Arquivo de maio, 2013

23
mai

Escolas, informem os pais sobre o vírus H1N1

por Sônia R. Aranha às 16:23 em: Saúde

Em algumas cidades do Estado de São Paulo está havendo casos de gripe causada pelo vírus H1N1 com óbito. A situação preocupa o Ministério da Saúde porque os óbitos no Estado de São Paulo representam 90% da ocorrência em todo o país.

De modo que precisamos informar os pais das escolas como reconhecer alguns sintomas e o mais importante como  prevenir o contato com o vírus.

Sintomas:

Febre alta = acima de 38°C e início repentino
Dor de Cabeça = a intensidade é média
Secreção Nasal = intensa
Catarro = intenso
Manchas na pele = não há
Tosse= forte
Dor muscular = intensidade média
Espirros= sim
Mal estar = sim
Cansaço = intensidade média
Dor nos olhos = não, exceto se houver associado conjuntivite
Calafrios = associado a febre alta
Período de incubação= 3 a 5 dias
Transmissão=por contato direto entre pessoas e animais, entre pessoas e pessoas ou entre pessoas e objetos contaminados.

Atenção escola: se estes sintomas surgirem nos alunos em sala de aula, por exemplo, uma febre repentina entre 38°C e 39°C, de imediato ligue para os pais e peça que venham urgente para a escola e sigam para o hospital certificando-se que lá o medicamento, com os princípios ativos fosfato de oseltamivir e zanamivir presentes no  Tamiflu e Relenza, seja administrado no prazo de 48 horas que se seguem ao aparecimento dos sintomas.

O Ministério da Saúde recomenda que este medicamento deve ser utilizado mesmo se houver apenas uma suspeita do vírus H1N1.

Recomendação de prevenção são do Dr. Drauzio Varella:

* Lavar frequentemente as mãos com bastante água e sabão ou desinfetá-las com produtos à base de álcool;

* Jogar fora os lenços descartáveis usados para cobrir a boca e o nariz, ao tossir ou espirrar;

* Evitar aglomerações e o contato com pessoas doentes;

* Não levar as mãos aos olhos, boca ou nariz depois de ter tocado em objetos de uso coletivo;

* Não compartilhar copos, talheres ou objetos de uso pessoal;

* Suspender, na medida do possível, as viagens para os lugares onde haja casos da doença;

* Procurar assistência médica se surgirem sintomas que possam ser confundidos com os da infecção pelo vírus da influenza tipo A.

Escolas atenção:

Utilizem novamente o álcool gel na entrada das salas de aula;

Orientem os alunos para manter as mãos limpas;

E avisar todos os pais caso ocorra algum caso na escola.

Tags: , , ,

Comentário



 

O neurologista Dr. Cícero Coimbra prescreve um tratamento revolucionário com vitamina D que cura a esclore múltipla, o reumatismo, a artitre,lúpus dentre tantas outras doenças autoimunitárias.

Contato com médicos: http://vitaminadporumaoutraterapia.wordpress.com/contatos-de-medicos/

Assista o documentário Vitamina D, por uma outra terapia , direção de Daniel Cunha portador de esclerose múltipla e beneficiário do mesmo tratamento.

O documentário surgiu da necessidade de compartilhar esse conhecimento com outros portadores, seus familiares e conhecidos, profissionais da saúde, estudantes de medicina e interessados em geral.

Assista o vídeo e depois conheça o blog Vitamina D, por uma outra terapia: http://vitaminadporumaoutraterapia.wordpress.com/

Créditos:

Direção e montagem: Daniel Cunha
Produção e direção de arte: Tunay Canepari
Fotografia e câmeras: Luiz Pires
Locução: Geraldo Barreto
Ilustração: Catarina Bessell
Trilha sonora original: Emiliano Cosacov
Correção de cor: Alexandre Cristófaro
Edição de áudio: Guilherme Vorhaas

Imagens Surf: Joyce Grisotto
Imagens Estúdio: Pablo Moreno (Estúdio 12×8)

Tags: , , ,

Comentário



 

Em novembro de 2010 escrevi um post Caçada de Pedrinho e a falsa polêmica (aqui) a respeito da polêmica instaurada pela mídia diante de um Parecer CNE/CEB n°.15/2010 (aqui) do Conselho Nacional de Educação (CNE) e da Câmara de Educação Básica (CEB), desencadeado por uma denúncia feita pelo Prof. Antonio Gomes da Costa Neto sobre o teor racista do livro Caçada de Pedrinho do autor Monteiro Lobato.

