessoas são conhecedoras das leis e que pensam da mesma forma que nós, ou seja, que uma criança em fase de alfabetização não deve ficar retida ( a nossa foi retida no 3 ano do ensino fundamental). Fomos muito bem recebidos por todos que fazem o colégio ( Balãozinho Mágico), especialmente pela coordenadora, pofessora Jaqueline que nos orientou e nos deu todo o apoio necessário. Nossa filha está cursando o quarto ano do ensino fundamental, completamente adptada ao novo colégio, feliz, atenta às aulas (não foi verificada nenhuma dispersão em sala de aula). Foi feita a reclassificação de forma natural, sem pressão e a mesma se saiu muito bem. Vimos aqui agradecer o apoio que nos deu, as orientações que nos passou. Um forte abraço da Vanuza e do marido Frederico.

  37. Profa. Sônia Aranha comenta:

    março 13, 2013 @ 3:35

    Vanuza querida, muito obrigada de compartilhar aqui comigo e aqui no blog esta conquista!
    É muito gratificante saber que o conhecimento que acumulei através dos anos na carreira como pedagoga está a serviço de pais e alunos.
    Um forte abraço para vocês e sucesso!!

  38. Jana Andersen comenta:

    setembro 20, 2013 @ 17:14

    Meu filho tem 6 anos esta no 1 ano,ate metade do ano tudo estava bem,a partir de agosto a professora recomendou o reforço,pois começou a dizer q ele estava fraquinho.. semana passada perguntei e disse q ia retelo,conversei com a diretora q me informou q ele nao le,mas ele faz associaçao de imagem ,soletra ,disse q ele so passa se assinar um termo.Sou do pr,ele é muito inteligente,mas troca algumas letras.me disseram q tenho que aguardar mais um ano pra ver se ele se recupera e ecaminhalo pro ecad.devo aceitar a retençao ou exigir que passe de ano,isso tem tirado meu sono.

  39. Profa. Sônia Aranha comenta:

    setembro 20, 2013 @ 18:06

    Olá Jana,

    Na minha opinião de especialista na educação eu estou de acordo com as Diretrizes Curriculares Nacionais do Ensino Fundamental de 9 anos que recomenda as escolas que não retenham os alunos nos primeiros anos do ensino fundamental, até porque com 6 anos nem todas as crianças conseguem dominar os conceitos de letras, sílabas e palavras, o que certamente ocorrer até meados do 2o ano se a criança não tiver nenhum problema de ordem emocional ou cognitiva.

    A escola está muito exigente a meu ver.

    Porém, infelizmente as escolas são tradicionais e conteudistas e a maioria dos pais adoram e as mantêm o que é uma pena.

    De modo que há dois caminhos: você acredita no que a escola está a oferecer pelo seu filho e aceita a retenção compreendendo que é o melhor para ele ou entra em uma briga para tentar não retê-lo.

    Se você for do Estado de São Paulo fica mais fácil brigar porque aqui há uma Deliberação para Reconsideração e Recurso , caso contrário, é mais complicado e o desgaste é bem grande, principalmente porque a escola leva para o lado pessoal, o que também é uma pena …

    Abraços!

  40. Joselia Nascimento comenta:

    novembro 4, 2013 @ 1:35

    Olá, profª Sônia

    Fiquei muito feliz em conhecer o seu blog. Muito esclarecedor! Parabéns!!!

    Estou passando por uma situação que tem me deixado muito angustiada. Moro em Campinas/SP, meu filho tem 8 anos (completou em outubro) e está matriculado no 2º ano em uma escola estadual.

    O problema é que ele não está alfabetizado. Não lê, apenas decorou algumas palavras por vê-las constantemente. A professora dele disse que ele teve um grande avanço desde o inicio do ano, no entanto, não tem maturidade e nem condições de acompanhar o 3º ano (??????), mas ela não pode reprová-lo porque ele é um aluno frequente (???).

    Eu quero colocá-lo em uma escola particular, mas a dona da escola me disse que ele não acompanharia o 3º ano, pois todas as crianças já leem e escrevem e como eu falei que gostaria que ele fizesse novamente o 2º ano, ela me disse que não poderia matriculá-lo no 2º se ele vier com transferência como Aprovado.

    Só que eu fico preocupada com meu filho, pois ele percebe que os coleguinhas dele conseguem fazer as atividades e ele não acompanha, sequer, as aulas.
    No entanto, não quero deixá-lo na escola estadual porque acho que a lacuna no seu processo de aprendizagem tende a aumentar.
    Os avanços que a professora se refere foi graças ao medicamento que ele toma (Ritalina) pois tem TDAH e a ajuda do psicopedagogo e da fono.

    O que você acha: devo lutar para que ele faça novamente o 2º ano, já que segundo as professoras é série em que se trabalha a alfabetização e ele ainda não está alfabetizado ou arrisco a deixá-lo cursar o 3º ano?

    Agradeço imensamente se me der uma luz, pois estou muito preocupada.

    Um abraço e que Deus continue abençoando a sua vida!

  41. Profa. Sônia Aranha comenta:

    novembro 4, 2013 @ 3:33

    Olá Joselia,

    Tenho a impressão que a professora dele não pode retê-lo porque na escola pública estadual os três primeiros anos são vistos como um único ciclo. Não tenho certeza, mas acho que é isso.

    De fato se ele for aprovado em uma outra escola não pode retê-lo, o expediente da reclassificação só é possível para frente e não para trás.

    Opções:

    1) Eu penso que talvez (veja bem … não conheço seu filho e tampouco sei qual escola) fosse melhor você mantê-lo na escola pública estadual e contratar uma pedagoga para fazer um trabalho com ele à parte. Em um período ele vai para a escola e em outro estuda junto com essa profissional. Com o dinheiro que você iria gastar na escola pública você pode usá-lo para um trabalho personalizado com uma profissional.

    2) Qual escola particular você estava pretendendo matriculá-lo? O difícil é a escola matriculá-lo no 3o ano e fazer um trabalho personalizado com ele porque ele entraria na situação de aluno com necessidades educacionais especiais. Como ele toma Ritalina, porque sofre de transtorno de déficit de atenção, ele necessariamente é um aluno que deverá ser submetido a um programa de inclusão. A escola é obrigada por lei a matriculá-lo porque você pode acionar a Justiça causo recusem a efetivar a matrícula.

    Enviei-me um e-mail contato@soniaranha.com.br e me diga qual é a escola que você está tentando matriculá-lo,ok?

    Leia também: http://blog.centrodestudos.com.br/inclusao-matricula-2014-planilha/

    abraços

  42. Ivone comenta:

    novembro 12, 2013 @ 0:07

    olá… meu filho tem 8 anos e está no 3° ano do ensino fundamental, ele ainda nao esta alfabetizado, faz leitura de palavras simples e tem dificuldades em escrever em letra cursiva. NO ano passado descobrimos que ele tem uma perda auditiva neurossensorial esquerda, ele faz acompanhamento com psico para as dificuldades de aprendizagem que ele apresenta na area da linguagem e escrita. Neste ano a escola encaminhou para avaliação em CMAE, centro de apoio educacional com varios especialistas da educação, no qual foi diagnosticado que ele tem altas habilidades… agora ele faz reeducação auditiva, continua com acompanhamento na psico, faz contra turno, tem auxilio da familia nas tarefas da escola e recentemente ele participa de coral de musicas… Bom, todo suporte estou tentando passar para meu filho, mas agora no fim do ano acho q ele nao esta preparado para frequentar um 4° ano… o q mais posso fazer? percebi um grande avanço nele, pois ele é bem esforçado…

  43. Profa. Sônia Aranha comenta:

    novembro 12, 2013 @ 1:27

    Olha Ivone, o meu ponto de vista é que ele deve seguir avançando. Reprovar não resolve nada.

    Eu fui diretora de escola particular por 8 anos (no total 25 anos em escola particular) e tive um aluno com lesão cerebral que chegou na escola com 11 anos e foi matriculado no 1o ano do ensino fundamental, porque nunca havia frequentado escola. Nós o retivemos apenas no 1o ano até compreendermos como lidar com ele e depois disso nunca mais ele ficou retido. Nós o incluímos dentro de um Programa de Educação de Necessidades Especiais porque o Plano de Trabalho do professor era específico para ele. Então, ele ficou com a mesma turma até o 9o ano, mas sempre de acordo com as suas capacidades.

    De modo que com todo este aparato que o seu filho tem , penso que ele poderia seguir para o 4o ano, mas dentro de um programa de inclusão específico para ele , assim ele segue com a turma dele ,mas as exigências acadêmicas seriam de acordo com a capacidade dele , isto é, distinta da do resto da turma em unidades que ele tenha mais dificuldade.

    Quanto a perda auditiva um cuidado que se deve ter é o lugar que ele senta na sala de aula. Sempre com o ouvido direito para a professora e o esquerdo para a parede, ajuda muito a localização na sala de aula. Não ouvir apenas de um ouvido parece ser algo simples, mas afeta o comportamento, razão pela qual é preciso se ater no seguinte:

    – em casa – o lugar que ele senta à mesa deve favorecer a audição dele, porque se ele estiver sentado com o ouvido esquerdo para os falantes pouco poderá participar da conversa;

    – na rua – quando estiver com ele andando na rua ficar do lado que ele ouve, caso contrário , ele não poderá participar de uma conversa de modo adequado;

    – no carro – o ouvido dele esquerdo ficará voltado para o falante se ele estiver sentado ao lado do motorista e o ouvido direito para os sons da rua , esta posição dificulta uma conversa.

    Se ele parecer pouco atento em geral, o motivo é a perda de audição. Como é apenas em um dos ouvidos camufla o problema,mas com estes e outros cuidados simples ajuda muito tanto para ele como para quem compartilha de seu dia-a-dia.

    A perda de audição é que prejudica no aprendizado da escrita e da leitura, por isso que a professora dele deve saber que ele precisa ocupar um lugar na frente da sala de aula, diante dela e com o ouvido de perda de audição voltado para a parede ou do lado oposto da porta de entrada da sala. Isso para liberar o ouvido que escuta deixando-o do lado que facilite a audição.

    Exemplo: a criança com perda de audição do ouvido esquerdo voltado para o centro da sala e o ouvido normal voltado para a parede. Ela terá que sempre voltar a cabeça para poder ouvir o que a professora está a falar e com dificuldade.

    Por isso que é fundamental ficar atento a localização dele no espaço, ok?

    Você deve marcar reunião na escola e se valer da vasta legislação da inclusão para poder aprová-lo. Outras dúvidas entre novamente em contato. Abraços

    Links

    http://blog.centrodestudos.com.br/inclusao-escolar/

  44. Joselia Nascimento comenta:

    novembro 15, 2013 @ 11:38

    Olá, profª Sonia

    Obrigada por responder a minha pergunta.

    Nossa, estou muuuuito nervosa.

    A escola que pretendo matricular meu filho (conforme sua pergunta) é o Colégio Alicerce (fica no Campos Eliseos).

    Conversei com a OP da EE Idalina Caldeira e ela teve a pachorra de me dizer que a lei não permite que ele seja retido, MAS que meu filho seria matriculado no 3º ano e no início do ano (após a minha permissão) ela iria colocá-lo na sala do 2º ano porque, realmente, ele não conseguirá acompanhar 0 3º (???????).

    Então, conversei no Colégio Alicerce e a dona me disse que não conseguirá cadastrá-lo no GDAE se ele for aprovado na EE, ou seja, não pode matriculá-lo no 2º por conta do sistema e nem no 3º porque ele não acompanhará.

    Estou muito angustiada. Eu quero o melhor para o meu filho. Eu sou professora e sei o quanto é dificil ter aluno em sala que não consegue acompanhar. A auto-estima dele fica péssima e ele pode vir a ter dois comportamentos: ou de indisciplina ou de apatia e EU NÃO QUERO ISTO para meu filho.

    Vou contratar um advogado para entrar com uma Liminar, mas antes disto vou escrever para a Diretoria falando sobre a proposta indecente da OP da escola.

    Outro ponto: eu não conheço (e olha que já procurei) na região em que moro nenhuma pedagoga que possa fazer um trabalho paralelo com ele.

    Tô ficando doente com esta situação….

    Abraço,

  45. Profa. Sônia Aranha comenta:

    novembro 15, 2013 @ 18:56

    Olá Joselia,

    Se você tiver considerar um mandado de segurança você consegue , acho eu, matricular o seu filho.

    Se quiser eu indico uma advogada excelente que atua na área da educação, ok?

    Abraços

  46. Joselia Nascimento comenta:

    novembro 21, 2013 @ 17:12

    Iupiiiii!!!! Consegui!!!

    Prof. Sônia, como diz o ditado: quem não chora, não mama!

    Pedi um relatório ao Psicopedagogo do meu filho e levei até a escola solicitando re-matrícula dele no 2º ano com base no relatório.

    A diretora me avisou (ao receber a solicitação) de que iria negar, mas que precisaria passar o caso para o Supervisor dela e que no caso de Indeferimento eles teriam que se manifestar de forma motivada, fundamentada e por escrito, ou seja, que fossem explicitadas as razões técnicas, científicas e jurídicas do indeferimento.

    CInco dias depois, a escola ligou para mim dizendo que já teria a resposta da minha solicitação. Quando retirei hoje tive a grata surpresa de meu pedido ter sido DEFERIDO, ou seja, eu posso matriculá-lo novamente no 2º ano!!

    Este ano que meu filho vai “perder”, valerá a pena, pois ele irá para o 3º ano em 2015 mais seguro COM FÉ EM DEUS!

    Obrigada por tudo!

    Abraço!

  47. Profa. Sônia Aranha comenta:

    novembro 21, 2013 @ 23:15

    Ai Joselina!! Parabéns!!
    Fico muito contente em saber que tudo deu certo!!
    Forte abraço!!

