Arquivo de março, 2012

A superdotação de crianças é uma questão que as escolas não sabem lidar porque , em geral, estão tão preocupadas com o déficit disso e daquilo que crianças super dotadas passam completamente desapercebidas ou neglicenciadas.

A Dra. Claudia Hakim , membro do Conselho Brasileiro de Superdotação , indicou os colégios que melhor lidam com crianças superdotadas.
Recomendo a leitura aqui – Blog Mãe de Crianças Superdotadas

Tags: , , ,

Comentários (10)



 

O IV Encontro Paulista de Pais de Crianças Superdotadas acontecerá no dia 28 de Março 2012, quarta-feira, às 20:00 hs, em São Paulo, na Rua Itápolis 1.020, Pacaembu.

O custo pela participação deste encontro será de R$ 50,00 (cinquenta reais) por pessoa.

Estão convidados pais, professores, psicólogos, educadores, pedagogos, médicos, profissionais da área ou pessoas que têm interesse ou afinidade pelo assunto e quem quiser participar.

Os interessados deverão fazer a sua inscrição através do e-mail : claudiahakim@uol.com.br

É muito importante, para as nossas crianças que pais de crianças superdotadas, talentosas e habilidosas, bem como as escolas que passam a maior parte do tempo educativo com eles,  participem  ativamente de uma educação diferenciada de seus  filhos e alunos e compartilhem   as   dúvidas, as angústias, as experiências e diferentes pontos de vista com os participantes do encontro.

Os organizadores agradecem antecipadamente a participação.

Tags: , , , , ,

Comentários (2)



 

A Tribuna de Indaiatuba no dia 16/03/2012 divulgou matéria do jornalista Danilo Tezoto a respeito da luta dos pais para garantir a matrícula de seus filhos que fazem aniversário após a data-corte determinada pela Deliberação CEE-SP N.73/08 e Resoluções do CNE/CBE N.1/2010, N.6/2010 e N.7/2010.

Contribui com a matéria com informações sobre o histórico da luta que iniciou com maior ênfase nos últimos meses de 2011 .

Tags: , , , , ,

Comentário (1)



17
mar

Recomendo o filme indiano Taare Zameen Par traduzido como Somos Todos Diferentes ou Como Estrelas na Terra – Toda Criança é Especial de 2007 .

Conta a história de um menino com dislexia e um professor sensível , inspirado e inspirador de uma prática de ensino específica para atender seu aluno.

É a história de um ensino distante das diferenças , com professores burocráticos e desalmados e a luta de uma criança de 8 anos que entende o mundo de uma forma diferente .

Conta ainda a história de pais esforçados, porém cegos diante da singularidade de seu filho, obedecendo as normas de uma sociedade competitiva e consumista de bens materiais.

É também a história de que uma andorinha faz o verão sim. Um professor, apenas um, salva seu aluno. Podemos sozinhos mudar uma trajetória, salvar do mundo uma criança.

Duração 2horas e 42 minutos. Filme indiano lindo e emocionante!

Preparem os lenços, porque muitas lágrimas certamente pularão de seus olhos.

Tags: , , , , ,

Comentário (1)



 

A música deve estar presente no currículo escolar .

Uma ótima dica é a construção de instrumentos com lata feita pela Associação Brasileira de Embalagens de Aço (ABEAÇO )

Vale a pena conferir!

Tags: , , , , ,

Comentário (1)



17
mar

 

O procedimento de pesquisa que deve ser usado na escola é a OBSERVAÇÃO.

Uma sala de alunos é um coletivo , porém , ela é formada por cada aluno e observá-los em ação é uma tentativa de entendê-los e ajudá-los de modo individualizado a ter sucesso em sua trajetória escolar.

Os alunos que apresentam maiores dificuldades são os que nos chamam mais atenção e , portanto, devem ser os primeiros objetos de estudo da escola.

A observação possibilita saber o que causa no aluno: a lentidão de efetuar as tarefas nunca terminadas, a agressividade presente um com os outros, a distração, dentre outros.

É um recurso importantíssimo para traçar diagnósticos , como também, apresentar estratégias de ensino que minimizem ou sanem as dificuldades encontradas pelos alunos.

Critério para usar o recurso da Observação:

Queixa de professor em relação a sala de modo geral. Diz que a sala é muito indisciplinada e não consegue levá-la para um comportamento adequado para o estudo.

Queixa de professor em relação a um aluno específico : agitado demais, atrapalha os colegas, agressivo com todos, não faz tarefas etc..

Queixa dos pais em relação a um aluno , a classe como um todo ou do professor que não sabe lidar com a classe.

Prazo para a Observação:

Mínimo : 1 semana

Máximo: 4 semanas

Períodos:

Inicialmente todo o período de aula

Após 1 semana períodos alternados : início da aula, após o intervalo, no final da aula.

Início:

Reunir com o professor e comunicá-lo que o recurso da Observação será usado em sua sala de aula visando conhecer melhor a classe ou o aluno e a partir disso traçar estratégias para resolver as dificuldades encontradas.

Se a queixa partiu dos pais comunicá-los que a escola usará o recurso da Observação para entender melhor o que está acontecendo.

Quem faz a Observação:

– Pode ser um auxiliar de classe;

– Pode ser a Orientadora Educacional ou Coordenação;

– Pode ser um Monitor Pedagogo.