Na ocasião meu post objetivava esclarecer que o CNE acatou uma denúncia do professor por ser pertinente e legal e prescreveu ações que atendem a legislação brasileira sem, no entanto, eliminar do acervo literário infantil de nossas escolas autor da importância de Monteiro Lobato, ao contrário do que divulgava a mídia.

Após dois anos da publicação do post Caçada de Pedrinho e a falsa polêmica, recebo do Prof. Leonardo F.Nascimento da IESP-UERJ ,o fruto de um estudo de sua autoria e de outros dois autores , Prof.Dr João Feres Junior da IESP-UERJ e da Profa.Dra. Zena Winona Eisenberg PUC Rio, o artigo : Monteiro Lobato e o Politicamente Correto , publicado pela Revista Dado, n.56, 1, pp. 55-92, 2013.

O estudo apresentado neste artigo, a meu ver, contribui com a reflexão de inúmeras questões de nossa contemporaneidade: o politicamente correto utilizado pela mídia, o poder político da palavra, o racismo da sociedade brasileira, a construção do espaço público, o significado da liberdade de expressão, dentre outros.

Segundo os autores Feres, Nascimento e Eisenberg o estudo demonstra , ” em desacordo com a opinião dominante na grande mídia, o caráter inegavelmente racista de vários trechos da obra de Lobato para o leitor contemporâneo, inclusive de sua literatura infantil; a necessidade fática da existência do politicamente correto em qualquer sociedade, principalmente nas sociedades democráticas contemporâneas e sua positividade moral; e, levando em conta os dados mais sólidos acerca do desenvolvimento cognitivo e moral humano, a inadequação da posição dominante na mídia e, em parte, dos pareceres do MEC, no que toca a questão do uso didático desse livro.

Leia o artigo: Monteiro Lobato e o Politicamente Correto

Sobre os Autores:

João Feres Júnior
IESP-UERJ
jferes@iesp.uerj.br
Professor de ciência política do IESP-UERJ, editor assistente da revista Contributions to the History of Concepts, coordenador no Brasil do Projeto de História Conceitual do Mundo Atlântico (Iberconceptos) e coordenador do Grupo de Estudos Multidisciplinares da Ação Afirmativa (GEMAA). Trabalha atualmente com teoria política, políticas de ação afirmativa, relações raciais, estudos de mídia, teoria da história conceitual, e história dos conceitos de América, América Latina e civilização no Brasil e em outros países. É autor do livro A história do conceito de Latin America nos Estados Unidos, publicado em português (EDUSC 2005), espanhol (Editorial de la Universidad de Cantabria 2008), francês (Editions L’Harmattan 2010) e inglês (Nova Science 2010), e é coautor do livro Teoria política contemporânea: uma introdução. Foi co-organizador de seis outros livros, trêse história conceitual e três acerca das políticas de ação afirmativa.

Leonardo Fernandes Nascimento
IESP-UERJ
leofn@yahoo.com.br
Graduado em Psicologia, Mestre em Sociologia pela USP e Doutorando em Sociologia pelo IESP-UERJ. Atualmente desenvolve pesquisas sobre sociologia dos diagnósticos e sociologia computacional. Sua tese de doutorado tem como tema a construção do transtorno de estresse pós-traumático no Brasil.

Zena Winona Eisenberg
PUC-Rio
zena.eisenberg@gmail.com Doutora em Psicologia do Desenvolvimento Humano pela City University of New York (2006), pós-doutora no Programa de Pós-Graduação da Faculdade de Educação (ProPEd) da UERJ (2008), é hoje Professora Assistente no Departamento de Educação da PUC-Rio. Atua principalmente nas áreas de aquisição de noções temporais, de conceitos, desenvolvimento da linguagem e do pensamento. É autora do livro From Now to Then: Parents and children talk about past and future (LAP Lambert Academic Publishing AG &

Tags: , , , , , ,

Comentários (2)



 

 

O Ministério Público do Estado de São Paulo impetrou ação civil pública contra o Estado de São Paulo e o Município de Atibaia alegando que ambos requeridos estão impondo data de corte para o ingresso de crianças na Educação Infantil e no Ensino Fundamental não é previsto na Constituição Federal,portanto, ferindo o princípio da isonomia garantido por ela.

No Estado de São Paulo por intermédio da Deliberação CEE n.73/2008 a data-corte é 30/06 e no Município de Atibaia é 28/02.