  48. Magna Suely comenta:

    janeiro 11, 2014 @ 10:43

    Olá Prof.ª Sonia,
    estou com uma dúvida terrível, sei que nos três primeiros anos, ou seja, 1º,2º e 3º ano não temos retenção, porém a dúvida é a seguinte essa lei é válida somente para o ensino público? A escola particular pode reter os alunos nos anos iniciais de alfabetização?
    E mais uma escola pode “rebaixar” alunos, ou melhor ao fazer testes de nivelamento? Um aluno que recebe um atestado para ser matriculado no 2º ano ao chegar nessa escola e responder a esse teste e for bem, a escola pode remanejar esse aluno para o pré-alfa? Mesmo esse aluno tendo 8 anos?
    Por favor tire essa dúvida?
    Desde já agradeço a atenção

  49. Profa. Sônia Aranha comenta:

    janeiro 11, 2014 @ 12:10

    Olá Magna,

    Respondendo:

    1) Estou com uma dúvida terrível, sei que nos três primeiros anos, ou seja, 1º,2º e 3º ano não temos retenção, porém a dúvida é a seguinte essa lei é válida somente para o ensino público? Veja bem, a escola particular é autônoma para escolher seu sistema de avaliação e pode reprovar nos três primeiros anos do ensino fundamental porque opta pela organização seriada e expressa isso no Regimento Escolar. Ela não deveria adotar a reprovação nos três primeiros anos porque isso é recomendado pela Resolução CNE/CBE n.07/2010, mas ela pode reprovar.

    2) Uma escola pode “rebaixar” alunos, ou melhor ao fazer testes de nivelamento? Não que eu saiba. Não sei o que é teste de nivelamento.

    3) Um aluno que recebe um atestado para ser matriculado no 2º ano ao chegar nessa escola e responder a esse teste e for bem, a escola pode remanejar esse aluno para o pré-alfa? O que é pré-alfa? É abaixo do 2o ano? Qualquer escola pode reclassificar aluno, mas sempre em conformidade com a idade x série. Então, é quase que impossível rebaixar o aluno, isto é, reclassificá-lo para séries anteriores.

    Abraços!

  50. Alessandra comenta:

    janeiro 19, 2014 @ 10:51

    Prof Sônia
    Por favor preciso de ajuda.
    Sou de Vitória , meu filho completará 9 anos no prox mês e enfrentou várias situações na escola em que estuda, desde o primeiro ano ele foi espalhado uma fama na escola como mau aluno que não alcança os objetivos em 2013 ele fez o terceiro ano e a escola quer rete-lo ele nao consegue ler parece que trava na hora da leitura. Eu e meu marido não queremos a retenção acreditamos na evolução dele para o próximo ano até porque estamos acompanhando bem seu desenvolvimento. A escola reteu e disse que nao tem jeito de avançar mas assim que entrar no 3 ano poderá fazer uma prova pra avanço no 4 ano.
    Gostaria de saber se realmente a escola pode proceder nesta posição querendo rete-lo?

    Abraços

  51. Sônia R. Aranha comenta:

    janeiro 19, 2014 @ 21:54

    Alessandra,

    A escola poderá reclassificá-lo.
    Não é um expediente comum reter o aluno para depois reclassificá-lo.
    Não acho uma boa ideia.
    Ou reprova ou aprova.
    Entre em contato com a Secretaria de Educação do Estado do Espírito Santo e verifique qual é procedimento de Recurso para contestar o resultado final do ano letivo de 2013 segundo determina a lei federal n.8069/90 artigo 53 inciso III que permite que o adolescente ou criança tem direito de contestar critérios avaliativos em instâncias escolares superiores.

    Abraços

  52. Sara comenta:

    março 11, 2014 @ 19:19

    Olá!

    Estou coordenadora de uma escola particular( Bahia). Estamos fazendo alterações no regimento de nossa escola, mas temos dúvidas sobre a retenção ou não de alunos do 3° ano do ensino fundamental, visto que as outras escolas particulares e municipais da nossa cidade reprova alunos desde o 1° ano do ensino fundamental. Nós seguimos a Resolução CNE/CEB Nº 07/2010 de 14 de dezembro de 2010, não retemos as crianças até o 3° ano,mas em nosso município (interior da Bahia), apenas a escola a qual trabalho segue. Por favor, se existe uma brecha na lei, que permite que a aprovação ou não aconteça precisamos saber, para fazermos a mudança de forma correta. E não ficarmos só nós de fora. Na secretaria Municipal nada nos foi passado, também não encontramos nada no site do Conselho Estadual de Educação. Então, como podem estar indo de encontro a uma lei e nada acontece? E não são cobrados? Precisamos ter em mãos algo que nos assegure em relação a reter ou não, para que possamos colocar em nosso regimento e dialogar com os pais. Por favor, esperamos um retorno. Muito obrigada!

  53. Sônia R. Aranha comenta:

    março 13, 2014 @ 5:01

    Olá Sara,

    1) A LDB dá autonomia para a escola fazer a sua opção pedagógica.

    2) Por isso que não é necessário que todas as escolas sejam iguais.

    3) O que garante a diferença é o Projeto Político/Pedagógico que a escola assume.

    4) Se o Projeto Político/Pedagógico construido por vocês , fundamentando teoricamente , optou pela não retenção nos três primeiros anos do ensino fundamental ,seguindo recomendação da Resolução CNE/CBE n.07/2010 , não há nenhum problema nisso. Vocês fundamentarão no Projeto Político/Pedagógico da escola , bem como no Regimento Escolar esta opção.

    5) Se vocês não estão seguras do motivo pelo qual consideram importante as considerações do CNE a respeito da não retenção nos três primeiros anos , não façam.

    6) O ato normativo Resolução CNE/CBE n.07/2010 recomenda mas ainda não exige. Recomenda porque considera que o ensino fundamental com 9 anos atende crianças de 5 anos a 6 anos , 6 anos a 7 anos , e de 7 anos a 8 anos e que portanto deve ser um ciclo pedagógico introdutório, por isso a não recomendação de reprovação. Imagine você reprovando criança de 6 anos no 1o ano? Não é totalmente desproporcional já que quatro anos atrás esta criança estaria no pré e não seria reprovada?

    7) Agora , claro que a maioria das escolas retrógradas reprovam as crianças porque consideram a avaliação com algo punitivo e considera a repetição de conteúdos uma forma pedagógica ótima para recuperar alunos.

    De modo que vocês deverão assumir uma postura pedagógica fundamentando-a no Projeto Político/Pedagógico e no Regimento Escolar e o que fizerem será legalmente aceito porque as escolas são autônomas e podem fazer escolhas, ok?

    Abraços

  54. Alice cardoso comenta:

    maio 13, 2014 @ 0:10

    O que deve constar no parecer final do segundo e terceiro ano do ensino de nove anos

  55. Sônia R. Aranha comenta:

    maio 13, 2014 @ 2:56

    Olá Alice, não compreendi a sua pergunta. Você pode refazê-la dando-me mais detalhes?
    Aguardo.

  56. Alessandra Vieira comenta:

    maio 16, 2014 @ 0:30

    Olá Sonia,
    Muito bom seu blog! Parabéns!
    Gostaria de saber sobre reclassificação de alunos. Aqui na minha escola alguns alunos que estão no 2º ano estão pré silábicos e a coordenadora esta querendo remaneja-los para o 1 ano…ela pode fazer isso? Existe lei pra isso?
    Ate mais
    Alessandra

  57. Sônia R. Aranha comenta:

    maio 16, 2014 @ 4:59

    Olá Alessandra, não ela não pode.

    Não há amparo legal para retroceder alunos, apenas avançá-los e de acordo com a idade.

    De modo que não é possível voltar o aluno para o 1o ano.

    A escola terá que realizar um trabalho diferenciado para este aluno visando promover avanços com recuperação paralela , contínua e aulas de reforço,ok?

    Abraços e obrigada!!

  58. Daniela Santos comenta:

    julho 31, 2014 @ 10:17

    E se o aluno no 1 ano ler e escrever for um bom aluno, pode repetir por falta?

  59. Sônia R. Aranha comenta:

    julho 31, 2014 @ 12:59

    Daniela, pode sim.

    A frequência é disciplina em lei federal 9394/96 e que diz que o aluno necessariamente tem que ter 75% de frequência se ele não tiver fica retido.

    É isso! Abraços

  60. josi carvalho comenta:

    agosto 26, 2014 @ 12:19

    Muito obrigada pelas informações !!
    Gostaria que minha filha tivesse uma professora como a senhora !!

  61. Sônia R. Aranha comenta:

    agosto 28, 2014 @ 5:19

    Josi! Obrigada!!
    Abraços!

  62. Carolina Lima Cunha comenta:

    setembro 22, 2014 @ 13:38

    Prezados, bom dia!

    Li vários argumentos de todas as mães que deixaram sua revolta em escola no 1º ano do ensino fundamental. Gostaria de deixa a minha aqui também. Minha filha estuda em uma escola particular há três anos em Paulista – PE, onde tivemos uma reunião no mês de Junho e a escola nos informou que ela precisava de um esforço a mais que as notas estavam baixas, onde ela estava sendo acompanhada por uma professora de reforço, mas depois dessa reunião pegamos no pé da professora de reforço e onde ela deu um progressão muito grande e esta lendo dentre duas silabas. Mas neste mês a escola nos informou que a mesma não iria fazer formatura e que estava reprovada. Ficamos abalados por conta do ano não ter terminado e já informado que não iria passar.
    Gostaria de orientações, pois estamos para ir na escola e rebater essa situação.

  63. Carolina Lima Cunha comenta:

    setembro 22, 2014 @ 21:12

    Sonia, boa tarde!

    Fico muito grata se entrar em contato comigo por email.
    Estou para realizar uma reunião amanha com a escola e gostaria de orientações de como proceder com a mesma.

    Grata.

  64. Sônia R. Aranha comenta:

    setembro 22, 2014 @ 21:27

    Olá Carolina,
    Vou entrar em contato por e-mail!
    Ainda hoje!
    Abraços

  65. Sônia R. Aranha comenta:

    setembro 22, 2014 @ 21:28

    Ok Carolina !
    Vou lhe dar um retorno .
    Aguarde mais um pouquinho.. hoje estou corrida!!
    Abraços

  66. TACIANA BRUERE comenta:

    outubro 14, 2014 @ 22:13

    Boa noite, Sônia

    Em primeiro lugar quero agradecer a sua disponibilidade para tirarmos da cegueira, quanto a este assunto tão polêmico e subjetivo.

    Sou de Recife e minha filha de 7 anos se encontra matriculada no 1 ano em uma escola particular. Desde o início do ano a escola vem avisando da dificuldade da criança quanto a escrira e leitura. Fazendo anotações no diário de reunião dos pais. Ficamos mais atentos às suas atividades, mas confiei que a escola iria concluir seu trabalho. Foi quando em 22 de setembro a coordenadora avisou que se ela não soubesse ler uma frase completa e interpretá-la iria reter a criança. Corremos atrás de um profissional psicopedagogo que nos disse: como a criança não tinha nenhuma anormalidade, ela teria que já está alfabetizada. E que provavelmente foi uma deficiência da própria escola de não ter tido êxito no trabalho. As conversas que tivemos com a escola, foram tendenciosas, como se dissessem que como os pais não botaram reforço ou não incentivaram a criança em casa, fossemos culpados. Se formos seguir essa linha de raciocínio de que os pais devem alfabetizar suas crianças em casa, não há a necessidade desta série ser feita na escola, pago cerca de R$ 600,00 mensais. Na quero nem enfatizar quanto ao valor das mensalidades, mas quanto a quem de fato é responsável pela alfabetização? Somos nós pais (leigos quanto à metodologia correta para se fazer o trabalho de alfabetização) ou a escola que possui profissionais qualificados para isso? Se uma escola identifica que a criança está tendo certa dificuldade, ou seu processo cognitivo é mais lentos do que outros, não seria o caso da escola puxar essa criança pra si em sala de aula? Mas como temos uma cultura capitalista que visa as entradas de dinheiro, temos cada vez mais salas cheias de alunos. Impossibilitando, assim, o trabalho correto dos professores.
    Após ler seu blog, fui aos estudos. Além do parecer mencionado neste blog, encontrei artigos científicos que indicam que a retenção na alfabetização não é a melhor estratégia.
    Enfim, elaborei uma carta com 4 páginas informando a minha não aceitação da retenção e com as devidas argumentações fundadas em: de quem seria a responsabilidade do trabalho de alfabetizar? (Não entrei muito a fundo quanto esse assunto, irei deixar pra falar pessoalmente); nos trabalhos científicos que encontrei; no parecer da psicopedagoga e finalizei com o parecer do CNE. Sim, e ainda me propus a dar continuidade às aulas particulares nas férias. Minha dúvida, sendo uma criança normal sem nenhum prejuízo emocional ou físico, de quem seria o dever de alfabetizar? A escola pode colocar a culpa para os pais?

    Abraços.

  67. TACIANA BRUERE comenta:

    outubro 14, 2014 @ 22:25

    Te gostaria de uma orientação de como proceder na reunião com a diretoria da escola.

    Obrigada!

  68. Sônia R. Aranha comenta:

    outubro 15, 2014 @ 1:35

    Olá Taciana,

    A responsabilidade é da escola, sem sombra de dúvida.

    Não só em função do objetivo da escola, mas também porque há uma relação de consumo, isto é, você comprou um serviço e que deve ser entregue em serviços de qualidade que é promover a aprendizagem da aluna.

    Este documento que você fez faça duas cópias. Uma cópia protocole na secretaria da escola e guarde o outro você entrega, ok?