Procedimentos para a Observação:

– O observador deve contar com um caderno de campo no qual fará suas anotações de duas maneiras: relato de tudo o que está vendo acontecer e ,do outro lado, suas impressões ou dizendo de um outro modo, o que lhe passar pela cabeça a respeito do que está vendo.

No término da Observação todas as anotações comporão uma análise que resultará em um documento apontando as dificuldades e sugerindo estratégias de saná-las.

Haverá muitas surpresas ao fazer esse procedimento porque, em geral, as soluções são de fácil aplicação e muito simples ,sobretudo, quando se trata de problemas com toda a classe .

 

Tags: , , , , ,

Comentário



 

A prescrição da data-corte contida na Deliberação CEE-SP N.73/08 está a separar pais e filhos. Isso mesmo, não é uma piada , mas a realidade vivida por  pais e filhos imposta pela rigidez absurda desta norma administrativa, pela falta de responsabilidade de diretores escolares e pela ausência do bom senso de supervisores de ensino.

Um pai de Curitiba foi transferido para São Paulo capital em função de seu trabalho.  Não pode trazer sua família, porque sua filhinha de 3 anos e meio, que cursa o maternal II  na Educação Infantil, não consegue matrícula correspondente na capital paulista  porque  lá nenhuma escola está aceitando matriculá-la nesta série, apenas na anterior, o maternal I, por conta da data-corte determinada pela Deliberação CEE-SP N.73/08.

No Paraná há uma lei estadual que determina para o ingresso no Ensino Fundamental a data-corte em 31/12, da mesma forma ocorre com o Estado do Rio de Janeiro. Já em São Paulo tudo é muito mais complicado porque há duas datas de corte prevalecendo: a de 31/03 para alunos de escolas públicas e 30/06 para alunos das escolas particulares, razão pela qual a nossa pequena curitibana, caso venha acompanhar o seu pai na transferência de cidade, terá que repetir a série nas escolas da capital paulista. É isso mesmo , tem havido  retenção na Educação Infantil em função do critério único cronológico de ingresso ao ensino.

A data-corte da Deliberação CEE-SP N.73/08, 30/06 , bem como, a da Portaria Conjunta da Secretaria da Educação do Estado de São Paulo  e  da Secretaria Municipal de Educação de São Paulo de  25/08/2011, 31/03:

– violam os princípios basilares da isonomia e da razoabilidade , fundados na Constituição da República ;

– violam Art. 208, I, da Constituição Federal;

– criam obstáculo para o acesso a progressão de nível de ensino mais elevado ainda que a criança tenha capacidade para o novo aprendizado;

– promovem a retenção na Educação Infantil;

Ainda transcrevo aqui a fundamentação do juiz federal Dr. Claudio Kitner da 2ª Vara de Pernambuco, ao conceder liminar a ação civil pública impetrada pelo Ministério Público Federal de Pernambuco:

“ Não é legítimo que o direito subjetivo da criança à educação nos níveis mais elevados de ensino, segundo sua própria capacidade, consagrado constitucionalmente , reste diminuído por força de meras normas administrativas como Resoluções, Portarias, Circulares. Se, por um lado, os diplomas legais e constitucionais que organizam a Educação Nacional estabelecem o dever do Estado de garantir acesso à educação no ensino fundamental, obrigatoriamente , a partir dos seis anos de idade, por outro ângulo , não impedem que o educando , conforme sua capacidade individual criteriosamente medida, possa progredir para etapa mais avançada de aprendizado. Nesse diapasão, o Poder Público, não se encontra autorizado a , sob o pretexto de discricionariedade, solapar direito estituído constitucionalmente. Pelo diverso , deve deixar a tarefa de avaliação da maturidade da criança para ingressar no ensino fundamental às instituições escolares, as quais sempre , ao longo dos anos, estiveram dotadas de todos os meios para receberem alunos de todas as idades.”

Em qual momento e por qual motivo, nós educadores que legislamos, que gerenciamos escolas, que supervisionamos ações educativas, nos esquecemos de que a nossa única meta na educação é o aluno?

As melhores condições de aprendizagem para o aluno;
A escola para o aluno;
A legislação garantindo os direitos do aluno.

Por que estamos a defender o Estado nos esquecendo da defesa de nosso aluno e de seus  direitos constitucionais?

As escolas   não precisam ser cordeiros do Estado. Vivemos em uma democracia e , portanto, podemos questionar, refletir, discordar , pedir esclarecimentos , acionar dispositivos que garantam nossos direitos. Portanto, as escolas, sobretudo, as particulares, podem e devem reagir a esta inconstitucionalidade acionando seu departamento jurídico e impetrando mandado de segurança contra o Estado, buscando acolher as famílias que passam por esta injustiça.

Quiçá os educadores sacudam a letargia e se levantem em prol de nossas crianças , razão primeira de nosso ofício: a educação escolarizada.

Tags: , , , , , ,

Comentários (10)



12
mar

O ceramista – The Potter

por Sônia R. Aranha às 14:41 em: Educação

Para nós que amamos o barro , vale a pena assistir esta animação de Josh Burton.

A emoção de lidar com o barro e aprender com seu mestre.

Tags: , , , ,

Comentário



12
mar

Um conto de José Saramago , narrado por ele, neste curta de animação. Uma delícia!

Tags: , , ,

Comentário



12
mar

Palestra de José Pacheco, da Escola da Ponte, proferida na Apeoesp em 2008

 

Tags: , , ,

Comentário



Page 1 of 212



  • Veja Também


    Meta