O juiz Brenno Gimenes Cesca deferiu a ação em 2/05/2013 e concluiu a liminar da seguinte forma:

“Ante o exposto, julgo os pedidos procedentes para, tornando definitiva a tutela provisória (fls. 330/331), determinar aos requeridos que, sob pena de multa diária de R$ 500,00 por aluno não atendido:

a) permitam a matrícula de crianças que completarem, em qualquer data do ano letivo em curso, a idade padrão para a série correspondente nas etapas iniciais do ensino fundamental e/ou infantil;

b) providenciem, caso haja requerimento dois pais ou responsáveis legais interessados ou iniciativa do dirigente regional de ensino, reavaliação pedagógica, educacional e individual do aluno, para decisão de eventual ingresso ou transferência na série pretendida.”

justiça

Pois é meu leitor , pai e mãe de crianças nascidas após a data de 30/06 ou 28/02 (Atibaia), estamos com uma sentença, mas que não ajuda muito nossas crianças, porque se por um lado é para fazer a matrícula dos nascidos após a data-corte , por outro, a efetivação da matrícula fica vinculada a uma avaliação.

De modo que o item b acaba compromentendo o item a da sentença do Juiz Brenno, porque se a escola, ou mesmo uma rede de ensino, não quiser realizar a avaliação, que o juiz  esta a chamar de reavaliação, pronto acabou-se, daí os pais novamente terão que recorrer a Justiça com o mandado de segurança.

Para variar quem sai perdendo novamente são as crianças das escolas públicas. Porque é lógico que as redes de ensino municipal ou estadual não irão avaliar as crianças de modo a matricular centenas delas no 1o ano.Este procedimento incharia as redes e os Governos teriam certamente de ampliar o número de vagas , o que implicaria em aumentar o número de professores, aumentando os custos não previstos em orçamento.

E é claro que o juiz sabe disso , por isso uma decisão dúbia como esta.

Para as escolas particulares sopa no mel. Quem quererá perder alunos nesta altura do campeonato? Eu é que não iria querer perder alunos para a concorrência. De modo que será bom para as escolas particulares e para seus alunos.

Mas como a sentença é nebulosa há vários pontos de interrogação a serem esclarecidos, por isso continuaremos a buscar mais informações. Fique ligada (o)!

Leia a análise da advogada Dra. Claudia Hakim (aqui)

Leia a Sentença na íntegra (aqui)

Tags: , , , , ,

Comentários (2)



Andreas Schleicher nos conduz ao teste PISA, uma avaliação global que classifica países, comparando-os entre si — e então usa esses mesmos dados para ajudar a melhorar as escolas.

Assista para descobrir onde o nosso país se enquadra e aprenda o fator singular que faz alguns sistemas superar os outros.

 

 

Transcrição da palestra no TED:

A abertura radical ainda é um futuro distante na área da educação escolar. Temos grandes dificuldades em compreender que o aprendizado não é um lugar, mas uma atividade.

Mas quero contar a vocês a história do PISA, o teste da OECD, que mede os conhecimentos e habilidades de adolescentes de quinze anos de idade, ao redor do mundo, e é realmente uma história sobre como as comparações internacionais globalizaram a área da educação, a qual geralmente tratamos como um assunto de política interna.

Vejam como o mundo era nos anos 60, no que diz respeito à proporção de pessoas que completaram o ensino médio. Vocês podem ver os Estados Unidos à frente de todo mundo, e muito do sucesso econômico dos Estados Unidos deve-se à sua superioridade, de longa data, como pioneiro na educação. Mas nos anos 70, alguns países alcançaram os EUA. Nos anos 80, a expansão global do grupo de talentos continuou. E o mundo não parou nos anos 90. Então, nos anos 60, os EUA eram os primeiros. Nos anos 90, eram o décimo terceiro, e não porque os padrões diminuíram, mas porque houve um avanço muito mais rápido em outros lugares.

A Coreia nos mostra o que é possível realizar em educação. Duas gerações atrás, a Coreia tinha o padrão de vida do Afeganistão de hoje, e tinha um dos piores desempenhos em educação. Hoje, todo jovem coreano termina o ensino médio.

Então, isso nos mostra que, na economia global, o desenvolvimento nacional não é mais referência de sucesso, mas o melhor desempenho dos sistemas educacionais, em nível internacional. O problema é que mensurar quanto tempo as pessoas gastam na escola, ou que diploma elas têm, nem sempre é a melhor maneira de avaliar o que elas, de fato, podem fazer. Vejam a mistura tóxica de graduados desempregados em nossas ruas, enquanto os empregadores dizem que não conseguem contratar pessoas com as habilidades de que precisam. E isso nos mostra que melhores diplomas não significam, necessariamente, melhores habilidades, melhores empregos ou melhores vidas.