    Se a escola não modificar a decisão de reprovação vc poderá entrar com recurso apoiada na lei federal n.8069/90 , artigo 53, inciso III que diz que a criança ou adolescente tem direito a contestar critérios avaliativos em instâncias superiores.

    Eu dei uma busca no CEE de Pernambuco e não encontrei ato normativo que discipline o recurso de resultado final, mas pela lei acima citada você tem direito ao recurso e daí você faz um documento para a Gerência Regional de Educação que supervisiona a escola.

    O problema é que quando o CEE não disciplina a matéria não há prazo de devolutiva, mas você pode seguir até o próprio Conselho.

    Presto este tipo de serviço o de escrever documento de defesa do aluno, mas cobro honorários para isso. Caso precise entre em contato com sonia@centrodestudos.com.br . Não há garantias de êxito, mas tudo que estiver disponível na legislação é utilizado para defender o direito de sua filha, ok?

    Abraços

  69. TACIANA BRUERE comenta:

    outubro 18, 2014 @ 10:24

    Bom dia,

    Esse parecer serve só para as escolas municipais/Estaduais ou também deve haver a observância das escolas particulares? Me foi colocado que seria só para as escolas de rede públicas seguirem. E tenho visto no âmbito jurídico, os magistrados julgarem, tendo como parâmetro esse parecer.

  70. Sônia R. Aranha comenta:

    outubro 20, 2014 @ 13:07

    Taciana, todo e qualquer ato normativo é para todos, sobretudo se for do Conselho Nacional de Educação.

    A escola privada faz parte do sistema de ensino e deve cumprir a legislação de ensino como as escolas públicas.

    Abraços

  71. Juliana comenta:

    outubro 30, 2014 @ 17:22

    Boa tarde Sônia! Meu filho fez 6 anos em agosto, e está no primeiro ano! Mas ano passado a escola achou q fosse melhor eu reter, mas eu não quis, porq ele espera muito e falava muito do primeiro ano! Como tive alguns problemas com a escola resolvi mudá-lo o ano que vem (2015) para uma outra escola, e minha dúvida, inclusive está me tirando o sono é a seguinte? Meu filho he um pouco imaturo, não para quieto na sala! Mas está lendo e escrevendo do jeitinho dele, às vezes esquece um NH, LH ! Ele faz kumon há uns 6 meses porq a escola dizia q ele não estava acompanhando. Então, o problema he q a nova escola começa com o primeiro ano em 2015, ela não tem 2 ano ainda, eu teria q retê-ló! E como mudaria de escola acho q ele não ficaria tão triste de não ir para o segundo ano, e porq já tenho um filho de 14 anos q por ser de julho tbm me deu e dah muito trabalho, as orientadores falam q ele eh sempre imaturo em relação a turma, então achei q se meu filho fosse retido agora no 1ano, não me daria tantos problemas lá na frente entende! Oq vc acha? Desculpa se não consegui ser clara!

  72. Sônia R. Aranha comenta:

    outubro 30, 2014 @ 17:52

    Olá Juliana,

    Eu entendi.

    1) A escola atual reprovou o seu filho ou não?

    Porque se a escola aprovou, você , mesmo sendo mãe, não pode reprová-lo. O histórico dele e a transferência serão expedidos para o 2o ano e não há o que fazer quanto a isso. E infelizmente terá que buscar uma escola que tenha o 2o ano.

    2) Se a escola atual o reprovará, ele fará o 1o ano em outra escola.

    É preciso prepará-lo para a reprovação, porque ele deve ser bem inteligente. Toda criança mais agitada é muito inteligente, às vezes até mais do que os demais, razão da inquietação.

    Critérios claros, explicitados com objetividade e aceitação dos pais ajuda bastante para que ele aceite refazer uma série porque quem tem que refazer é ele, não é?

    Abraços

  73. Edieri Alves comenta:

    novembro 11, 2014 @ 19:20

    Boa tarde Sônia.
    Sou do Rio de Janeiro e gostaria de esclarecer uma dúvida, meu filho tem 16 anos, apresenta o diagnóstico de TDAH e está cursando o 7º ano do fundamental II, por falta de conhecimento foi retido varias vezes em vários colégios que já estudou. Até encontrar um colégio que aceitou acompanha-lo de acordo com as suas dificuldades que são muitas principalmente em matemática, pois não consegue mais acompanhar a turma e o colégio fazia uma avaliação diferenciada fazendo com que ele atingisse a média e aprovação automática. Só que o colégio este ano passou por dificuldades e irá fechar, o que me deixou sem chão. Gostaria de saber se tem alguma lei que obrigue os colégios particulares a dar um ensino diferenciado e aprovação automática , para que meu filho não seja mais prejudicado e com a autoestima mais baixa.
    Beijos!

  74. Sônia R. Aranha comenta:

    novembro 11, 2014 @ 23:36

    Edieri…

    Que incrível isso não? Escola bacana acaba quebrando… infelizmente.

    Puxa, ele fará terminará o 8o ano com 17 e o 9o com 18 anos.

    Bem, cada vez fica mais difícil pela defasagem idade x série.

    Você não considera para ele fazer o ENCCEJA – Exame Nacional para Certificação de Competências de Jovens e Adultos para terminar o ensino fundamental e depois com 18 anos prestar o ENEM e solicitar o certificado de conclusão do ensino médio e liquidar com este assunto e já pensar em ingressar em uma faculdade?

    O ENCCEJA pode ser realizado para pleitear certificação no nível de conclusão do Ensino Fundamental para quem tem no mínimo 15 (quinze) anos completos na data de realização das provas.http://portal.inep.gov.br/web/encceja/encceja

    Eu acho que é uma alternativa interessante porque ele, em 2015, faz o ENCCEJA e termina o ensino fundamental. Durante o ano de 2015 poderá fazer línguas ou informática ou um outro curso que ele tenha afinidade.

    Em 2016, com o certificado do ensino fundamental ele poderá fazer matricula no ensino médio ou prestar o ENEM se ele estiver com 18 anos em novembro/2016 daí alcançando a pontuação já termina o ensino médio e pronto recuperando o tempo que perdeu com as reprovações indevidas.

    Outra tentativa para recuperar este tempo é submetê-lo a uma reclassificação do 8o ano para o 1o médio. Aqui a tese seria a defasagem de idade e série. Somente seria preciso encontrar uma escola que faça esta reclassificação.

    Na hora da entrevista para a matrícula

    1) Entre um documento explicando que o seu filho é portador de TDAH , diagnóstico , anexe cópia o laudo mais recente e que em função de não ter sido incluído sofreu várias reprovações de modo que você solicita que de imediato seja feito a inclusão, com um plano de desenvolvimento individual (PDI) que supõe um conteúdo específico com avaliações diferenciadas.

    2) Se a escola se recusar a matriculá-lo você pode denunciá-la até ao Ministério Público Federal porque escola não se pode recusar aluno com necessidade educacionais especiais.

    A legislação:

    http://blog.centrodestudos.com.br/inclusao-de-alunos-com-necessidades-especiais/


    http://blog.centrodestudos.com.br/inclusao-matricula-2014-planilha/

    http://www.soniaranha.com.br/escola-e-obrigada-a-matricular-criancas-com-necessidade-educacional-especial/

    http://www.soniaranha.com.br/inclusao-nao-sei-fazer-isso-mas-sei-fazer-aquilo/

    Prestamos serviço de elaborar documento de defesa do aluno, mas cobramos honorários,ok? Caso precise de nosso auxílio entre em contato com sonia@centrodestudos.com.br

    Abraços e boa sorte!

    3) O único problema é a defasagem idade x série, talvez alguma escola poderá não aceitar por este motivo e é um motivo a ser pensado.. mas neste momento você poderá pedir a reclassificação do 8o ano para o 1o médio.
    Ele é matriculado no 8o ano e depois a escola aplica uma avaliação de acordo com a questão de inclusão e o reclassifica para o 1o médio , por exemplo. Assim o problema da idade x série diminui bem… terminando o 1o ano médio com 17 anos.

  75. Priscila poça comenta:

    novembro 13, 2014 @ 23:23

    Boa noite Prof Sônia…
    Minha filha esse ano passou para o 1ano ela não sabia ler e ainda não reconhecia bem as letras só que foi rebaixada pq a professora disse que ela não estaria acompanhando os outros colegas de classe ela tem 7 anos….Isso é certo ?e se acontecer esse ano novamente o que devo fazer?

  76. Sônia R. Aranha comenta:

    novembro 14, 2014 @ 4:17

    Priscila, a professora não pode rebaixar nenhum aluno.

    Se no próximo ano isso ocorrer primeiro escreva um documento para a professora dizendo que este tipo de tratamento em nada contribui com a promoção de avanços.

    Se persistir encaminhe documento para a direção explicitando o caso, ok?

    Abraços

  77. Kelly Rodrigues comenta:

    novembro 24, 2014 @ 20:04

    Esse Resolução pelo que entendi não determina que a criança não pode ser retida, é uma recomendação e como tal a escola segue ou não. Tenho um filho que está no 1o ano do fundamental e vai para a recuperação com chaces de reprovar caso não atinja a média da escola que é 7.
    O que quero dizer é que se houvesse uma determinação, uma lei de fato que proibisse a reprovação, aí sim resolveria a questão de tantos pais que como eu vêem potencial para seus filhos progredirem para a próxima série, mas que ouvem da escola simplesmente que ele não irá passar pois não está no ritimo dos outros alunos. Meu filho vêm evoluindo muito, mas no tempo dele e não no da escola. Não acho que ele tenha nenhuma deficiência quanto a isso.

  78. Sônia R. Aranha comenta:

    novembro 24, 2014 @ 20:22

    Kelly,

    Depende , você é de qual cidade e Estado? Escola pública ou particular?

    Estou com uma informação nova que talvez possa ajudá-la.

    Aguardo.

  79. NATHALIA MIRANDA comenta:

    dezembro 1, 2014 @ 15:32

    Ola! Meu filho entrou na escola com 3 anos de idade , e começou no bloco 1, com 4 anos ele fez o bloco 2, com 5 fez o bloco 3 , e agora com 6 anos repetiu o bloco 3. Ele faz aniversário em 24/05, ou seja ano que vem ele vai está com 7 anos no 1° ano. Ele sempre foi um aluno muito inteligente e elogiado pelas professoras, sempre teve um desenvolvimento na escola acima da média. Seguindo a ordem do 1° ao 9° ano sem que ele seja reprovado em algum destes anos, ele terminaria o 9° ano com 15 anos. Eu no meu entender ele com 15 anos deveria está cursando o 1° ano do ensino médio. Gostaria de saber se o meu filho pode fazer algum tipo de prova de avaliação para es´ta sendo relocado em outro ano? Exemplo: Ele ja está bem adiantado, sabe ler frases pequenas, sabe fazer contas de adição e subtração,sabe escrever o nome todo e muitas outras palavras etc. Ele pode fazer uma prova de avaliação para cursar o ano que vem o 2° ano com 7 anos ao envés do 1° ano?

  80. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 1, 2014 @ 22:28

    Olá Nathalia,

    Não no 1o ano do ensino fundamental porque há um impedimento legal na lei federal 9394/96 artigo 24, inciso II – a classificação em qualquer série ou etapa, exceto a primeira do ensino fundamental, pode ser feita… http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/leis/l9394.htm

    Você poderá recorrer a este expediente a partir do 2o ano ok?

    Abraços

  81. Raquel Pereira de Carvalho comenta:

    dezembro 2, 2014 @ 19:47

    Boa tarde.
    Gostaria de saber se um aluno do 1º ano do ensino fundamental pode ficar reprovado por faltas.
    Ele poderá fazer a compensação de ausências?

  82. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 2, 2014 @ 20:09

    Raquel que massada, heim? Como é que a escola comeu essa bola?

    Para o aluno ficar reprovado por falta no 1o ano do ensino fundamental terá que ter 25% de ausência no total da carga horária letiva. Por exemplo, se o 1o ano teve 800 horas teria que ter faltado 200 horas, considerando que no dia ele tenha 5 horas aula/dia então teria que ter faltado 40 dias letivos.

    Para compensar a ausência tem que constar no Regimento Escolar, se não constar não tem como fazer…Mas se constar sim pode compensar a ausência no 1o ano do ensino fundamental.

    Abraços

  83. Renata comenta:

    dezembro 3, 2014 @ 14:46

    Bom dia
    Gostaria de saber se posso recorrer na reprovacao da minha filha
    Ela esta no 3 ano do ensino fundamental matriculada na escola particular de São Paulo
    Ela ficou de recuperação de uma matéria sendo que todas as outras ela passou
    Como faço para recorrer ?
    Qual o telefone , para ter informações ?
    Obrigada

  84. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 3, 2014 @ 15:00

    Renata , pode sim pela Deliberação CEE n.127/2014. Mas corra porque tem prazo para recorrer, ok?
    Entre em contato por sonia@centrodestudos.com.br
    (19) 32554237

  85. Renata comenta:

    dezembro 3, 2014 @ 16:11

    Obrigada
    Você sabe me dizer até quando e o prazo ,tenho que falar com a escola
    Há possibilidade de conseguir que ela passe para 4

  86. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 3, 2014 @ 16:36

    Renata.

    Leia a Deliberação CEE n.127/2014 e siga fielmente os prazos ok? http://www.soniaranha.com.br/deliberacao-cee-sp-n-1272014-altera-a-deliberacao-cee-sp-n-1202013/

    10 dias

    Sim, se souber argumentar há sim, mas não há nenhuma garantia.É como um processo jurídico. Nenhum advogado pode afirmar 100% de êxito.

    No seu caso eu acredito que há 75 a 80% de chances, mas talvez tenha que seguir com recurso para a Diretoria de Ensino e até mesmo ao Conselho Estadual.

    Como disse é um recurso em várias instâncias.