Então com o PISA, tentamos mudar isso, mensurando o conhecimento e as habilidades das pessoas de forma direta. E partimos de uma perspectiva bem específica. Estávamos menos interessados na capacidade dos alunos de reproduzir o que aprenderam na escola, e mais em avaliar se eles são capazes de utilizar o conhecimento que possuem, aplicando esse conhecimento em situações novas. Algumas pessoas nos criticaram por isso, dizendo que essa maneira de medir resultados é muito injusta com as pessoas, pois avaliamos alunos com problemas que nunca haviam visto antes. Mas, sabe, se pararmos para pensar, veremos que a vida é injusta, pois o verdadeiro teste da vida não é se podemos nos lembrar do que aprendemos na escola, mas se estamos preparados para mudança, se estamos preparados para empregos que ainda não existem, para usar tecnologias que ainda não foram inventadas, para resolver problemas que não podemos antecipar hoje.

E depois de muito contestada, nossa maneira de medir resultados, na verdade, se tornou rapidamente o modelo. Em nossa última avaliação em 2009, medimos setenta e quatro sistemas escolares que, juntos, somavam 87% da economia. Este gráfico demonstra o desempenho dos países. Em vermelho, um pouco abaixo da média da OECD. Amarelo é mais ou menos, e em verde estão os países que estão muito bem. Podemos ver Xangai, Coreia e Cingapura, na Ásia; Finlândia, na Europa; Canadá, na América do Norte, se saindo muito bem. Vocês podem ver também que há uma diferença de quase três anos escolares e meio, entre alunos de quinze anos de Xangai e do Chile, e a diferença aumenta para sete anos escolares, ao incluir países com desempenho muito ruim. Há uma enorme discrepância na maneira pela qual os jovens são preparados para a economia atual.

Mas quero apresentar um outro aspecto importante nesse quadro. Os educadores gostam de falar sobre igualdade. Com o PISA, queríamos medir como eles oferecem essa igualdade, em termos de assegurar que pessoas de diferentes origens sociais tenham oportunidades iguais. E notamos que, em alguns países, o impacto da origem social nos resultados do aprendizado é muito forte.

As oportunidades não são distribuídas igualmente. O potencial de muitas crianças é desperdiçado. Vemos em outros países que o contexto social em que se nasce é muito menos importante. Todos queremos estar ali, no quadrante direito superior, onde o desempenho é alto e as oportunidades de aprendizado são distribuídas igualmente. Ninguém, ou país algum, pode se contentar em estar ali, onde o desempenho é baixo e há disparidades sociais enormes. E daí podemos debater: é melhor estar ali, onde o desempenho é alto às custas de grandes disparidades, ou é melhor enfocar a igualdade e aceitar a mediocridade?

Na verdade, ao observar como os países aparecem nesse quadro, vemos que há muitos países que realmente combinam excelência com igualdade. De fato, uma das lições mais importantes dessa comparação é que não é preciso comprometer a igualdade para alcançar a excelência. Esses países deixaram de oferecer excelência apenas a alguns, para oferecer excelência a todos, uma lição muito importante. E isso desafia também os paradigmas de muitos sistemas escolares que creem ter, essencialmente, o papel de escolher pessoas. E desde que esses resultados foram divulgados, políticos, educadores, pesquisadores de todo o mundo tentaram decifrar o que está por trás do sucesso desses sistemas.

Mas vamos voltar por um instante, e falar dos países que, na verdade, deram início ao PISA. Eles aparecem agora como círculos coloridos. E estou deixando o tamanho do círculo proporcional ao volume de dinheiro que eles gastam com alunos. Se dinheiro fosse tudo, no que diz respeito à qualidade dos resultados do aprendizado, encontraríamos os círculos maiores na parte de cima, certo? Mas não é isso o que se observa. O gasto por aluno explica apenas cerca de menos de 20% da variação de desempenho entre os países. Luxemburgo, por exemplo, o sistema mais caro, não se sai muito bem. O que se observa é que dois países com gasto similar alcançam resultados muito diferentes. Observa-se também — e acho que é uma das descobertas mais animadoras — que não vivemos mais num mundo nitidamente dividido entre países ricos e com boa educação, e países pobres e com educação ruim. Uma lição muito importante.

Vamos observar isso em maiores detalhes. O ponto vermelho mostra o gasto por aluno em relação à riqueza do país. Uma maneira de se gastar dinheiro é pagando bem aos professores, e na Coreia se observa um grande investimento para atrair os melhores profissionais para a docência. A Coreia também investe em escolas de tempo integral, o que aumenta mais os gastos. E por último, os coreanos querem que seus professores não apenas ensinem, mas também se desenvolvam. Eles investem em desenvolvimento profissional e colaboração, e muitas outras coisas. Tudo isso custa dinheiro. Como a Coreia pode custear tudo isso? A resposta é que os alunos coreanos estudam em turmas maiores. É a barra azul, que puxa os custos para baixo. Vamos ao próximo país da lista, Luxemburgo, e percebemos que o ponto vermelho está no mesmo nível da Coreia, pois Luxemburgo tem o mesmo gasto por aluno que a Coreia. Mas, sabe, pais, professores e políticos, em Luxemburgo, gostam de turmas pequenas. Sabe, é muito agradável entrar numa classe pequena. Então, eles investiram todo seu dinheiro nisso, e a barra azul, tamanho da turma, puxa os custos para cima. Mas mesmo Luxemburgo não tem dinheiro de sobra, e o preço disso é que os professores não são pagos muito bem. Os alunos não têm muitas horas de aprendizado. Basicamente, os professores têm pouco tempo para fazer qualquer coisa além de lecionar. Então, é possível ver dois países gastarem de forma muito diferente, e, na verdade, a maneira como gastam seu dinheiro é muito mais importante do que o quanto investem em educação.

Vamos voltar ao ano 2000. Lembrem-se, foi um ano antes de o iPod ser inventado. Era assim que o mundo era naquela época, em termos de desempenho no PISA. A primeira coisa que se observa é que os círculos são bem menores, não? Gastávamos muito menos em educação, cerca de 35% a menos. Então, pergunte a si mesmo: se a educação se tornou tão mais cara, ela se tornou melhor? E a triste verdade é que, sabe, não em muitos países. Mas há alguns países que experimentaram um avanço impressionante. A Alemanha, o meu país, no ano 2000, estava no quadrante inferior, abaixo da média de desempenho, com grandes disparidades sociais. E, lembrem-se, a Alemanha era um desses países que se saem muito bem, quando consideramos apenas pessoas com diplomas. Resultados decepcionantes. As pessoas ficaram pasmas com os resultados. E pela primeira vez, o debate público na Alemanha girou, durante meses, em torno da educação, não impostos ou outros assuntos, mas a educação era o centro do debate público. Então, os políticos começaram a reagir a isso. O governo federal aumentou drasticamente o investimento em educação. Muito foi feito para ampliar as oportunidades dadas a alunos de origem imigrante ou em desvantagem social. E o mais interessante é que não foi apenas uma questão de otimização de políticas já existentes, mas os dados mudaram algumas das crenças e paradigmas que eram o alicerce da educação alemã. Por exemplo, tradicionalmente, a educação infantil era vista como coisa de família, e havia situações em que mulheres eram vistas como negligentes em suas responsabilidades familiares, quando mandavam seus filhos para o jardim de infância. O PISA transformou esse debate, e colocou a educação pré-escolar bem no centro da política pública na Alemanha. Ou, tradicionalmente, a educação alemã divide as crianças, aos dez anos de idade, muito novas ainda, entre as destinadas a seguir carreiras de trabalho intelectual, e aquelas que acabariam sendo empregadas dos primeiros, e isso com base, essencialmente, em aspectos socioeconômicas, e esse paradigma também está sendo contestado agora. Muitas mudanças.

A boa notícia é que, nove anos depois, é possível ver avanços em qualidade e igualdade. As pessoas assumiram o desafio, e fizeram algo a respeito.

Ou, vejamos a Coreia, na outra extremidade do espectro. No ano 2000, a Coreia já estava muito bem, mas os coreanos temiam que apenas uma pequena parcela de seus estudantes alcançassem os níveis mais altos de excelência. Eles assumiram o desafio, e a Coreia foi capaz de dobrar a proporção de estudantes que alcançam a excelência no campo da leitura, em uma década. Bem, ao enfocar apenas os alunos mais brilhantes, o que acontece é que as disparidades aumentam, e é possível ver esse círculo se movendo levemente para outra direção, mas mesmo assim, um avanço impressionante.