    Ano passado eu consegui reverter 70% dos casos que fiz na escola com o Pedido de Reconsideração, mas 30% não. 20% consegui pela DE , 10% no CEE e 10% eu perdi.

    Então.. sua filha tem direito a recorrer pela lei então porque não tentar? É desgastante? É, é bem desgastante, mas o que são os obstáculos senão alavancas para nos fortalecermos não é?

    Estou à disposição caso precise. abraços

  87. Renata comenta:

    dezembro 3, 2014 @ 17:02

    Muito obrigada
    Agora e só ir atrás
    Pois ela foi bem em todas as outras matérias com notas boas , ficou só de uma , não acho certo
    Sabe me dizer se há escolas que aceitam ela ser matriculada para 4 ano fazendo a reclassificacao apenas dessa matéria que ela ficou .

  88. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 3, 2014 @ 17:17

    Renata, difícil de saber , mas eu acho que não por ser o 3o ano do ensino fundamental, mas tente.

    Abraços

  89. Márcia Maciel comenta:

    dezembro 11, 2014 @ 13:30

    Prezada Prof.a
    Minha filha tem 13 anos e foi promovida para a 7 série. Estuda em uma escolar particular. Entretanto, não concordo com a promoção dela. Explico que ela fez tratamento de quimioterapia por mais de 03 anos (quando tinha uns 02 anos de idade), período em que parou totalmente o processo de ensino-aprendizagem. Depois quando retornou não conseguiu acompanhar, mas por conta da idade, foi sendo promovida ano a ano, com uma ou outra reprovação. Agora sob orientação, e com melhores condições financeira, ela cursa o Kumon, faz aulas de pintura em tela, e está numa escola particular. Mesmo assim somente agora depois de um ano de Kumon foi que conseguiu aprender a somar e subtrair. Agora a atual escola quer promove-la para o 7 ano, coisa que não concordo, na verdade acho que ela deveria retornar para a 5 ano, ou pelo menos ficar no 6. Como fazer para que a escola a retenha no 6 ano sem ter que entrar na justiça? Já fui professora de vários níveis, e infelizmente o sistema educacional do nosso país está longe de ser bom, acho o sistema falho, porque se um aluno não domina o básico, não deve ir para o ano seguinte, certo? Que chances terá este aluno que vai sendo empurrado ano a ano com o mundo lá fora?
    Agradeço a atenção.

  90. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 12, 2014 @ 6:07

    Pois então Márcia… há várias concepção de educação…

    Por que a escola a aprovou? Ela não atingiu os objetivos dos componentes curriculares, mas mesmo assim eles aprovaram?

    É difícil reverter uma aprovação para uma reprovação, mas você poderá interpor um Pedido de Reconsideração junto a direção da escola usando a Deliberação CEE n.127/2014, porém utilizando para reprovar . Se a direção mantiver a aprovação você entra com Recurso junto a Diretoria de Ensino.

    O tese é provar que sua filha não é capaz de seguir para o 7o ano.

    Acho que é uma tentativa, ok?

    abraços

  91. Gabriela comenta:

    dezembro 15, 2014 @ 18:24

    olá..
    Sônia
    bom queria dizer o seguinte tenho 15 anos
    estava cursando o 9° ano
    tava grávida
    todos os dias eu ia a escola
    ganhava notas ótimas a melhor da sala
    cheguei a receber um certificado de aluno destaque da sala de aula
    ..
    quando chegou no mês de agosto completei 7 meses de gravidez
    e continuei indo a escola…
    intao chegou um certo dia 15 de agosto
    não conseguia ir mais a escola
    por motivo de cansaço sentia dores etc..
    mas mesmo assim mandava trabalhos pros professores
    quando foi dia 24 de agosto senti fortes dores e fui pro hospital
    ganhei meu filho de 7 meses prematuro
    ..
    quando no mês de setembro fui a escola entregar o atestado médico
    ..
    e eu pretendia ir a escola na semana seguinte
    quando chegou essa semana não teve como de eu ir por motivo filho começou a perder peso etc.. e eu queria ficar e cuidar do meu filho para acompanhar o seu desenvolvimento

    graças a deus hoje agradeço a deus pela a saúde do meu filho
    … pois beim
    hoje dia 15 de dezembro fui a escola para fazer a recuperação
    e não consegui a diretora diz que eu tinha que o ano q vem repetir o nono anoo..
    entao o que faço.. ??

  92. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 16, 2014 @ 5:23

    Gabriela !! Entre com recurso!!
    A gravidez é protegida !!
    Como ficar reprovada?
    Qual é a sua cidade e Estado.
    Entre em contato comigo saranha@mpcnet.com.br

  93. Livia comenta:

    dezembro 16, 2014 @ 12:44

    Bom dia!
    No estado do RJ é obrigatório passar o aluno do 3° para o 4° ano, uma vez que ele não alcançou os pontos exigidos para aprovação em mais de 3 matérias?

    Parabéns pelo blog! Muito esclarecedor!

  94. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 17, 2014 @ 5:51

    Obrigada Livia,

    Sim, em todo o Brasil em função da Resolução CNE/CBE n.07/2010 artigo 30.

    Abraços!

  95. Jovana comenta:

    dezembro 19, 2014 @ 20:26

    Boa tarde,

    Meu filho tem 10 anos e cursa o 3º ano do ensino fundamental em uma escola particular de Porto Alegre. Ele foi reprovado e eu questionei a escola se era certo ele reprovar e eles me responderam que sim porque esta nova resolução é somente para escolas publicas que eles como sendo escola particular podem reprovar. Será que eu tenho como recorrer desta decisão uma vez que ele tem TDAH.

    Abraços

  96. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 20, 2014 @ 19:18

    Jovana, tem direito, mas….

    1) Você entregou o laudo na escola desde o início do ano? A escola tem ciência do TDAH ?

    2) você poderá fazer um Pedido de Reconsideração endereçado ao diretor da escola e se mantiverem a reprovação você poderá entrar com Recurso na CRE de Porto Alegre.

    Eu presto serviço de escrever o documento de recurso,mas cobro honorários para isso. Se precisar entre em contato: sonia@centrodestudos.com.br

    Abraços

  97. Edinéia Araujo comenta:

    janeiro 26, 2015 @ 20:39

    Boa tarde,

    Meu filho tem sete anos de idade e fez o primeiro ano em 2014, e a professora o reprovou por causa da leitura. Ele estuda em uma escola particular pequena no Estado do Rio de Janeiro. Fui falar com a direção da escola e eles não estão ciente da lei LDB. Ficarão de ver e até o momento não me deram nenhuma resposta. As aulas estão pra começar e estou preocupada. Será que ainda cabe algum recurso?

  98. Lilia Lopes comenta:

    janeiro 27, 2015 @ 3:45

    Boa tarde!

    eu tenho um filho de 7 anos e ira completar 8 anos esse ano e ficou reprovada em portugues no 1º ano moro no rio de janeiro e a escola e particular Colègio João XXIII,a coordenadora deu lhe até uma chance para que ele faça uma prova no dia 05 de fevereiro para ver se ele tem condições de fazer um 2 ano pois ele silaba não lê direto como a maioria das crianças,apesar de q eu venho estudando com ele nessas férias e ele deu uma melhorada. Gostaria de saber se eles estão certos quanto a reprovação caso ele não consiga lêr conforme eles querem, e se tem algo que eu possa fazer p que esse caso venha ser revertido ?
    Muito obrigada pela atenção!!

  99. Sônia R. Aranha comenta:

    janeiro 27, 2015 @ 6:03

    Lilia, o que temos em várias Secretarias de Educação é o entendimento que não se deve reprovar no 1o e 2o anos do ensino fundamental em função da Resolução CEE n.07/2010. Então caso ela fique reprovada você recorra ok? Primeiro faça um Pedido de Reconsideração para a direção da escola e depois se for negativa a resposta entre com o Recurso junto a DRE que supervisiona a escola ok?

  100. Sônia R. Aranha comenta:

    janeiro 27, 2015 @ 6:10

    Edinéia, é Resolução CEE n.07/2010 , artigo 30.

    http://blog.centrodestudos.com.br/resolucao-no-7-de-14-de-dezembro-de-2010/

    Entre com um Pedido de Reconsideração (escreva o documento bem formal) pedindo que seu filho seja aprovado em função da Resolução CEE n.07/2010 que diz que não é para reprovar no 1o ano.

    Se a escola mantiver a reprovação, faça outro documento Recurso e encaminhe para a Diretoria Regional de Ensino que supervisiona a escola

    Faça a busca aqui http://download.rj.gov.br/documentos/10112/157756/DLFE-67605.pdf/RegionaisAdministrativasePedagogicas.pdf

    ok? abraços

  101. Didi Damasceno comenta:

    fevereiro 4, 2015 @ 0:38

    Boa noite meu filho passou para quarta serie e na formacao de turma ele ficou em uma turma de um menino que e o terror que nos da familia nao nos damos bem de nenhuma maneira solicitamos a mudanca na escola e foi negada temos o direito legal de exigir esta mudanca de turma e uma escola particula e no ha 3 anos esta turma vem junta e e considerada a pior turma da escola desde a primeira serie e so na quarta serie aghora decidiram separar e deixaram meu filho justamente dentre os piores inclusive este menino que a nossa familia e totalmente incompativel podemos legalmente exigir nao e desacatar a escola mas e realmente desespero pelo que possa vir. as aulas comecam amanha e ele ja nao vai ajudem-me obrigada

  102. Didi Damasceno comenta:

    fevereiro 4, 2015 @ 0:40

    Gostei muito de tudo o que li e estao de parabens, esqueci de dizer na mensagem anterior de que moro no rio de janeiro .

  103. Sônia R. Aranha comenta:

    fevereiro 4, 2015 @ 17:00

    Olá Didi, não, não podem.

    Como se trata de menores todo o cuidado é pouco.

    Faça o seguinte:

    Escreva uma carta para a direção da escola (formal)solicitando a mudança do seu filho de classe e comunicando as motivações para esta sua solicitação.

    Se a direção não atender o seu pedido.

    Peça intervenção da Diretoria Regional de Ensino, dizendo que vc fez um pedido formal de transferência de turma mas a escola se recusa a cumprir , explique a motivação do pedido e peça que a Dirigente de Ensino faça uma intervenção solicitando a transferência.

    Se não resolver, busque o Conselho Tutelar , informe que vc já fez de tudo para garantir a transferência de seu filho de Turma e peça uma ação do Conselho Tutelar junto a escola e a família do outro aluno.

    Abraços

  104. Tel comenta:

    março 13, 2015 @ 2:48

    Oiii…
    Meu filho têm 6 anos, ingressou no 1º ano, tem problemas na fala e faz acompanhamento com fonoe frequenta escola desde 1 ano 5 meses…
    O fato é, que em questão de 2 semanas de aula fui chamada na escola pela Orientadora pelo motivo de ele não estar acompanhando a turma, no sentido de copiar o minimo de coisas, estar na fase da garatucha e ter uma certa resistência em cumprir ordens para a realização das atividades.
    Me encaminharam para uma psicopedagoga e neurologista.
    Estou muito angustiada, pois meu filho reconhece algumas letras, escreve o nome dele, conhece as cores, tem noção de tamanho e espaço…
    Sei que é o inicio do ano letivo, mas estou muito preocupada na questão da aprendizagem e rendimento escolar dele.

  105. isis gomes comenta:

    março 14, 2015 @ 17:00

    Boa tarde,
    Meu filho está no segundo ano e está na mesma escola desde o PRÉ II, antes disso ele nunca havia frequentado nenhuma escola.Nos dois primeiros anos não precisei ir nenhuma vez na escola fora os dias de reuniões com os pais, porém este ano está sendo diferente. Na primeira semana de aula meu filho falou que a professora havia chamado ele é algumas outras crianças de tartaruga, liguei para escola falei com a diretora e ela conversou com a professora e me disse que estava resolvido e não ia mais acontecer. Na segunda semana ele reclamou novamente e disse que sem querer a professora chamou ele novamente de tartaruga e disse ficar constrangido com a atitude dela. Então fui até a escola conversar com a professor, expliquei para ela que no ano anterior descobri só em outubro que ele tinha astigmatismo sendo que o olho direito tem mais de um grau e meio, sendo que ele sabia todo o alfabeto e números até vinte mas não associava a letra com a imagem. Ela se mostrou preocupada e disse que iria mudar seu método de ensino, sendo que a intenção dela não era ofender e sim apurar o aluno para acompanhar o resto da classe.
    Ontem meu filho disse que ela arrancou a folha do caderno que ele estava fazendo a atividade por que ainda tinha espaço para ele fazer a atividade na outra folha.
    Oque eu faço? Não estou gostando da atitude da professora.

  106. Sônia R. Aranha comenta:

    março 18, 2015 @ 0:03

    Isis Gomes,

    1) Faça um relato/documento bem formal .. Eu ________, brasileira, portadora do documento ______ responsável legal pelo aluno _______regularmente matriculado no ano _____ do ensino fundamental, veio mui respeitosamente solicitar intervenção da direção junto a professora ________ em função da conduta inadequada em sala de aula em relação ao meu filho.

    Histórico: conte aqui que vc esteve na escola na data X, que esteve na escola na data Y conversando com direção e com professora e que não houve mudança nas estratégias pedagógicas adotadas e que isso está afetando o seu filho.

    Solicitação: que a direção por intermédio de cursos de formação e de reuniões pedagógicas consistentes oriente esta professora a alterar o seu modo de lidar com o seu filho e que não mais tolerará atitudes que levam ao constrangimento, tais como: rasgar a folha do caderno, chamar de tartaruga etc…

    Imprima em duas vias o documento, um entregue e outro protocole e guarde para ter provas que deu ciência a direção de seu descontentamento.

    Presto serviço de consultoria para esse tipo de caso ,se precisar entre em contato sonia@centrodestudos.com.br

    Se contratar meus serviços precisarei de mais detalhes do caso para elaborar o documento.