Uma grande reforma na educação da Polônia ajudou a reduzir drasticamente o desnível entre escolas, a mudar muitas escolas com baixo desempenho, e aumentar o desempenho em mais de meio ano escolar. E é possível ver outros países também. Portugal foi capaz de consolidar seu sistema escolar fragmentado, aumentar a qualidade e melhorar a igualdade, assim como a Hungria.

Então, é possível ver que aconteceram muitas mudanças. E mesmo essas pessoas que reclamam e dizem que a posição relativa dos países em algo como o PISA é apenas um produto da cultura, de fatores econômicos, de questões sociais, da homogeneidade de suas sociedades, e assim por diante, essas pessoas, agora, devem admitir que a melhoria da educação é possível. Sabe, a Polônia não mudou sua cultura. Não mudou sua economia, não mudou a composição de sua população. Não demitiu professores. A Polônia mudou sua política educacional e sua prática. Muito impressionante.

E tudo isso, é claro, levanta a questão: o que podemos aprender desses países no quadrante verde, que alcançaram níveis altos de igualdade, de desempenho, e aumentaram os resultados? E, claro, a questão é: o que funciona num contexto pode servir de modelo para outro contexto? É claro, não se pode copiar e colar sistemas educacionais por atacado, mas essas comparações têm identificado uma gama de fatores que sistemas de alto desempenho têm em comum. Todo mundo concorda que educação é importante. Todo mundo diz isso. Mas o teste da verdade é: como pesamos essa prioridade em relação a outras prioridades? Como os países pagam a seus professores, em comparação com outros trabalhadores qualificados? Você gostaria que seu filho se tornasse professor, ao invés de advogado? Como a mídia fala sobre escolas e professores? Essas são questões cruciais, e o que aprendemos com o PISA é que, em sistemas educacionais de alto desempenho, os líderes convenceram seus cidadãos a fazer escolhas que valorizam a educação, seu futuro, mais do que o consumo, hoje. E sabem o que é interessante? Vocês não vão acreditar, mas há países em que o lugar mais atrativo não é o shopping center, mas a escola. Essas coisas existem de verdade.

Mas valorizar a educação é só uma parte do quadro. A outra parte é acreditar que todas as crianças são capazes de ter sucesso. Há alguns países onde os estudantes são segregados desde cedo. Sabe, os estudantes são divididos, refletindo a crença de que apenas algumas crianças podem alcançar os melhores padrões do mundo. Mas, geralmente, isso está ligado a disparidades sociais muito fortes. Se você vai ao Japão, na Ásia, ou à Finlândia, na Europa, os pais e professores, nesses países, esperam que todo estudante seja bem sucedido, e é possível ver isso refletido no comportamento do aluno. Quando perguntamos aos estudantes o que é necessário para ter sucesso em matemática, estudantes, na América do Norte, normalmente responderiam: “Sabe, é uma questão de talento. Se não nasci sendo um gênio na matemática, é melhor estudar outra coisa.” Nove em cada dez estudantes japoneses dizem que isso depende de meu próprio investimento, meu próprio esforço, e isso diz muito sobre o sistema que os cerca.

No passado, estudantes diferentes eram ensinados de forma parecida. Os que têm melhor desempenho no PISA abraçam a diversidade, com práticas pedagógicas diferenciadas. Eles percebem que estudantes comuns têm talentos extraordinários, e eles personalizam as oportunidades de aprendizado.

Os sistemas de alto desempenho também compartilham padrões claros e ambiciosos, em todo o espectro. Todo estudante sabe o que importa. Todo estudante sabe o que é preciso para ser bem sucedido.

E em lugar nenhum a qualidade do sistema educacional supera a qualidade de seus professores. Os sistemas de alto desempenho são muito cuidadosos em como recrutam e selecionam seus professores, e em como os treinam. Eles se preocupam em melhorar o desempenho dos professores que estão tendo dificuldade, e em estruturar o salário do professor. Eles proporcionam um ambiente em que os professores trabalham juntos na construção de boas práticas. E disponibilizam meios inteligentes para que os professores cresçam em suas carreiras. Em sistemas escolares burocráticos, os professores geralmente são deixados sozinhos em salas de aula, com um monte de regras quanto ao que devem ensinar. Sistemas de alto desempenho são muito claros a respeito do que é um bom desempenho. Eles estabelecem padrões muito ambiciosos, mas capacitam seus professores a decidir: o que eu preciso ensinar aos meus alunos hoje? No passado, educação tinha a ver com repasse de conhecimento. Agora, o desafio é possibilitar o conhecimento autogerado. Os sistemas de alto desempenho mudaram de formas administrativas de gestão e controle — ou seja, como saber se as pessoas estão fazendo o que tem de fazer, na educação — para formas profissionais de organização de trabalho. Eles permitem que seus professores façam inovações na pedagogia. Os professores contam com o tipo de desenvolvimento que precisam para criarem práticas pedagógicas mais fortes. O objetivo do passado era a padronização e submissão. Os sistemas de alto desempenho tornaram seus professores e diretores escolares criativos. No passado, o foco político estava nos resultados, em providências. Os sistemas de alto desempenho ajudaram os professores e diretores escolares a observar o professor vizinho, a escola vizinha, que estão ao seu redor.