    Se vc tiver laudo médico sobre a visão de seu filho informe no documento e anexe-o ok?

    Se ficar configurado que é um caso de necessidades especiais em função da visão daí vc pode solicitar uma assistência mais pormenorizada.

    abraços

  107. Sônia R. Aranha comenta:

    março 18, 2015 @ 0:31

    Tel, o que diz a fono? Nesta fase a criança com comprometimento de fala em função de transcrição fonética pode apresentar um problema na compreensão da escrita.

    Acho que é salutar um diagnóstico mais aprofundado porque ele pode ter algum outro tipo de comprometimento mesmo que seja leve pode dificultar a aprendizagem. Seria interessante para descartar as dúvidas.

    Acho que a fono precisa dar uma orientação para a escola a respeito do trabalho que ela está desenvolvendo, quais dificuldades e qual é o horizonte de possibilidades que ela vislumbra, ajudaria a escola a compreender melhor o modo como o seu filho aprende.

    Em geral a criança com 6 anos já está alfabética e já superou a fase da garatucha. Isto é, a criança com 6 anos sabe o significado de letra, reconhece, usa , conhece o significado de sílaba , junta as letras para formar sílabas mesmo que de forma ainda incipiente… por isso é importante ter um diagnóstico de outros profissionais e um laudo da fono.

    Se no diagnóstico houver alguma coisa você entra com pedido de inclusão para as necessidades especiais dele e a escola terá que adequar o ensino as necessidades do seu filho.

    Não pode haver reprovação no 1o ano segundo a Resolução CNB/CNE n.07/2010, artigo 30 e se vc for de São Paulo há um Parecer a este respeito também.

    De modo que é melhor verificar isso agora no início do ano e poder junto com a escola encontrar caminhos mais promissores de ensino/aprendizagem ok?

    Abraços

  108. isis gomes comenta:

    março 19, 2015 @ 19:13

    Olá Sonia,
    Obrigada pela orientação, só vi hoje cedo sua resposta e eu já havia ido até a escola dia 16 /03 /15.
    Conversei com a professora juntamente com a diretora. E ambas quiseram dizer que a atitude dela foi normal e não tinha nenhum tom de agressão. Eu fiquei indignada e disse que meu filho é criado num habitante muito tranquilo e com muito respeito e ele estava assustado com a atitude dela. Disse também que se houver mais uma reclamação do meu filho tomarei outra atitude por que ela é uma profissional e não sou eu que tenho que ensinar ela a tratar crianças de 6,7 anos.
    Espero que isso acabe por aqui, mas caso não acontecer vou entrar em contato contigo. Muito obrigada novamente adorei seu blog.
    Abraços

  109. Vênus Kassimatis comenta:

    março 20, 2015 @ 11:24

    Olá Sônia!
    Descobri seu blog hoje, procurando uma pauta para reunião coma Coordenadora do colégio da minha filha, que iniciou o 1o ano do Ensino Fundamental I, aos seis anos de idade.Ela fez dois anos da Ed. Infantil ,iniciando aos 4 anos, tb em uma escola particular aqui de São Gonçalo RJ, mas troquei nesse ano, pois não atendia mais às minhas expectativas.Pois bem, as aulas iniciaram após o carnaval, e há dois dias quando fui conversar com a professora sobre o desempenho dela na primeira avaliação progressiva, a mesma me disse que ela apresenta muita dificuldade, não sabe escrever o nome completo sozinha(apenas o primeiro), não reconhece todas as letras minúsculas e maiúsculas , não reconhece o som de todas as letras,não sabe escrever nem ordenar os números de 1 a 30,e isso tudo foi conteúdo dessa primeira avaliação.Por fim ela , a professora, sugeriu que eu a colocasse num reforço(aula particular),pois corria o risco de não acompanhar a turma, tirar nota baixa e ser reprovada…Achei muito prematuro, em um mê de aula cobrar tudo isso de uma cça de 6 anos, a professora não ajuda na prova em nada, desde essa primeira avaliação.Minha filha sabe copiar bem do quadro, mas não reconhece ainda todas as letras, não junta as sílabas e não fo preparada nas séries anteriores para fonetizar, portanto eu já sabia que nesta escola teria dificuldades, mas creio que é o esperado para a serie, afinal a missão deles é alfabetizar minha filha que adianto, não tem nenhum transtorno de aprendizado ou qqer outra deficiência.
    Não achei correto por parte da professora, e hoje estou indo a uma reunião com a Coordenação pra esclarecer essa situação, já que em nenhum momento minha filha teve de fazer teste para admissão, então entendo que seja função da escola lidar com esse tipo de dificuldade, inclusive creio que seja o esperado para a série.Estou muito chateada, pois escolhi com carinho a escola, visitei antes, conversei com a diretora Pedagógica, e agora minha filha só fala que não sabe nada, que não consegue aprender, e não tem estímulo para ir á escola ou na hora de realizar as tarefas de casa…Muito triste.
    Gostaria que me desse alguma orientação neste sentido, o que coloquei aqui é o argumento que usarei hoje na reunião.Muito agradecida desde já!

  110. Sônia R. Aranha comenta:

    março 23, 2015 @ 19:44

    Vênus, deve estar chateada mesmo porque com apenas 30 dias de dias letivos não é possível avaliar desta forma um aluno, significa que a professora tem uma expectativa que a criança chegue pronta e há um processo de ensino/aprendizagem a ser realizado durante 200 dias letivos.

    1) O Conselho Nacional de Educação recomenda que não deve ocorrer reprovação nos três primeiros anos do ensino fundamental. E o Conselho Estadual de São Paulo também concorda com isso. De modo que há uma Resolução e um Parecer para fundamentar a recusa de uma possível reprovação.

    2) Você já pode escrever um documento com este argumento alertando a escola que você não aceitará uma reprovação no 1o ano do ensino fundamental.

    3) Outra questão a ser discutida é que o 1o ano do ensino fundamental de 9 anos não se equivale a 1a série do ensino fundamental de 8 anos.. Escrevi a respeito http://www.soniaranha.com.br/a-antiga-1a-serie-e-o-atual-1ano-do-ensino-fundamental-de-9-anos/

    4)Uma criança de 6 anos de idade em Março só tem noções de letras, sílabas.. ainda não pode saber ou dominar o alfabeto , as sílabas e etc…

    5) Sua filha é absolutamente normal e a escola está fora da realidade pedagógica.

    Todas as reuniões com professora e com coordenação faça por escrito , protocole uma via e guarde para que tenha provas caso precise no final do ano.

    Há recurso a ser feito contra resultado de avaliação final garantidos pela lei federal n.8069/90 artigo 53, inciso III que garante o direito de crianças contestarem critérios avaliativos em instâncias superiores, ok?

    abraços

  111. Sônia R. Aranha comenta:

    março 23, 2015 @ 20:05

    Isis! Faço votos que tudo se estabilize.
    abraços e precisando estou aqui.

  112. Vênus Kassimatis comenta:

    março 24, 2015 @ 16:55

    Sônia, muito obrigada pela resposta! É importante para mim essa troca de idéias, para que eu não me sinta um ET, para que eu tenha certeza de que não estou fora da realidade, mas a escola sim.
    Estive conversando coma Coordenadora do segmento, não foi 100% do que eu queria ouvir, mas foi um bom começo. Como a professora é nova na série (mas já está há 10 na escola, no 5o ano do mesmo segmento) e a Coordenadora tb nova na função, e ambas amigas, noto um certo acordo das duas que foge ao conhecimento da Direção.Mas amanhã estarei conversando com a Diretora pedagógica e a Diretora Geral,para esclarecer tudo e fazer valer o que foi dito na ocasião da matrícula e também na reunião de pais inaugural: deve existir um esforço em comum na direção da proposta pedagógica que me foi apresentada.Simples assim.
    Suas orientações são de grande importância para mim, desse modo eles saberão que não estou desinformada sobre o assunto.
    Muito grata,
    Vênus

  113. Sônia R. Aranha comenta:

    março 25, 2015 @ 18:29

    Obrigada!

  114. Sueli Luiza R. Santos comenta:

    setembro 30, 2015 @ 16:09

    Boa Tarde, Sonia.

    Meu filho tem 7 anos e está no 1o ano do ensino fundamental, ele ainda não está alfabetizado, está com muitas dificuldades para aprender, fiz uma avaliação neuropsicológica dele que identificou que ele está com média inferior de aprendizado, atenção e QI para a idade dele. Conversando com profissionais de uma outra escola que não é a que ele estuda, instruíram que talvez fosse ideal não promovê-lo para o 2o ano, visto que ele não conseguirá acompanhar a turma. Em análise eu concordo, pois ele já não está conseguindo e anda muito frustrado, já foi motivo de chacota em sua sala por ter tirado notas baixas nas provas. Eu sei que o 2o ano pra ele será muito pior. Existe a possibilidade de eu conseguir algum documento que eu possa usar para retê-lo na primeira série.
    Entendo que ele não está maduro suficiente para ir para o 2o ano e talvez este retrocesso no ínicio será mais benéfico do que deixar ele sofrendo e aumentando as dificuldades ano após ano.

    Obrigada.
    Sueli

  115. Sônia R. Aranha comenta:

    outubro 1, 2015 @ 19:14

    Sueli, você pode solicitar em documento a reprovação dele para a direção da escola, porém não há como fundamentar em nenhum ato normativo ou lei este seu pedido. A legislação é regida pelo espírito da promoção.

    Eu recomendaria ao contrário… eu recomendaria que você solicitasse para a direção da escola que colocasse o seu filho em um programa de inclusão em função do diagnóstico do neuropsicólogo , e fizesse, portanto, para um Programa de Desenvolvimento Individual exclusivo para ele, visando que o seu ensino seja diferenciado dos demais já que ele aprende de forma diferente.

    Isso sim tem respaldo legal.

    Reprovar é repetir tudo novamente .. isto é .. a maneira de ensinar, os conteúdos. o que não ajudará na promoção do desempenho do seu filho. Ele precisa de um trabalho específico para atender as necessidades dele, o que é garantido por lei.

    Eu presto serviço de elaborar documento de defesa do aluno, mas cobro honorários. Caso precise entre em contato saranha@mpcnet.com.br


    AJUDE A MANTER ESTE BLOG PARA QUE ELE POSSA AJUDAR VOCÊ – faça uma doação, clique no botão abaixo. Saiba mais sobre as motivações aqui

    depósito no Banco Itaú – 341-ag.0546- c/c 69960-4-Centro de Estudos Prospectivos de Educação e Cultura-CNPJ 03.579.977/0001-01


  116. Paula comenta:

    outubro 16, 2015 @ 17:09

    Boa tarde!! Meu filho tem 7 anos e estuda em escola particular desde 1 ano, nesse 1 ano ele começou fraco pois pulou a 2 fase e já foi p 1 ano, sempre esteve atrás dos outros alunos que sempre estudaram na mesma escola, foi aprovado para o 2 ano e contínuo imaturo perto de seus colegas, pois ele mais novo da sala. Agora em outubro a escola me chamou que eu aceite reprovar ele por imaturidade, pois nota ele e ainda tem como ele estudar e fechar nas matérias. O que eu percebo como ele não tem maturidade com os colegas, a professora largou ele para trás, o duro que em casa ele sabe e faz tudo que é proposto, claro que com preguiça. Gostaria que ajudasse com o que fazer estou nervosa, sabendo tem a capacidade, só não a maturidade, para mostrar que ele sabe. Obrigado

  117. Sônia R. Aranha comenta:

    outubro 17, 2015 @ 2:35

    Olá Paula, se ele tem nota ele deve ser aprovado e pronto.

    O que diz o Regimento Escolar? Provavelmente apresenta o critério de aprovação que é por nota e não amadurecimento.

    Papo furado da escola e está completamente contra a lei.

    Se ele é imaturo não deveria atingir os objetivos propostos e ficaria com as notas abaixo da média, daí sim poderia a escola dizer que seria reprovado (mesmo assim dá para contestar) mas se ele tem média em tudo não pode reprovar , nem que o Papa queira, ok?

    Se ele tem nota ele tem que ser aprovado. Azar da escola que não entende o significado de avaliação.

    Sem essa de reprovar .

    Não aceite.

    E além de tudo é muito cedo para dizer que já é para reprovar. Ainda tem muitos dias letivos e por lei a escola termina nos 200 dias letivos.

    Eu presto serviço de elaborar defesa do aluno, mas cobro honorários para isso. Caso precise, entre em contato: sonia@centrodestudos.com.br

    abraços

  118. Paula comenta:

    outubro 19, 2015 @ 17:30

    Oi Sônia muito obrigado pela ajuda, estava angustiada, se eles insistiriam na reprovação precisare sim de sua ajuda. Muito obrigado desde já.

  119. Sônia R. Aranha comenta:

    outubro 19, 2015 @ 17:33

    Olá Paula,
    Precisando contratar meus serviços em defesa do aluno entre em contato sonia@centrodestudos.com.br
    Abraços

  120. Aldeniza comenta:

    outubro 29, 2015 @ 0:31

    Um aluno que cursa o 3ºano fundamental que ainda não conseguiu nem aprender o alfabeto tem que ser aprovado?

  121. Sônia R. Aranha comenta:

    outubro 29, 2015 @ 20:51

    Aldeniza, lhe devolvo a pergunta? Qual a razão de uma aluno de um 3o ano não atingir os objetivos de aprender o alfabeto? Se isso ocorreu é porque tem algum problema com a criança e que deve ser investigado e deve ser feito um trabalho pedagógico específico porque provavelmente é um caso de inclusão.

    Reprovar resolve? Ou resolve fazer um bom trabalho pedagógico?

    O que é reprovar ? Ver tudo novamente do mesmo jeito vai resolver?

    Então, é preciso estudar e verificar o que é necessário para o aluno avançar.

    abraços

  122. Lucas Santana comenta:

    novembro 10, 2015 @ 19:06

    Olá , eu fui retido 3 vezes , a Escola meu deu uma oportunidade de uma reclassificação , conseguiu a passar e esto no 7° com com 15 anos , minha irmã esses dias me falou que a Escola pode me passar de ano mesmo ce eu for retido pela a nota , isso e verdade ? Existe alguma lei que aprova isso ?

  123. Sônia R. Aranha comenta:

    novembro 10, 2015 @ 20:35

    Lucas, não confie nesta informação, melhor é estudar, ok?

    abraços

  124. Mércia comenta:

    novembro 27, 2015 @ 11:48

    Bom dia.
    Sou professora do 2º ano do fundamental (escola tradicional)
    e, no início do ano, chegou para mim uma estudante (7 anos) que era copista de letra bastão, caixa alta.
    Os pais me disseram que era culpa da escola do Estado que não ensinava nada e ainda houve greves. Comecei um trabalho com pontilhados, caligrafia entre outros para trabalhar a coordenação motora e exercícios de memorização das vogais, letras e alfabeto silábico. Ao mesmo tempo chegou para mim um menino nas mesmas condições e realizei os mesmos trabalhos. No final de junho, o menino já começou a ler e escrever com letra cursiva, e na matemática, começou a acompanhar a turma, mas a estudante em questão não consegue realizar nenhuma atividade se eu não deixá-la na primeira carteira e ajudar em tudo, pois não tem iniciativa de tentar descobrir como realizar os exercícios.
    Estamos no final do ano e ela só lê se eu apontar, com o dedo indicador, as sílabas das letras e com relação à matemática, apesar de eu elaborar várias contas de adição (primeiro com desenhos, por exemplo, duas laranjas + duas laranjas) e depois passar para números, ela também só realiza os exercícios se eu ficar ao seu lado orientando como fazer. Caso contrário, esta estudante fica parada, mordendo a ponta do lápis e seu olhar fica disperso na carteira de seus colegas. Não sabe o que fazer; como fazer.
    Conversei com a mãe e pedi para levá-la a um pediatra, neuro pediatra, psicopedagoga ou psicóloga e comentar a situação, pois acredito que ela possua algum déficit de atenção, mas a mãe acha que ela está dentro da normalidade e não gostou do meu comentário. Com exceção de duas alunas que são mais lentas, a maioria da turma já escreve até 500 e sabem ler e resolver problemas com as quatro operações. Mas, esta aluna só escreve até trinta (o número somente, o nome do número não), mesmo assim comete erros e não sabe escrever e nem ler. Conversei com a coordenadora que cobrou da mãe uma avaliação médica, pois ela será aprovada porque trabalhei com conteúdos diferenciados e a coordenadora disse para a mãe, também, que se não trouxer um relatório médico ela terá os mesmos conteúdos dos demais e irá ser retida no final do ano devido suas condições. Estou chateada e preocupada, pois a auto-estima desta criança ficará baixa se ela for para o terceiro ano sem condições. Além do relatado, a criança esquece com facilidade a aprendizagem, impedindo seu avanço.
    No próximo ano, talvez eu mesma fique com esta turma e o que fazer com esta aluna?

  125. Sônia R. Aranha comenta:

    novembro 29, 2015 @ 16:18

    Mércia,

    1) Não é recomendado pela Resolução CNE/CBE n.07/2010 reprovar no 2o ano do ensino fundamental, artigo 30.

    2) O que você pode fazer :

    2.1) Escrever relatório preciso incluindo a porcentagem da classe que atingiu os objetivos propostos em relação a esta aluna, apresentando as dificuldades com exemplos e indicando uma reprovação de acordo com o Regimento Escolar e em desacordo com a Resolução CNE/CBE n.07/2010. Relate que indicou aos pais uma avaliação em profissionais da área da educação e saúde visando saber com maior precisão o que a aluna precisa para avançar em seu processo de aprendizagem.

    2.13) Passe para a coordenação e direção que você deseja que o Conselho de Classe se reúna para discutir o caso da aluna.

    2.3) O Conselho de Classe pode aprovar a aluna (você não, mas o CC pode)mas com uma condição dos pais levarem a aluna para profissionais visando adquirir um diagnóstico. Isso para entrega de diagnóstico em final de fevereiro de 2016.

    Provavelmente aparecerá algo e daí a escola faz a inclusão da aluna com um Plano de Desenvolvimento Individual (PDI) visando adequar o programa do 3o ano do ensino fundamental para as necessidades desta aluna.

    Confirmado o D.A. a escola é obrigada a providenciar uma avaliação assistida, pelo menos um estagiário para auxiliar a aluna principalmente no começo. Isso faz parte da lei federal n.13.146/2015.

    Então, é isso , você pode reprovar desde que o Conselho de Classe aprove (porque daí a decisão é coletiva da aprovação.) Você não pode aprová-la ferindo o Regimento porque certamente ela não tem média para ser aprovada.

    Mas o Conselho é soberano e pode decidir pela aprovação e amarrando com os pais o encaminhamento para médico e psicopedagogo para uma avaliação.

    Leia abaixo, ok? Abraços

    http://www.soniaranha.com.br/plano-de-desenvolvimento-individual-pdi/


    http://www.soniaranha.com.br/deficiente-intelectual/


    AJUDE A MANTER ESTE BLOG PARA QUE ELE POSSA AJUDAR VOCÊ – faça uma doação, clique no botão abaixo. Saiba mais sobre as motivações aqui

    depósito no Banco Itaú – 341-ag.0546- c/c 69960-4-Centro de Estudos Prospectivos de Educação e Cultura-CNPJ 03.579.977/0001-01


  126. Laura Maria comenta:

    dezembro 19, 2015 @ 23:46

    Olá boa noite, gostaria de uma ajuda meu filho foi retido pela segunda vez, ele está na terceira série do ensino fundamental , queria saber o que posso fazer para ele não ser retido pela segunda vez , pois meu filho esta desmotivado não querendo estudar mais , pois ele disse que é burro e não aprende porém ele tem problemas com atenção e é mais difícil no caso dele , ele ler e consegue fazer contas , porém ele não fazia as atividades na sala de aula , por isso acho que eles reteram ele !

  127. Tem escolas que ainda estão retendo alunos do primeiro ao quinto ano.Como isso é possível?l comenta:

    dezembro 29, 2015 @ 14:03

    Ocorreu com minha neta, que foi retida no quarto ano em 2015. preciso de um parecer por favor

  128. Célia Regina comenta:

    janeiro 4, 2016 @ 5:33

    Meu filho foi reprovado em 2015 no 3º ano do ensino fundamental, segundo a escola ele não tem condições de prossegui por não saber lê. A escola pode reprovar-lo? A escola fica no estado de Alagoas.
    um abraço!!
    Célia

  129. Sônia R. Aranha comenta:

    janeiro 9, 2016 @ 2:37

    Laura Maria … peço desculpas pela demora.. final de ano.. festas.. enfim

    1) Se você não é do Estado de São Paulo ou de Santa Catarina , não tem prazo para recorrer então poderá fazer isso agora em janeiro.

    2) Não se pode reprovar no 3o ano do ensino fundamental em função da Resolução CNE/CBE n.07/2010 e do Parecer CEE-SP n.285/2014 .

    3) Quanto mais duas vezes !

    4) Faça o Pedido de Reconsideração para a direção da escola anotando esta legislação e pedindo a aprovação dele.

    5) Se for indeferido você deve buscar apoio junto ao Ministério Público do seu Estado alegando que seu filho foi reprovado no mesmo ano duas vezes de forma a descumprir um ato normativo Resolução CNE/CBE n.07/2010 que é superior ao Regimento Escolar e que no seu Estado não há para quem endereçar o recurso pois não possuem no ato normativo que discipline o recurso, por isso você está pedindo a intervenção do Ministério público porque seu filho é um caso de inclusão não assistida,ok?

    abraços

  130. Sônia R. Aranha comenta:

    janeiro 9, 2016 @ 3:57

    Tem escolas …

    A escola pode reprovar alunos no 4o e 5o anos , não pode nos três primeiros anos do Ensino Fundamental segundo a Resolução CEE-SP n.07/2010.

    abraços

  131. Sônia R. Aranha comenta:

    janeiro 9, 2016 @ 4:14

    Célia Regina..

    1) Faça um pedido de reconsideração endereçado para a diretora da escola.

    2) Se for indeferido recorrer ao Conselho Estadual de Educação se não lhe derem uma devolutiva ou demorarem muito acione o Ministério público do Estado de Alagoas alegando que a lei federal n8069/90 artigo 53, inciso III diz que o aluno pode contestar critérios avaliativos em instâncias escolares superiores, mas você não está encontrando respaldo para fazer isso junto a Secretaria de Educação e que também a escola descumpriu determinação do Conselho Nacional de Educação que por intermédio da Resolução CNE/CEB n.07/2010 que diz para não reprovar alunos dos três primeiros anos do ensino fundamental.

    ok?

    Eu presto serviço de elaborar o documento de defesa, mas cobro honorários, caso precise entre em contato: saranha@mpcnet.com.br

    abraços

  132. Fabiane comenta:

    janeiro 12, 2016 @ 19:17

    Boa tarde prof Sônia
    Gostaria de saber se minha filha pode ser reprovada na segunda série do ensino fundamental, na escola dela o mínimo pra poder passar e 70 por cento. A escola ta alegando que ela está com dificuldade de leitura. O que devo fazer minha filha não está mais querendo estudar. Por favor me ajude.

  133. Sônia R. Aranha comenta:

    janeiro 18, 2016 @ 4:52

    Fabiane, a Resolução CNE/CBE n.07/2010 diz que não é para reprovar nos três primeiros anos do ensino fundamental, e ainda há um Parecer do Conselho Estadual de Educação do EStado de São Paulo Parecer CEE-SP n.258/2014 que diz o mesmo.

    Então recorra, ok?

    abraços

  134. CRISTIANE FONSECA comenta:

    fevereiro 14, 2016 @ 16:46

    OLA GOSTARIA DE SABER O MEU FILHO FOI REPROVADO EM DUAS MATÉRIAS UMA DELAS SENDO ARTE E A OUTRA MATEMÁTICA ELE ESTA NO ENSINO FUNDAMENTAL NO QUARTO ANO ELE PODE SER REPROVADO OU NÃO.

  135. Julio comenta:

    fevereiro 16, 2016 @ 13:54

    E com relação a escola:

    1. O Pai quer que o Filho continue na série (1º ano), pois considera que o mesmo não teve o aproveitamento que deveria. Qual procedimento a escola deve tomar?

    2. O aluno foi retido, pois a escola achou que o mesmo não teve rendimento necessário. O que pode acontecer com a escola? Existe algum tipo de punição? Se existir, a escola será punida mesmo o pai da criança ter consentido com a retenção?

  136. Solange comenta:

    março 2, 2016 @ 22:44

    Boa noite! Estou precisando de uma orientação, comecei a trabalhar numa escola do campo e me deparei com uma situação de uma criança que está enterando 4 anos que ela está no terceiro ano. Estive conversando com a mãe, ela falou que faz acompanhamento da filha com o neurologista e o médico já deu um laudo falando que a criança é cid F70, porém, falaram com a mãe que esse laudo não ampara a filha a passar de ano. Gostaria de saber si tem alguma lei que ampara esta cirança a passar de ano? Pois pretendo lutar pelo direito dessa criança mas dentro da lei em cima de um amparo.
    A criança já lê, mas, não tem muita fluência na leitura e não consegue interpretar.

  137. Sônia R. Aranha comenta:

    março 9, 2016 @ 3:30

    Solange, sim , o laudo ampara a sim…

    Lei federal n.13.146/2015, artigo 28.
    O que é necessário fazer para ela é um PDI – Plano de Desenvolvimento Individual. Leia aqui http://www.soniaranha.com.br/plano-de-desenvolvimento-individual-pdi/

    1) Entre com um Recurso junto da escola solicitando a reclassificação da aluna em função da defasagem idade x série e da laudo médico , baseando-se na lei federal n.13.146/2015 , artigo 28.

    2) Reclassificando ela já poderia neste ano de 2016 cursar série mais adiantada e fazendo um PDI para ela ela segue com um conteúdo diferenciado.

    3) O que não pode é ficar reprovando a criança sem uma assistência a sua necessidade especial.

    Leia um caso que atuei para servir de exemplo: http://www.soniaranha.com.br/projeto-de-educacao-de-necessidades-especiais-um-caso/

    abraços

  138. Mishelly comenta:

    março 29, 2016 @ 14:07

    Bom dia professora, minha filha faz aniversário no mês de julho, ela fez 7 ano passado, estava fazendo o primeiro ano em uma escola particular é bem conceituada aqui de BH. Mas a sala tinha 30 alunos, tive reuniões com a professora e coordenadora que me disseram que ela estava com dificuldades. Eles não podiam reter ela, decidi mudar de escola. Passei pra uma escola particular e menor, na sala tem 16 alunos, ela está no segundo ano, não sabe ler continuo, não consegue responder e escrever o que se pede por não saber ler, reconhece alguns números, porém, é muito boa em ditado é a professora disse que ela é a única da sala que quando sabe o que se pede consegue responder de primeira, ela é muito esforçada, estamos estudando com ela desde as férias, tem uma professora particular. Mas a escola acha que devo voltar ela, ainda agora, para o primeiro ano. Meu medo é que ela pare de ter interesse, pois verá a matéria novamente. Não sei o que fazer. Meu marido é contra voltar ela. Ele acredita que ela conseguirá ler até julho. Mas e se ela não conseguir. Essa situação que ela está passando agora é normal. Estou desesperada. Me ajude por favor, é se alguém já passou por essa situação e puder me ajudar também. Meu e-mail mishellypc@uol.com.br Obrigada pela atenção professora.