Os resultados mais impressionantes dos sistemas de alto nível se devem ao fato de alcançarem alto desempenho no sistema como um todo. Vimos a Finlândia indo muito bem no PISA, mas o que torna a Finlândia mais impressionante é que há somente 5% de variação de desempenho entre estudantes de escolas diferentes. Todas as escolas são bem sucedidas. É assim que o sucesso torna-se sistêmico. E como eles fazem isso? Eles investem recursos onde eles podem fazer maior diferença. Eles atraem os diretores mais fortes para as escolas mais difíceis, e os professores mais talentosos para as salas de aula mais desafiadoras.

Por último, esses países alinham políticas em todas as áreas de política pública. Eles fazem com que sejam coerentes, por longos períodos de tempo, e asseguram que tudo seja consistentemente implementado.

Agora, conhecer o que os sistemas bem sucedidos estão fazendo ainda não nos mostra como melhorar. Isso também está claro. Aí é que surgem alguns dos limites nas comparações internacionais do PISA. É onde outras formas de pesquisa precisam intervir, e é também a razão pela qual o PISA não se aventura em dizer aos países o que eles devem fazer, mas sua força reside em dizer a eles o que todo mundo está fazendo. E o exemplo do PISA mostra que os dados podem ser mais poderosos que o controle administrativo de subsídio financeiro, pelo qual os sistemas educacionais são conduzidos.

Sabe, algumas pessoas argumentam que mudar a administração educacional é como mover cemitérios. Você não pode contar com as pessoas de lá para ajudá-lo a fazer isso. Mas o PISA mostrou o que é possível na educação. Ele ajudou países a ver que a melhoria é possível. Ele eliminou as justificativas daqueles que são complacentes. E ele ajudou países a estabelecer alvos significativos, em termos de objetivos mensuráveis alcançados pelos líderes mundiais. Se pudermos ajudar toda criança, todo professor, toda escola, todo diretor, todo pai a ver que é possível melhorar, que apenas o céu é o limite para a melhoria da educação, então criamos o alicerce para políticas melhores e vidas melhores.

Obrigado.

(Aplausos)

Tags: , ,

Comentário



 

 

O CentrodEstudos é pioneiro em oferecer cursos continuada de formação para professores, pois criou em 2.000 uma plataforma de EAD desenhada para atender os profissionais da área de educação.

De lá para cá chegamos a certificar milhares de professores de todos os cantos do país: de Macabá , no Maranhão, a Pelotas no Rio Grande do Sul e sempre com muita aceitação por parte dos professores.

Os cursos de formação continuada contam com duas modalidades: semi-presencial ou totalmente a distância.

O semi-presencial é viável apenas para uma distância de 100k de Campinas, local do CentrodEstudos, mas a  experiência com semi-presencial tem sido muito eficaz, porque há os encontros quinzenais com os professores na própria escola com carga horária de 15 horas e o restante das horas realizadas em casa completando  60 horas de curso.

laptopprofessora

As escolas públicas municipais  estão investindo em cursos de formação continuada e a cada dia capacitando mais e mais seus professores  e encontrando, tanto na modalidade semi-presencial,  como no ambiente virtual de aprendizagem oferecido pelo CentrodEstudos, aliados para elevar o baixo índice do Ideb de suas unidades de ensino.

Já os cursos de formação continuada realizados totalmente a distância são foco da iniciativa individual de professores que arcam com o investimento de tempo e dinheiro na tentativa de melhorarem o próprio desempenho profissional.

São muitos os professores que de forma pioneira  também utilizam a ferramenta do EAD desde 2.000, portanto, a mais de uma década, muito antes dos governos forjarem políticas neste sentido.

Ambiente virtual de aprendizagem deve fazer parte de cursos de formação continuada na modalidade presencial , semi-prensencial ou totalmente a distância porque é um recurso indispensável na construção de novos conhecimentos pedagógicos e na reflexão sobre o fazer na escola.