  139. Sônia R. Aranha comenta:

    abril 3, 2016 @ 5:23

    Mishelly, não pode voltar aluno para série anterior porque não há amparo legal.

    A escola não pode fazer isso…

    Entre em contato com a Secretaria de Educação do Estado de Minas Gerais e pergunte se pode voltar a criança? Dirão que não pode.

    A escola tem que fazer um trabalho pedagógico com a sua filha específico.

    Também não pode reprovar no 1o ano e no 2o ano segundo a Resolução CNE/CBE n.07/2010.

    Então, você terá que fazer um documento para a direção da escola dizendo que não está de acordo com a retrocesso porque não há amparo legal e também não aceitará reprovação neste 2o ano porque a Resolução não permite.

    Recomendo que você submeta a sua filha a uma avaliação psicopedagógica para verificar se há algum tipo de problema com relação a aprendizagem.. se houve leve o laudo e peça a inclusão.. As crianças com necessidades especiais, sejam quais forem (dislexia, discalculia, déficit de atenção, distúrbio do processamento auditivo, etc..) precisam ser assistidas e não podem ser reprovadas se a escola nada fez, ok?

    Eu presto serviço de escrever a defesa da aluna, mas cobro honorários. Caso precise entre em contato: saranha@mpcnet.com.br

    abraços

  140. Sônia R. Aranha comenta:

    abril 5, 2016 @ 19:32

    Cristiane Fonseca,sim ele pode ser reprovado, mas depende do Regimento Escolar .. lei o Regimento da escola.

    abraços

  141. Sônia R. Aranha comenta:

    abril 5, 2016 @ 19:40

    Julio, desculpa ter demorado para lhe responder .. muitos pedidos sem condição de atender a todos…

    1) Se no Regimento da Escolar constar que não há reprovação no 1o ano .. não é possível retê-lo.. se no Regimento nada consta tente.. isso se não for do Estado de São Paulo.

    2) Novamente…. se for do Estado de São Paulo não reprove porque há Parecer contrário e a Diretoria de Ensino sabendo já que há o GDAE vai fazer a criança seguir …

    Se for de outro Estado e nada constar no Regimento Escolar faça mas se um supervisor souber poderá exigir que a escola promova a criança.

    Muito cuidado com isso.. o pai é leigo e pode querer tudo , mas a escola deve sempre estar dentro da legalidade.

    abraços

  142. Dorival Rodrigues comenta:

    julho 5, 2016 @ 12:42

    Saudações!
    Uma criança que nunca foi a escola tem 10 anos de idade em que série deve ser matriculada? caso a escola matricule no 2º ano e registrar em ata a situação, estará cometendo erro? em qual resolução a escola deve se basear?

  143. Sônia R. Aranha comenta:

    julho 5, 2016 @ 14:13

    Dorival, no meu entendimento este procedimento não é possível fazer .. não há amparo legal.

    Eu não faria , exceto se a sua supervisora recomendar com orientação precisa e por escrito, porque se der problema no futuro você escola não é responsável e sim a Secretaria de Educação ,ok?

    abraços

  144. Joelma Silva comenta:

    novembro 10, 2016 @ 4:31

    Boa noite, como vi algumas duvidas a respeito de aprovar ou não aprovar alunos do 3º ano do ensino fundamental, gostaria de mais uma vez vc possa tirar uma dúvida.
    Sou professora em uma escola municipal com duas turmas do 3º ano. A turma matutina tenho 20 alunos tendo 3 alunos na face inicial de alfabetização, sendo 2 alunos começando a ler palavras com duas silabas e ainda letra por letra e 1 nem conhece as vogais. Em matemática os 3 precisam de material concreto para realizar as operações e mesmo assim não obtém sucesso, levo sempre novidades para dinamizar a aula mais nada.
    Na turma vespertina tenho 4 alunos que só 2 consegui fazer o seu nome através de ficha e a mesma dificuldade relatada acima e não demonstra nenhuma vontade em aprender, dou reforço desde a I unidade, mas não vi nenhum avanço para avançar para um 4º ano.
    Então a minha dúvida é já que o aluno passou desde a I unidade até a IV tendo um conceito de NA (não alcançou) é o que a escola adotou (NA “não alcançou”, A “alcançou”, AP “alcançou parcialmente”)este aluno não pode ficar retido no 3º ano?

  145. Sônia R. Aranha comenta:

    novembro 10, 2016 @ 5:16

    Joelma,

    A Resolução CNE/CBE n.07/2010 em seu artigo 30,inciso III, parágrafo 1o diz:

    § 1º Mesmo quando o sistema de ensino ou a escola, no uso de sua autonomia, fizerem opção pelo regime seriado, será necessário considerar os três anos iniciais do Ensino Fundamental como um bloco pedagógico ou um ciclo sequencial não passível de interrupção, voltado para ampliar a todos os alunos as oportunidades de sistematização e aprofundamento das aprendizagens básicas, imprescindíveis para o prosseguimento dos estudos.”

    O Parecer CEE-SP n.285/2014 diz:

    “Portanto, não é admitida a retenção do aluno, por falta de aproveitamento, nos três anos iniciais do Ensino Fundamental. A proposta de um plano individualizado de ensino necessariamente deverá ser feita para atender às necessidades especiais do estudante em questão, de forma a apoiá-lo no ano seguinte, sem afastá-lo da sua turma e dos colegas com quem iniciou o Curso.”

    De modo que tudo indica para não haver reprovação nesses três anos que deveriam ser na verdade um único ciclo.

    Agora depende do que diz o Regimento Escolar de sua unidade. O que diz o RE sobre reprovação?

    Se diz que não pode reprovar, não pode.

    Se diz que pode, pode.

    O RE é o que rege a comunidade escolar . De modo que se o Regimento de sua escola prevê a reprovação no 3o ano do ensino fundamental, basta fazer um relatório detalhado dos conceitos que foram aprendidos e aqueles que ainda não foram e o motivo.

    Não dá para fundamentar que o aluno não tem vontade. Se não tem vontade qual o motivo? Está doente? Tem algum indício que possa ter déficit de atenção? Tem problemas familiares? Nenhuma criança não tem motivo à toa. .. deve haver um , então , justificar por intermédio de relatório.

    Mas digamos que no RE conste a não reprovação , daí você pode fazer o relatório e solicitar consulta para o órgão supervisor de sua escola que é municipal então deve ser uma coordenação na Secretaria ou um Conselho Municipal.

    Se fosse um aluno de escola pública da rede do Estado de São Paulo, faria uma consulta para o Conselho Estadual de Educação para permitir a reprovação.

    Estou entendendo que o 3o ano é uma antiga 2a série , portanto, o aluno já deve estar lendo e escrevendo com 8 anos.. se isso não ocorre deve ser investigado porque pode ser indício de algum déficit orgânico como DPAC, DA, TDAH, H, surdez parcial dentre outros.

    ok?

    abraços

  146. Joelma Silva comenta:

    novembro 19, 2016 @ 14:17

    Obrigada Sônia R. Aranha pelo esclarecimento, vou mostrar para a direção da escola e juntos vamos resolver com certeza essa situação o que eu não quero é ser injusta com os alunos. e também aprovar e vê que o mesmo grau de dificuldades continua, não serei a professora da turma o ano que vem. Mas bom farei o melhor para não prejudicar, agradeço mais uma vez pelo esclarecimento vou analisar com muito carinho e responsabilidade.
    Bjs.

  147. mariane seixaz comenta:

    dezembro 2, 2016 @ 13:13

    bom dia !

    gostaria de saber se o aluno perdeu no 6º ano em 2015 em 2016 ele esta cursando o 7º ano e fazendo dependencia nas 2 disciplinas que ele perdeu no sexto que é matematica e portugues esse ano ele perde novamente o que fazer?

  148. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 2, 2016 @ 14:26

    Mariane,

    7o ano fazendo dependência de Matemática e Português.

    Ele passou nas disciplinas do 7o ano, mas reprovou nas dependências?

    continuar.. irá para o 8o ano e continuará com as dependências.. lembrando que se for transferir de escola só pode seguir para escola que também tenha dependência no ensino fundamental, caso contrário reprova.

    ok?

    abraços

  149. Samara Fernandes comenta:

    dezembro 3, 2016 @ 22:26

    Boa noite !
    meu filho está matriculado no 3º ano em uma escola montessoriana , pórem a turma é agrupada e são 3 séries juntas, 3º, 4º e 5º ano . Criança com QI elevado que se destaca na turma porém com a liberdade do método vem apresentando resistência para escrever . Essa semana fui informada que estão querendo reprová-lo.
    tenho algum amparo com essa lei?
    podem reprovar ele no 3º ano?
    grata !

  150. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 4, 2016 @ 15:42

    Samara, é possível recorrer de toda a reprovação porque é direito do aluno fazer isso: lei federal n.8069/90,artigo 53, inciso III.

    Além disso, o ato normativo do Conselho Nacional de Educação Resolução CNE/CBE n.07/2010 em seu artigo 30 diz para que não ocorrer reprovação nos três primeiros anos do ensino fundamental.http://blog.centrodestudos.com.br/resolucao-no-7-de-14-de-dezembro-de-2010/

    http://blog.centrodestudos.com.br/resolucao-cneceb-n-07-14122010-novas-diretrizes-curriculares-para-o-ensino-fundamental-de-9-anos/

    Então, agora é recorrer e discutir com a escola.

    O recurso se for no Estado de São Paulo ou em Santa Catarina tem ato normativo próprio que disciplina o processo. Porém nos demais Estados não o que dificulta bastante.

    Se o aluno tem QI elevado diagnosticado pode ser um caso de inclusão ou por ter altas habilidades (superdotação) ou fazer parte do síndrome de asperger… seria preciso investigar isso .. com diagnóstico o aluno terá que ser assistido em sua especificidade.

    Buscar saber melhor porque QI elevado sem querer escrever pode ser um Asperger .. muito bom em oralidade, ciências, mas não gosta de escrever e tem dificuldade nas relações sociais.. investigar mais afundo.

    ok?

    abraços

  151. nilceli comenta:

    dezembro 8, 2016 @ 22:16

    Boa noite, meu filho tem G.tem 7 anos, foi diagnosticado com Sindrome de Irlen há menos de 1 mês, foram uma série de profissionais, neuropediatra, especialistas, fono,psicologo e por fim descartaram todos os diagnósticos e confirmado o Irlen. Em agosto tive que muda-lo de escola pois sofreu com a professora despreparada e ate entao não tinhamos ideia do que estava acontecendo. Mudei ele de escola hoje está acolhido e com profissionais atentos a ele.
    Ele está no 1º ano reconhece as letras mas não lê . Muita coisa aconteceu este ano, eu e meu esposo já pensávamos em retê-lo no 1º ano, pois em janeiro chega o óculos com o filtro que o ajudará bastante. Esta semana escola nos chamou para uma reunião e também sugeriu retê-lo,alegando que ele não foi devidamente acompanhado na primeira escola e que a profª quer mante-lo pra dar o acompanhamento devido, assinamos um termo de responsabilidade.
    Mas quando fomos conversar com ele, ele recebeu super mal a noticia, embora confie muito na professora( ele é encantado por ela ) chorou muito e está bastante triste. Não sei como lidar com isso queria saber se realmente é o melhor caminho ele ficar retido.

  152. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 9, 2016 @ 2:03

    Nilceli.. não pode reprovar no 1o ano do ensino fundamental? Onde vocês moram?

    Para quê reprová-lo? A escola tem é que dar toda assistência para ele no próximo ano.. com PDI http://www.soniaranha.com.br/plano-de-desenvolvimento-individual-pdi/

    O 1o ano do ensino fundamental não é para sair lendo e escrevendo… é um introdutório.. diferente da 1a série antiga que recebi alunos com 7 e 8 anos.

    O 1o ano recebe aluno de 5 anos ou 6 anos.. é bem diferente…

    A Resolução CNE/CBE n.07/2010 , artigo 30 diz para não reprovar nos três primeiros anos http://blog.centrodestudos.com.br/resolucao-no-7-de-14-de-dezembro-de-2010/

    Se forem do Estado de São Paulo há um Parecer CEE-SP n.285/2014 que diz claramente que não deve ocorrer reprovação nos três primeiros anos do ensino fundamental. http://blog.centrodestudos.com.br/parecer-cee-sp-n-2852014/

    Então, se forem do Estado de São Paulo a Diretoria de Ensino não aceitará a reprovação.

    Se for de outro Estado também há restrições.

    Em São Paulo somente com mandado de segurança na Justiça para reter o aluno apresentando laudo de incapacidade da criança…

    Então, reprovar no 1o ano não pode. Seu filho tem toda a razão.

    Abraços

  153. Eliane leal comenta:

    dezembro 9, 2016 @ 3:11

    Adorei seus. blog. Esta de parabens.

  154. nilceli comenta:

    dezembro 9, 2016 @ 15:05

    Somos do do municipio da Serra -Espirito Santo

  155. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 10, 2016 @ 12:56

    Eliane, obrigada!!

  156. Kelly comenta:

    dezembro 12, 2016 @ 2:30

    Boa noite!!

    Esta resolução tem efeito somente para as escolas públicas? As escolas particulares podem reprovar no segundo ano do fundamental ?
    Obrigada.