Conheça o AVA do CentrodEstudos www.centrodestudos.com.br

Conheça os cursos de formação continuada para a área de educação:

A Escrita e a Leitura na Perspectiva Vygotskyana

O Projeto Interdisciplinar na escola

Cultivando as Virtudes nos primeiros anos da escolarização

Entre em contato: centrodestudos@centrodestudos.com.br

Tags: , , , , ,

Comentários (10)



 

 

 

Depois de muita controvérsia por parte das escolas, Conselho Nacional de Educação acata recomendação e oficia a todos os municípios mineiros para que cumpram decisão judicial que suspendeu os efeitos das Resoluções 01 e 06/2010

16/04/2013

Belo Horizonte. O Conselho Nacional de Educação (CNE), órgão do Ministério da Educação (MEC), oficiou a todas as secretarias municipais de educação dos 853 municípios de Minas Gerais para que cumpram a decisão judicial proferida nos autos da Ação Civil Pública nº50861-51.2012.4.01.3800.

A decisão, proferida pela 3ª Vara da Justiça Federal em novembro do ano passado, autorizou a matrícula, na primeira série do ensino fundamental, das crianças que completassem seis anos no decorrer de 2013, independentemente da data-limite de 31 de março prevista na Resolução 01.

gilr

Apesar da decisão – e da suspensão dos efeitos também da Resolução 06, que trata do ensino infantil -, escolas públicas e particulares em todo o estado vinham se recusando, sistematicamente, a efetuar a matrícula de alunos que aniversariam em datas posteriores ao dia 31 de março, seja para ingresso no ensino fundamental, seja para acesso ao ensino infantil.

A situação obrigou o MPF, autor da ação, a instaurar inquérito civil público para apurar a razão da desobediência judicial. Uma das primeiras medidas foi a de encaminhar recomendação ao CNE para que o próprio MEC notificasse as secretarias municipais e a Secretaria de Estado da Educação (SEE) de Minas Gerais a darem cumprimento à decisão.

Recomendação no mesmo sentido foi enviada à SEE-MG, assim como a onze escolas públicas e particulares, de diversos municípios mineiros, cujos diretores foram acusados, por pais de alunos, de terem se recusado a cumprir a liminar.

No último dia 20 de março, a Secretária de Estado da Educação, Ana Lúcia Gazzola, informou ao MPF que, desde 13 de dezembro de 2012, “mesmo antes de ser notificada pela União Federal”, já vinha “garantindo a matrícula no 1º ano do ensino fundamental das crianças que completam 6 (seis) anos de idade no decorrer do ano letivo de 2013”.

A SEE solicitou ainda ao Ministério Público Federal que fosse informada a respeito de “qualquer notícia de recusa de matrícula no 1º ano do ensino fundamental em escola da rede estadual, que tenha por fundamento a idade da criança”, para adoção das “medidas administrativas pertinentes”.

No dia 28 de março seguinte, foi a vez de o Ministério da Educação informar que, em acatamento à Recomendação do MPF, encaminhou ofícios a todos os municípios mineiros, com cópia da decisão judicial, para que lhe fosse dado integral cumprimento.

Para o procurador da República Fernando de Almeida Martins, a medida encerra definitivamente todos os questionamentos e empecilhos colocados pelas escolas. “O Ministério Público Federal atuou sempre de maneira a resguardar os direitos das crianças. Infelizmente, não pudemos evitar que algumas escolas ameaçassem desrespeitar a decisão judicial, o que se deu, em alguns casos, em virtude de mero desconhecimento, mas que acabou resultando em muito desgaste para os pais. Só esperamos que a experiência sirva de lição para que o MEC se previna e evite ocorrências da mesma natureza em processos futuros”.

Ao conceder a liminar na ação civil pública ajuizada pelo MPF em julho de 2012, a Justiça Federal em Belo Horizonte entender ser irrazoável “estabelecer limitação de acesso à educação em razão de data em que a criança completa a idade de acesso ao nível escolar”, em virtude da inexistência de previsão legal e do fato de a capacidade de aprendizado ser individual.

A jurisprudência a respeito do assunto orienta-se no sentido de que as Resoluções 01 e 06 do CNE/CEB devem ser vistas como norma orientadora da escola e dos pais, e não como dispositivo impositivo de restrição do direito ao acesso à educação.

Assessoria de Comunicação Social
Ministério Público Federal em Minas Gerais
(31) 2123.9008
No twitter: mpf_mg

Tags: , , , , ,

Comentário






  • Veja Também


    Meta