  157. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 12, 2016 @ 20:13

    Kelly todo ato normativo federal é para todas as escolas pública e privadas,ok?

    abraços

  158. Elma comenta:

    dezembro 17, 2016 @ 2:35

    Olá, boa noite

    Meu filho tem 12 anos e cursa o 6° ano, a média do colégio que ele estuda é 6,0. Ele ficou de recuperação de matemática (média 4,9) e Língua Portuguesa (5,6). Ele foi diagnosticado com TDAH e desde o ano passado eu entreguei os relatórios na escola particular que ele estuda.
    Vale ressaltar que em todas as outras disciplinas ele conseguiu as médias acima de 7,0.
    A única coisa que a escola fez de diferente pra ele, foi elaborar as provas finais de cada unidade diferenciada.
    Caso ele fique retido, tem alguma atitude que eu possa tomar pra mudar isso?
    Moramos na Bahia.
    No aguardo,
    Elma Rodrigues.

  159. Sonia comenta:

    dezembro 19, 2016 @ 18:14

    Boa tarde gostaria que vc me tirasse uma duvida meu filho tem 7 anos ta no segundo ano e foi retido a professora disse que ele nao ta pronto pr passar mais quando ela me falou que ele tava com dificuldades ptocurei uma professora particular que disse que ele tinha algumas dificuldades mais que agora ele tem condissoes de acompanhar até me deu uma declaração mais a escola nao quer saber nao quer conversar fui até o nucleo tambem nao podem fazer nada só queria que eles fisessem uma prova com ele pr ver que ele se recupwrou mais disserao que nao podem ir contra as vontades da professora me ajude…obrigado

  160. Tio comenta:

    dezembro 20, 2016 @ 3:33

    Minha irmã informou que a filha dela foi reprovada, faltou 20 pontos, ela está na 3 série, no entanto acho que não é justo ela repetir, pois não teve reforço e não pediram nada durante o ano, minha irmã é humilde e eu gostaria de ir.falar com a escola, mas seguro que isso não deve acontecer e ver se ainda há tempo de reverter, pois tenho certeza que ela vai sofrer com bulling, ela.nao é uma aluna excepcional, mas vai todos os dias para escola, o pai e mãe dela tem pouca. Instrução, realmente gostaria de ajudar , favor me auxiliar, faço sociologia pelo.pouco que aprendi, isso não deveria ocorrer

  161. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 22, 2016 @ 1:14

    Olá Sônia, onde você mora?

    Se for no Estado de São Paulo pode interpor o Pedido de Reconsideração 10 dias corridos para fazer isso da ciência da reprovação

    Se for do Estado de Santa Catarina pode interpor o Pedido de Revisão – 2 dias úteis para fazer isso da ciência da reprovação

    Se for de outros Estados não tem prazo e tampouco ato normativo que discipline o recurso,mas pode usar a lei federal n.8069/90, artigo 53, inciso III que dá o direito do aluno contestar critérios avaliativos em instâncias escolares superiores e não havendo onde recorrer vá ao Ministério Público , área de educação

    A Resolução CNE/CBE n.07/2010, artigo 30, diz que os três primeiros anos não deve haver reprovação
    O Parecer CEE-SP n.285/2014 também diz o mesmo.

    Então, são com esses argumentos que é preciso fazer a defesa do seu filho,ok?

    Mas onde você mora?

    Aguardo

  162. Sônia R. Aranha comenta:

    dezembro 22, 2016 @ 5:19

    Tio onde vocês moram? Dependendo de onde moram é possível recorrer com mais facilidade.

    Se for no Estado de São Paulo há um processo de recurso regidos pelas Deliberações e há prazos para recorrer.

    Outros Estados exceto Santa Catarina não tem.

    Mas as escolas podem reprovar se o aluno não atingiu a pontuação que consta do Regimento da Escola.

    O 3o ano do ensino fundamental não deveria reprovar em função da Resolução CNE/CBE n.07/2010 artigo 30.

    Preciso saber onde moram para eu informar melhor…

  163. Sônia R. Aranha comenta:

    janeiro 2, 2017 @ 0:56

    Elma , pode recorrer , mas na Bahia não há ato normativo que discipline o processo de recurso o que dificulta bem.

    Procedimento:

    1) Pedido de Reconsideração endereçado ao diretor da escola
    2) Se o Pedido for indeferido elabore outro documento Recurso e encaminhe direto ao Ministério Público do Estado da Bahia por se tratar de uma aluno com necessidades especiais que não foi atendido, ok?

    abraços

  164. Júlia comenta:

    fevereiro 13, 2017 @ 15:59

    Olá boa tarde!

    Hje fui no colégio e me passaram a notícia q meu filho de 9 anos repetiu o terceiro ano do ensino fundamental por q ele não sabe ler.
    Porém ele lê sim. Devagar com suas pausas mais lê.
    Alguém poderia me ajudar? ??
    Isso está certo ou errado.
    Tem algum recurso q posso correr atrás?

  165. Sônia R. Aranha comenta:

    março 8, 2017 @ 18:11

    Júlia, infelizmente atendo tantas pessoas que somente hoje consegui chegar até você.

    Espero que tenha conseguido resolver a reprovação do seu filho.

    A Resolução CNE/CBE n.07/2010, em seu artigo 30 diz que não pode reprovar no 3o ano do Ensino Fundamental.

    Então, se você recorreu da reprovação usando esta Resolução é possível que tenha resolvido.

    Caso ainda precise entre em contato: sonia@centrodestudos.com.br

  166. JOSÉ comenta:

    setembro 28, 2017 @ 17:43

    eu se eu entender, juntamente com orientação da escola, que meu filho, ao invés de ser progredido, necessita ser retido mais um ano para melhor desenvolvimento psicológico, cognitivo, etc…com a legislação não permitindo?

  167. Sônia R. Aranha comenta:

    setembro 28, 2017 @ 19:37

    José, depende.. se for nas primeiras séries iniciais e você for do Estado de São Paulo não há nada a ser feito.

    A legislação é clara que é responsabilidade da escola atender o processo de aprendizagem do aluno. Não é o aluno que tem que se adaptar, mas a escola é que tem que entender quais são as necessidades pedagógicas do aluno e atendê-la. Mas se você for de outro Estado daí é mais fácil porque a fiscalização é menor.

    Mas se for de série finais do Ensino fundamental e Médio, daí se o aluno atingiu os objetivos não há como reverter.

  168. Thamara Santos comenta:

    outubro 27, 2017 @ 5:24

    Olá, tudo bem? Estou com uma dúvida em relação a retenção no 3° ano do ensino fundamental. A minha filha estava om certa dificuldade no 1 ° semestre , porém atestei um problema na visão da mesma, o que já foi resolvido, então depois que passou a usar óculos progrediu significativamente, entretanto ainda não lê com tanta facilidade (porem ja melhorou bastante) na ultima reuniao que fui semana passada a professora me disse que havia chances dela não passar de ano pq ainda não lê fluentemente. Eles podem rete-la? Ela estuda em escola publica em Belem do Pará.

  169. Sônia R. Aranha comenta:

    outubro 27, 2017 @ 16:58

    Thamara, hummmm olha o ato normativo Resolução CNE/CBE n.07/2010, artigo 30 dirá que não deve haver retenção nos três primeiros anos do ensino fundamental. Há , no entanto, uma controvérsia com relação ao 3o ano, mas dá para você contrapor a escola com este argumento.

    Outro fundamento que você poderá usar é que a sua filha tem necessidades especiais porque tem baixa visão razão pela qual foi prejudicada até conseguir resolver o problema, mas ela não pode ficar prejudicada por este problema físico lei federal n.13.146/2015, artigo 28.

    São dois argumentos que dá para discutir, mas … a direção da escola poderá não aceitar.

    Se a direção da escola não aceitar, você pode recorrer junto a Secretaria de Educação do Município …

    Eu presto serviço para defender o aluno nas escolas quando há possibilidade de reprovação arbitrária, isto é, fora da lei. Já fiz com êxito uma em uma cidade do Pará, mas cobro honorários. Caso precise, entre em contato: sonia@centrodestudos.com.br

    abraços

  170. Fernanda costa comenta:

    outubro 28, 2017 @ 23:55

    Olá! Boa noite professora, meu filho estuda no 1 ano do ensino fundamental e no segundo bimestre a professora sugeriu que ele repetisse de ano, pois não estava no mesmo ritmo da turma. Agora no 3 bimestre. Esta quase reprovado a coordenadora sugeriu novamente que ele repetisse. A escola é particular, não sei como agir como posso argumentar com a escola E correto indicar uma possivel reprovação ainda no segundo semestre? E o que me chamou a atenção foi que o boletim do 3 bimestre as médias dele foram desastrosas uma em especial ele teve media 4 .0 como foi que a professora chegou a uma média dessas!!!! Eu acompanho meu filho ele tem reforço , ele é bem inteligente , não entendi o porquê. A professora, já no segundo bimestre previu a reprovação do meu filho e não fez nada pra mudar esse quadro .

  171. Sônia R. Aranha comenta:

    outubro 29, 2017 @ 0:20

    Fernanda, não há reprovação no 1o ano do ensino fundamental segundo a Resolução CNE/CBE n.07/2010 , artigo 30.

    Este é o seu argumento.

    Você não diz onde mora, se for do Estado de São Paulo é bem fácil resolver isso. Outros Estados será mais difícil. Na Bahia consegui reverter uma reprovação no 2o ano.

    Mas tente.

    Eu presto serviço de elaborar a defesa do aluno, mas cobro honorários. Caso precise, entre em contato: sonia@centrodestudos.com.br

  172. Fernanda costa comenta:

    outubro 29, 2017 @ 11:32

    ola! tudo bem ? estou tendo problemas com a escola do meu filho , ele cursa o 1º do ensino fundamental de nove anos em uma escola particular, bom minha realidade e a seguinte .
    meu filho demorou bastante tempo para falar, mas eu levo ao fonoaudiólogo , informei a professora dele, pensei que ela iria ajuda-lo em seu desenvolvimento pois bem . no segundo bimestre o veio o aviso para receber o boletim, recebi por meio da direção da escola sem qualquer questionamento . sempre deixamos ele na escola meu esposo e eu, sempre vejo a professora pergunto como que meu filho estar, o desenvolvimento dele , a professora só falava do comportamento dele e que ele desenvolverá a o decorre do ano. passado alguns apos o segundo boletim a escola chamou por meio de um aviso para tratar de assuntos referentes aos nossos filhos no qual foi mencionado a respeito da formatura e nesta ocasião conversaram com meu esposo de una possível retenção do meu filho , motivo ele não esta acompanhando a turma, e agora no segundo boletim veio a confirmação que ele poderá ser retido alegram que ele não acompanhara a turma do 2º ano, minha indignação se da pelo fato de que a professora sabia da dificuldade dele em fala e consequentemente não entender bem o significados das palavras , com isso não acredito que ela tenha mudado a sua estrategia de ensino, mesmo que eu não enformei de forma oficial a escola da dificuldade do meu filho a professora faz o diagnostico da sala e com isso deveria enforma a direção e a direção por sua vês comunicar os pais , em nenhum momento fomo chamados de forma formal na escola pra trata desse assunto. alem da escola ele frequenta aulas de reforço das 13 as 17 horas e tem acompanhamento fonoaudiológico, e já passou pelo psicologo e neurologista pediatra que só detectou ansiedade esses especialistas incluído a professora do reforço pois ela e graduada em pedagogia enfim todos desem que ele esta desenvolvendo bem sim , ele sabe ler e escrever , mas não interpreta texto tem dificuldade na matemática e em língua estrangeira como pode ser avaliado assim se levei um parecer do fono informando a direção que ele esta em acompanhamento.como posso argumentar ?

  173. Sônia R. Aranha comenta:

    outubro 31, 2017 @ 6:34

    Fernanda Veja , o ato normativo do Conselho Nacional de Educação Resolução CNE/CBE n.07/2010 , em seu artigo 30 diz que não há retenção nos 3 primeiros anos
    do ensino fundamental.

    Aqui no Estado de São Paulo todas escolas sabem e praticam a não reprovação no 1o ano do ensino fundamental.

    Além disso, se o seu filho tem laudo de fonoaudióloga pode ser incluido no programa de inclusão, por ter uma necessidade educacional especial, mesmo que temporária.

    Não tem que aceitar a reprovação.

    Tem que brigar , mas não sei como é o comportamento da Secretaria ou do Conselho Estadual de Educação aí no Maranhão.

    Recomendo que faça um documento com os argumentos para a não retenção antes do final do ano.

    abraços

  174. lucia comenta:

    novembro 15, 2017 @ 0:54

    Boa noite, gostaria de saber se uma aluno com diagnóstico de Asperger pode ficar retido no 1º ano. Ele está na idade correta porém sua escrita é muito deficiente.

  175. Sônia R. Aranha comenta:

    novembro 16, 2017 @ 14:45

    Lucia, depende …

    1) Se a escola soube do atestado médico com antecedência;
    2) Se a escola mesmo sabendo não o incluiu em um programa de inclusão que deveria assisti-lo
    3) Daí sim é possível contestar esta reprovação.

    No Estado de São Paulo é mais fácil do que em outros Estado porque temos aqui ato normativo que disciplina o recurso.

    Em outros Estados não há , mas é possível tentar.

    Mas a condição para tentar reverter é a escola saber e não ter feito nada.

    O aluno com Asperger tem este problema de escrita, mas a avaliação pode ser feita oralmente. Há várias maneiras de avaliá-lo.

    O Asperger é um espectro do autismo e o autismo tem uma lei própria.

    Pode-se discutir esta reprovação sim.

    Eu presto serviço de elaborar a defesa do aluno no campo administrativo, isto é, junto a escola e junto aos órgãos competentes, mas cobro honorários. Tenho conseguido reverter 70% dos casos, mas cada caso é um caso e cada Estado também… Mas cobro honorários.

    Caso precise entre em contato:saranha@mpcnet.com.br

    Como o trabalho é documental, atendo o país todo por e-mail e telefone.. Tenho feito isso desde 2011.

    ok?

    abraços

Por favor, Deixe um comentário aqui !




  • Veja Também


    Meta